6 de dez de 2014

Voce se ajuda?

Posted by Semeando Paz on 6.12.14No comments



"O criador de todas as coisas dotou o ser humano de inteligência e livre-arbítrio, combinações que quando integradas a outras características inerentes como emoções e sentimentos, levam-no a atingir níveis de consciência que determinam o seu grau de progresso espiritual.

No entanto, muitos seres ficam pelo caminho evolutivo, estacionam, se perdem nos desvios da existência. Geralmente, por imaturidade ou por questões ligadas à dependência afetiva, sentimentos não resolvidos cuja sintonia a criança leva consigo para a fase adulta.

Em outras situações, a negligência dos pais ou substitutos na educação, acentuam traços negativos de caráter que o indivíduo trás de outras vidas. A vida, na verdade, é uma combinação de situações pregressas e atuais, onde as vivências se misturam revelando a síntese do que somos.

Porém, acima de tudo, e de acordo com as leis da vida, cabe ao indivíduo adulto que goza de boa saúde, ser responsável por si mesmo, pois a percepção de si próprio inserido no contexto da vida, é a mola mestra que impulsiona as realizações pessoais no campo da independência afetiva e da liberdade de escolha.

O sentido de evolução é inerente ao ser humano. Se não for na vida atual por uma questão de limitação física ou de origem neurológica que impede o desenvolvimento normal do indivíduo, tornando-o dependente de terceiros, será na próxima vida quando ele estiver livre da "dívida" contraída no pretérito.

As leis naturais, também chamadas de divinas, morais ou universais, estimulam o ser inteligente para o crescimento integral e expansão da consciência. Mas, geralmente, o indivíduo não percebe essa orientação natural que permanece latente em sua consciência, exceto pelo aspecto instintivo relacionado à necessidade de sobrevivência em um mundo cada vez mais competitivo e repleto de conflitos de egos.

Por isso, muitas vezes, desviando-se do rumo ou alheio à orientação das leis naturais, o indivíduo sucumbe às suas próprias limitações. Torna-se apático, sua luz natural direcionada para a evolução quase se extingue, e a depressão avança tornando os seus dias mais sombrios e sem esperanças...

Sem reagir ou querer se ajudar, ele afunda cada vez mais no pântano de seus sentimentos não resolvidos e emoções descontroladas. O desequilíbrio, então, age livremente em seu psiquísmo, desorientando-o por tempo indeterminado da linha natural da vida e de seu senso de evolução.

Perdido como uma nau em mar bravio, o ser inteligente luta contra si mesmo para superar as muitas dificuldades encontradas pelo caminho. Não visualiza novos horizontes porque não enxerga além da sintonia de vítima presa às circunstâncias de sua existência.

Mesmo à deriva de sua tempestade existencial, ele não clama por socorro, não busca ajuda, não tem motivação para sair do redemoinho de suas lamentações e encontrar a luz do amanhecer e a tranquilidade de águas mais serenas que levem a portos seguros.

A cegueira provocada por ressentimentos do passado, impedem a visão de si próprio como um ser direcionado à transcendência das coisas que estão associadas ao efêmero dos acontecimentos mundanos.

Prisioneiro de si mesmo e subjugado aos grilhões da obsessão e do sentimento de vitimização, ele experencia em vida a masmorra do corpo e da alma, sendo a escuridão sua inseparável companheira de todas as horas.

Deprimido e acabado ele aguarda que a guilhotina da vida venha por fim a sua dor crônica, ao seu sofrimento tenaz e a sua desesperança por dias melhores - iluminados e acolhedores.

De repente, a simples visão de dias iluminados e acolhedores que a sua memória ainda guarda de tempos idos, faz reacender a chama da vida e a certeza de que a esperança pode ser renovada a partir do ponto em que o caminho do crescimento foi desviado para atalhos incertos e perigosos.

É chegado o momento -e talvez, a última oportunidade- de buscar ajuda para recuperar o tesão pela vida e o sentido de independência como ponto de partida para a expansão da consciência, em benefício do autoconhecimento, bem-estar e das realizações de âmbito pessoal e profissional."
Flavio Bastos
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário