Cuide-se .........Fale da sua DOR


O que torna as pessoas depressivas?
Vivemos atualmente num constante terremoto de valores éticos, morais, sociais, etc....o “certo e o errado” já não e mais determinado pela socialização, faz parte de uma complexidade interna e externa do individuo.
Ansiedade excessiva que bloqueia, síndromes do pânico, medo da vida e do viver, tristeza desesperançosa, enxergamos tudo nebuloso, cinzento, as vezes ate obscuro, que nos faz fecharmos em nos pp.
Como um caracol escondo na minha própria redoma.
COMO A PSICANÁLISE CURA DEPRESSÃO
Importante salientar que a palavra Cura vem de CUIDAR.
A própria inquietude humana quer nos dizer algo, precisa ser falado para ser compreendido. A psicoterapia é uma das formas que a depressão pode ser melhor compreendida, curada, elaborada e transformada.
Muitas vezes, necessário também o suporte medicamentoso, nisso o Psiquiatra que junto com Psicanalista, poderá favorecer uma melhor compreensão sobre esse estado de espírito, como dizem os poetas, ao cantarem a Dor Humana.
Cuide-se 
Fale da sua DOR

Uma pessoa que nunca teve depressão pode “desenvolvê-la” na velhice?





Sim. E, para melhor responder a essa questão, falaremos sobre a “depressão de início precoce” e a “depressão de início tardio”.
Depressão de início precoce:
Enquadram-se pessoas que já apresentaram episódios depressivos ou qualquer outro transtorno psicológico em outras fases da vida e que acabam os desenvolvendo também durante a velhice. Assim, a manifestação da depressão na velhice é considerada uma recorrência de episódios anteriores.

Depressão de início tardio:
Ao longo do envelhecimento, aumentam-se as chances de ocorrência de eventos de stress que podem comprometer o bem-estar, o humor, a qualidade de vida da pessoa idosa.

Alguns exemplos são:
Perda da funcionalidade
Diminuição na frequência da prática de atividades
Aparecimento de doenças crônicas
Morte de pessoas queridas (familiares, amigos, cônjuge)
Mudanças de papéis ocasionadas pela aposentadoria ou necessidade de tornar-se um cuidador (por exemplo, dos pais)
Institucionalização

Fale diga sempre o que sente.
Isso vai te ajudar..

“Minha querida menina...........................


No dia que você perceber que estou envelhecendo, eu peço a você para ser paciente, mas acima de tudo, tentar entender pelo o que estarei passando.
Se quando conversarmos, eu repetir a mesma coisa dezenas de vezes, não me interrompa dizendo: “Você disse a mesma coisa um minuto atrás”. Apenas ouça, por favor. Tente se lembrar das vezes quando... você era uma criança e eu li a mesma história noite após noite até você dormir.
Quando eu não quiser tomar banho, não se zangue e não me encabule. Lembra de quando você era criança eu tinha que correr atrás de você dando desculpas e tentando colocar você no banho?
Quando você perceber que tenho dificuldades com novas tecnologias, me dê tempo para aprender e não me olhe daquele jeito...lembre-se, querida, de como eu pacientemente ensinei a você muitas coisas, como comer direito, vestir-se, arrumar seu cabelo e lhe dar com os problemas da vida todos os dias...o dia que você ver que estou envelhecendo, eu lhe peço para ser paciente, mas acima de tudo, tentar entender pelo o que estarei passando.
Se eu ocasionalmente me perder em uma conversa, dê-me tempo para lembrar e se eu não conseguir, não fique nervosa, impaciente ou arrogante. Apenas lembre-se, em seu coração, que a coisa mais importante para mim é estar com você.
E quando eu envelhecer e minhas pernas não me permitirem andar tão rápido quanto antes, me dê sua mão da mesma maneira que eu lhe ofereci a minha em seus primeiros passos.
Quando este dia chegar, não se sinta triste. Apenas fique comigo e me entenda, enquanto termino minha vida com amor. Eu vou adorar e agradecer pelo tempo e alegria que compartilhamos. Com um sorriso e o imenso amor que sempre tive por você, eu apenas quero dizer, eu te amo minha querida filha.”

Leia...................................


Era uma vez uma ilha, onde moravam todos os sentimentos. Mas, um dia, foi avisado aos moradores que aquela ilha iria afundar.
Todos os sentimentos apressaram-se para sair da ilha.

Pegaram seus barcos e partiram.
Mas o amor ficou, pois queria ficar mais um pouco com a ilha, antes que ela afundasse. Quando, por fim, estava quase se afogando, o Amor começou a pedir ajuda.

Nesse momento estava passando a Riqueza, em um lindo barco. O Amor disse:
– Riqueza, leve-me com você.
– Não posso. Há muito ouro e prata no meu barco. Não há lugar para você.

Ele pediu ajuda a Vaidade, que também vinha passando.
– Vaidade, por favor, me ajude.
– Não posso te ajudar, Amor, você esta todo molhado e poderia estragar meu barco novo.

Então, o amor pediu ajuda a Tristeza.
– Tristeza, leve-me com você.
– Ah! Amor, estou tão triste, que prefiro ir sozinha.

Também passou a Alegria, mas ela estava tão alegre que nem ouviu o amor chamá-la.
Já desesperado, o Amor começou a chorar. Foi quando ouviu uma voz chamar:

– Vem Amor, eu levo você!
Era um velhinho. O Amor ficou tão feliz que esqueceu-se de perguntar o nome do velhinho. Chegando do outro lado da praia, ele perguntou a Sabedoria:
– Sabedoria, quem era aquele velhinho que me trouxe aqui?
A Sabedoria respondeu:
– Era o TEMPO.
– O Tempo? Mas porque só o Tempo me trouxe?
– Porque só o Tempo é capaz de compreender quão importante é o Amor.

Vamos Ressignificar a infância



É preciso reinventar um significado para a infância.
Resgatar a criança que fala e brinca dentro dessa palavra muda.
Mudá-la de muda para falante.
Escutar a não-fala falar…

Vamos desemudecer a infância?
Podemos começar por criar-lhe uma nova palavra:

verafância, idade da fala verdadeira.


Obs.: Falar de psicanálise é falar da infância, o berço da nossa personalidade.

Nosso in-consciente é nossa in-fancia.


E às vezes, preferimos não saber aquilo que está inconsciente. Mas é bom lembrar que muitas das nossas verdades, geralmente as maiores, é ali que se encontram.
Afinal, fala-se sim, e muito, na infância. 
A principal diferença entre o que falamos ali e na “vida adulta” parece residir em algo fora do nosso controle: a importância que sentimos que os outros dão ao que dizemos e o medo de que condenem o que dizemos.
Muak

Quando sentir angústia, escute: ela está sussurrando o seu desejo.

A angústia é o invólucro do desejo.
Dentro de nossa angústia está contido o que mais queremos. Não nos sentimos angustiados a não ser por algo que realmente nos pertence, nos afeta, desperta nossos sentimentos mais fortes.
A angústia surge para pararmos de mentir para nós mesmos.
O melhor caminho é o que escolhemos seguir, ele não pode ser decidido por outras pessoas.

Por essa razão, pode-se dizer que temos dentro de nós um “GPS para a vida” muito certeiro: a bússola angústia-desejo. Um não vive sem o outro.
Quando sentir angústia, escute: ela está sussurrando o seu desejo. Basta olhá-la pelo revés e você vai se deparar com aquilo que precisa saber sobre você mesmo.
Muak

Os gritos não educam, educar com gritos ensurdece o coração e fecha o pensamento.



Educar sem gritar é a melhor opção que podemos assumir como pais e educadores.
Gritar não é pedagógico nem saudável para o cérebro da criança, porque longe de resolver algo, o que se consegue com isso é ativar dois tipos de respostas emocionais: o medo e/ou a raiva. 
Aprendamos portanto a educar, disciplinar com base no coração, na empatia e na responsabilidade.

Aqueles que são pais ou que trabalham diariamente no mundo da educação e do ensino se verão tentados em várias ocasiões a levantar a voz para, em determinado momento, deter um comportamento perturbador ou desafiador, uma birra que desafia toda a nossa moderação. 
Não podemos negar, existem muitos momentos como esse, são momentos em que o cansaço se combina com o estresse e o nível do nosso desespero transborda.

Os gritos não educam, educar com gritos ensurdece o coração e fecha o pensamento.

Como saber se alguém esta pensando em você agora (telepatia).


Certamente você já se lembrou dos dias em que de repente uma pessoa especial que você não vê há muito tempo e, em seguida, aparece! O precedente de quando sentimos uma sensação de ordem interna que pode acontecer. Sentir que isso aconteceu! Não é? Isto é assim chamado por cientistas e pesquisadores de telepatia (telepatia), um movimento de idéias e imagens mentais entre os organismos sem o uso dos cinco sentidos ou idéias de curta transferência de uma mente para outra sem material intermediário. O que significa que ele está ciente das idéias de outras pessoas e sabe o que está acontecendo em suas mentes, e também é capaz de enviar pensamentos e incorpora-los nas mentes dos outros.

E amando torna-se eles mais capazes de telepatia, especialmente em a sua vida. Diz o profeta - que a paz esteja com ele é tudo. (pessoas de longas datas de relacionamento são mais fáceis de interagir).

Assim, quando você ficar mais velho a oportunidade de familiarizar-se com espíritos por existência de telepatia .. Entre aqueles que amam: os membros da família, amigos colegas, um sentimento de mãe, quando os filhos estão com problemas, algum sentido da morte de um dos membros de sua família .. Então, as chances de sucesso de telepatia com os membros de uma mesma família torna-se mais bem sucedidos do que aqueles que estão fora do perímetro desta família .. Exemplos de que na telepatia vemos a ligação entre os gêmeos espirituais desenvolverem doenças em conjunto onde mesmo que haja grandes distâncias entre eles podem saber da doença um do outro por telepatia entre os gêmeos, onde um deles podem fazer um telefonema para o gêmeo relacionado para confirmar a sensação que persentiu.
Não é obrigado a ler ou correr o risco de ocorrência das idéias tem uma forte ligação com o sangue que acontece entre um homem e sua esposa ou amigos quando duas pessoas começam a falar e dizer a mesma frase, ao mesmo tempo, mas o estranho é que a telepatia não acontece regularmente, mais de uma certa atmosfera. Notando que a telepatia aparece muitas vezes em situações de emergência e quando se está na extrema necessidade de se comunicar com o outro, como os casos de telepatia abundam em tempos de crise, por exemplo, se um amigo falar de uma sensação ou sonho com um acidente que poderia chegar a ele na forma de visão ou imagem mental ou com um humor azedo. Isso não ocorre em humanos apenas os indivíduos, e até mesmo com animais que vivem com eles.

Os cientistas têm realizado inúmeras experiências em diferentes animais para prever terremotos, inundações e desastres que afetam a Terra e descobriram que os peixes, vacas, cães e gatos podem prever terremotos antes que eles ocorram várias horas, como os cães e com a experiência do processo de mostrar que eles têm a capacidade de conhecer os perigos que cercam os titulares e como grande parte do tempo economizado seus proprietários a partir de situações muito difíceis podem levar pessoas à morte certa. Ele atua por animais, por exemplo, terremotos: - salto de peixe da água. Deixe os gatos da casa ao ar livre. - Coelhos bater suas cabeças, enquanto ao redor. - Os porcos mordem uns aos outros.

Na verdade, para dizer que o processo (telepatia), não é nova, remonta a tempos antigos, como você sabe que alguém está pensando em você agora:. Quando o estado emocional (surpresa) sobre uma pessoa, e esta condição é semelhante ao vivo ele já está pensando em você neste momento Em outras palavras, quando eu lembro do meu pai ou minha mãe ou minha irmã ou meu irmão ou minha amiga, então não mais do que as idéias de sentimentos quentes naturais nem sentiram já está na mente subconsciente.

Outro exemplo: quando você estiver viajando para um país distante., e de repente, sentir no dia que você está pensando na pessoa, então começou a se sentir atraída por ele e gostaria, por exemplo, entrar em contato com ele Ao procurar ... ou sobre isso, isso é o que queremos dizer e acreditem a outra pessoa está pensando em você também.

E realmente acreditem nela e com o passar do tempo sobre este assunto vai achar que é fácil para você descobrir o que pensa sobre você, mas com contínua provavelmente a reconhece a qualidade da emoção demitido por outras pessoas para você e falar nesta longa experiência.

Outro exemplo: Você está sentado em sua sala relaxado calmo, e de repente você pensa em alguém como você diria para você mesmo ( Eu não tinha visto desde o tempo)! E de repente o telefone toca vocês estão pensando sobre isso! Entra num lugar estranho, pela primeira vez, num lugar requintado e bonito, e de repente senti que começou a mostrar consciência de já ter vivido isso (e você acha que você já viu este lugar!).

Esses modelos na verdade, é apenas as imagens numeradas que resumem o que podemos chamar (capacidade acima sensorial) ou habilidades sensoriais excesso .. ou o que inclui a telepatia Ciência e de idéias e de previdência e afins ..

E cada um de nós em termos de sentença já havíamos sido submetidos a tais imagens em o dia e a noite ou durante períodos de experiências em sua vida! Eu fiquei na mesma em seu pensamento, talvez, é claro. Está ciente de que há algo de estranho nele. ele percebe que estas coisas misteriosas ou originadas de forças ocultas não são visíveis. É importante que perceba e sinta o frescor que realmente está acontecendo na frente de nós mesmos, se não for possível encontrar uma forma clara para isso. 

Esses fenômenos! Muitas pessoas não chegam ao seu conhecimento e tal conversa dessas capacidades podem ocorrer no decorrer em parte do dia e outra vez, mas os impede de sua consciência para alertar a ocorrer as duas coisas e depois que eles estão ouvindo o desconhecido. Atualizado os muitos dos fatos no sentido de que não havia nenhum mecanismo para a comunicação entre o homem e entre ele e seu núcleo e, em seguida, identificar estes pensamentos de linguagens quase inexistente.

Estamos na frente de duas tarefas:

1 - Como aprender o sentido de (quais são os mecanismos que nos permitem alcançar a consciência e compreensão destes excesso de capacidade sensorial.  2 - Como chegar à flexibilidade e claro em falar fluentemente nesse idioma. O sentido da rápida identificação e dirigir o mais preciso e mais profundo do que o que nos é dado dos outros! O que nos começa idéias e mensagens sobre a mentalidade do outro segundo / somos muitas vezes à espera de acontecer é uma estranha e misteriosa até mesmo sentir que há uma ordem que já aconteceu! Considere-me estes dois exemplos / 1 - assim e assim muitas pessoas vindo para a casa dele, portanto, uma vez que sente que seu irmão iria abrir a porta! 2 - pessoa de pessoas que se aproximam da casa e eles vão pensar que a pessoa que não tem visto um mês vai visitar! Quando o verdadeiro sentido (fulano de tal), em ambos os casos!

Ele se importa tanto por seu senso de sucesso e sinceridade no primeiro caso! Mas a este último caso, porque ele já é inesperado e nem tudo é um milagre na sua opinião, como (Como fazer esperar o advento de tais pessoas que ele não tenha visto há um mês! Ou ele irá torná-lo pura coincidência, mas quando a meditação, veremos que ambos os casos, é de fato importantes! Que lhe sucedem na previsão O irmão de vários irmãos e não manual lógico assegurar que isso é uma coisa incrível e demonstra a capacidade e o talento que você tem que não chegou ao estágio de até um preliminar nos permite comunicar com os nossos sentidos e compreender os sinais de pensamento e os pensamentos que estão se movendo em nossa direção e dos outros é um obstáculo, principalmente em um estágio avançado de conscientização e compreensão da ciência e prática bem, e também a nossa negligência das muitas formas que ocorrem com freqüência alegando que as coisas comuns (com ele ao investigar e meditação um incomum) é um obstáculo, porque torna o pólo eixo esta ciência que giram em torno o que é uma tarefa difícil e estranho e inesperado só!

Porque nossas ações mais rotina e tradicional Cada um de nós pode usar para fazer bem para se dar bem e que vai para o bem para encontrar fulano de tal, e se isso acontecer Amargar tradicionalmente considerado algo extraordinário .. é, talvez, sobrenatural e acima do sensorial

http://olhosolitario.blogspot.com

"Tenho tantas perguntas para suas respostas"

"Quem quer que deseje não ignorar uma verdade fará bem em desconfiar de suas antipatias e, se quiser submeter a teoria da psicanálise a um exame crítico, que primeiro se analise a si mesmo".


As feridas do autoritarismo são as que mais demoram para se curar

“As feridas emocionais são o preço que todos temos de pagar para sermos independentes”.
– Haruki Murakami –
Embora a bibliografia sobre este tipo de perfil psicológico seja cada vez mais ampla e confiável, ainda não contamos com muitos trabalhos sobre o impacto que o autoritarismo pode ter. E não estamos falando só do efeito de uma criação sob este contexto. Nós nos referimos também às relações afetivas e aos cenários profissionais controlados por uma figura claramente autoritária.
São essas as microesferas onde habitam diversas dinâmicas desgastantes e daninhas que nem sempre sabemos como controlar.
As feridas do autoritarismo

As feridas do autoritarismo, marcas persistentes

O poeta Luis Cernuda dizia que todos nós somos o eco de algo. Todos nós arrastamos uma voz, um peso, uma carga que nos condiciona consciente ou inconscientemente.
Sabemos que, por exemplo, uma infância de abuso e maus-tratos gera um efeito traumático que impacta a criança em diversos níveis: emocional, psicológico, desenvolvimento, etc.
O véu do autoritarismo está presente de muitas formas na nossa sociedade, e nós permitimos que isso aconteça.
Existem mães e pais que subestimam os seus filhos, que exercem um controle abusivo sobre eles e que limitam completamente o seu desenvolvimento emocional. A mesma coisa ocorre em muitas organizações e empresas.
Valorizamos a inovação, a criatividade e o capital humano, mas nos cargos de direção continuam existindo figuras que preferem a submissão dos funcionários e não hesitam em menosprezá-los e controlá-los.
O Dr. Eric R. Maisel, famoso psicólogo e escritor da Universidade da Califórnia, validou há um ano um questionário para avaliar as feridas do autoritarismo. Este interessante instrumento permite explorar o impacto que este tipo de dinâmica tem sobre o ser humano.
Assim, depois de ter aplicado esta prova em diversos cenários sociais, como universidades, hospitais e empresas conhecidas, foi possível concluir que uma boa parte da população “arrasta” o estigma dessa marca, a que o autoritarismo deixou em algum momento de suas vidas.
Mulher enfrentando feridas do autoritarismo

O impacto do autoritarismo

A escala de Eric R. Maisel mede as dez dimensões que podem acontecer em qualquer relação, em qualquer laço familiar, de casal, profissional, etc.
Identificar estas características nos ajudaria a frear o impacto negativo do autoritarismo e a agir conscientemente antes que estas consequências se aprofundassem em nossas dinâmicas, tanto as de pensamento quanto as de comportamento.
Elas são as seguintes:
  • As ameaças e o uso do medo ou da chantagem.
  • A desconsideração.
  • As regras sem sentido.
  • O ódio: esta emoção está sempre presente, ele é projetado em nós ou sobre os outros. O autoritário sempre tem a sua “lista negra”, as pessoas que ele detesta e que considera seus inimigos.
  • Eles têm a sua própria verdade, o seu esquema e a concepção de como é o mundo. Os outros estão errados.
  • Eles são controladores, mas a necessidade de controle na personalidade autoritária vai muito além disso. Eles também gostam de ridicularizar e humilhar.
  • O pensamento rígido.
  • Eles são intrusivos.
  • Eles desconfiam de tudo e de todos.
  • A ausência absoluta da empatia.

A anatomia das feridas do autoritarismo

As feridas do autoritarismo são traumatizantes. Podem mudar a nossa personalidade, condicionar as nossas escolhas e, inclusive, a forma como nos vemos.
Tudo vai depender, sem dúvida, do tempo em que estivemos em contato com a figura autoritária e do modo como finalizamos a relação com essa pessoa.
Vejamos, portanto, quais efeitos este tipo de dinâmica abusiva e dolorosa pode ser:
  • Baixa autoestima.
  • Sensação de que não temos o controle sobre nós mesmos.
  • Insegurança.
  • Ansiedade e estresse pós-traumático.
  • Sensação de ineficiência.
  • Frustração e ira acumulada que não sabemos como canalizar.
Mulher dormindo em ninho de galhos

Como curar as feridas do autoritarismo?

São muitas as pessoas que começam a fazer terapia depois de muitos anos trabalhando em uma empresa. Depois de deixar seu emprego, elas sentem a necessidade de deixar para trás outro tipo de contrato: o emocional.
Esse contrato é remunerado com o sofrimento, com uma vulneração da dignidade, e gerado por uma figura de autoridade que exerceu abuso, controle, e até humilhação.
Acontece a mesma coisa em muitas relações amorosas em que um dos membros age com a mesma dinâmica. Assim, algo que devemos levar em consideração é que alguém que limita a nossa liberdade em qualquer uma de suas formas está exercendo um tipo de maus-tratos.
Pode ser que ele não deixe uma marca física, pode ser, inclusive, que o nosso código penal não registre determinados comportamentos como sendo objeto de denúncia, mas são formas que atentam contra os nossos direitos e, como tal, nós precisamos nos defender.
A intervenção psicológica deve se concentrar em restaurar a autoestima perdida. O que os pacientes precisam é colocar em voz alta muitas dessas situações para descobrir, entender, e aceitar que, efetivamente, foram vítimas de maus-tratos psicológicos.
Terapias como a baseada no EMDR (reprocessamento de experiências e dessensibilização) se transformaram, nos últimos anos, em uma estratégia interessante para tratar eventos desagradáveis ou traumatizantes, reduzir a ansiedade e favorecer a recuperação emocional.
Para concluir, nós nunca podemos deixar de lado o efeito dessa chuva fina do autoritarismo, que nos atinge quase sem percebermos em uma infinidade de cenários, tanto nos públicos quanto nos privados. As consequências, com frequência, têm um custo enorme para nós.
Homem recebendo pássaro

Como a manipulação está presente no dia a dia?


A presença de pequenos exemplos de manipulação no dia a dia é muito mais comum do que imaginamos, e nem sempre é algo perverso ou negativo. Vamos começar a explicar este ponto com um exemplo.
Imagine que você está caminhando por uma estação de metrô, cansado de um dia de trabalho puxado, com vontade de deitar no sofá e devorar a geladeira inteira. De repente, começa a sentir o aroma delicioso de um bolo, e a memória o leva à infância. Ao fundo, um músico toca uma de suas canções preferidas em um violão. Você lhe daria uma moeda?
O psicólogo Robert Baron, do Instituto Politécnico Renssealer, na cidade de Troy, Nova Iorque, estudou esse fenômeno com a sua equipe. Segundo os seus resultados, parece que somos três vezes mais propensos a dar uma moeda quando estamos rodeados de aromas agradáveis do que de aromas neutros.
É que nós, seres humanos, somos influenciados pela natureza. Não precisamos de um mestre da manipulação para que o nosso cérebro sucumba diante das emoções muito antes do que diante da lógica e da reflexão.
Como detectar a manipulação no dia a dia? Como saber se estamos sendo usados? Falamos sobre estes pontos a seguir.

Os pequenos exemplos de manipulação no dia a dia

É normal não resistirmos a qualquer discurso que satisfaça o nosso ego e nos prometa a felicidade. Muitas das táticas de nossas relações sociais e dos atuais discursos sobre o êxito utilizam a persuasão de maneira implícita e explícita.
A manipulação
A manipulação tem um poderoso efeito sobre nós, seres comunicativos e cheios de emoção por natureza. Na verdade, às vezes nos deixamos convencer pelas atitudes e ações mais triviais.
Talvez sejamos o tipo de pessoa que se comove diante dos pedidos dos filhos para jogar um videogame por mais tempo, apesar de sabermos que não devemos fazer isso. Eles são especialistas em brincar com os nossos sentimentos e nos colocam continuamente à prova.
As crianças são a evidência de que a manipulação e as suas táticas aparecem a partir de uma idade bastante precoce.

A manipulação perversa

Sendo conscientes dessa tendência natural presente em todos nós, não podemos nos sentir culpados por tentar usar todos os recursos disponíveis para conseguir o que queremos. Todos manipulamos em maior ou menor medida. No entanto, os verdadeiros manipuladores conhecem os nossos limites e fazem uso disso.
Os verdadeiros especialistas da mentira e da simulação se nutrem das dicas que nós mesmos lhes damos. O que praticamos como uma ação de generosa sinceridade e um exercício de intensa intimidade é armazenado por eles como uma carta na manga.
Um alto grau de manipulação para os outros pode ser, inclusive, um sinal de psicopatia. De uma forma resumida, o manipulador utiliza as fraquezas alheias para o seu próprio benefício. Usando-as contra você, ele o convence para que aja do modo que ele quer.
Os manipuladores têm necessidade de controlar os outros, e aqueles que são manipulados não têm culpa de cair na sua armadilha. No entanto, existem certas características que são compartilhadas por aqueles que são enganados com mais facilidade.
Além disso, a pessoa que sucumbe uma vez à manipulação tende a fazer isso com mais facilidade no futuro. Isso acontece devido ao fato de que a vulnerabilidade é algo que se aprende.

Se você revela o que lhe falta, está à mercê dos outros

A pessoa que manipula tenta prometer o que você mais deseja. Por isso, quanto mais ele sabe sobre as suas necessidades, mais armas poderá utilizar contra você. Os manipuladores também são especialistas em explorar as suas inseguranças.
Também encontramos a “vítima eterna”. Este tipo de manipulação é mais complexo, porque, no começo, ele não busca um benefício material. Trata-se de uma pessoa que expõe todas as suas queixas, se consola com você e fala tudo o que desejaria dizer para outras pessoas. Mais tarde, ela faz você se sentir culpado se também expõe algum problema.
As vítimas eternas sempre passaram pela pior situação. Você só mostra falta de empatia ou maturidade quando se queixa. A outra parte sempre é a mais afetada. Você não tem motivo para se queixar, nem para ser ouvido durante a sua “vez”. A manipulação consiste em conseguir uma atenção ilimitada vinda de você.
Existem muitos tipos de manipulação, mas todas elas estão baseadas na mesma ideia. A princípio, elas apelam para os seus sentimentos, para conseguir algo que você não quer dar. Por esta razão, para evitar cair em suas armadilhas, é necessário prestar bastante atenção.
Como reagir quando alguém tenta nos manipular?

Como se proteger das tentativas de manipulação no dia a dia?

O melhor remédio para se proteger contra a manipulação é ter uma boa autoestima. Ao estarmos seguros de nós mesmos, será muito mais difícil nos comoverem com argumentos puramente emocionais. Assim, poderemos diferenciar quando aquilo que alguém pede faz sentido e quando não.
Além disso, é importante pensar se a relação com uma pessoa está nos acrescentando algo. Se alguém nos faz mais mal do que bem, por que vamos continuar falando com ela? O melhor é que sejamos capazes de nos livrar de todos aqueles que nos usam sem se importar com os nossos sentimentos.
Se uma das coisas que você espera para si mesmo é ser feliz, sem causar nenhum problema para ninguém, não se sinta mal quando você fecha a porta para alguém que está fazendo isso com você. Por isso, se você detectar que alguém está tentando manipulá-lo, não hesite em se afastar dessa pessoa.
https://amenteemaravilhosa.com.br

Quando nosso cérebro escolhe não sentir para não sofrer


O sofrimento não é uma escolha pessoal; ninguém escolhe a dor ou o isolamento emocional por vontade própria. Infelizmente não existe nenhuma anestesia para não sofrer; as épocas escuras devem ser confrontadas com integridade, valentia e ilusões renovadas.
A vida nem sempre é fácil. Esta frase é dita a nós com muita frequência, e quem até o momento teve a sorte de não ser “tocado” pela adversidade não compreende ainda o realismo destas palavras.
Viver é confrontar provocações, construir um, dois, seis ou mais projetos, é permitir que a felicidade abrace nossas vidas, e aceitar que, de vez em quando, o sofrimento baterá na nossa porta para nos colocar à prova.
E não, nem todos assumimos esses golpes que a vida nos traz da mesma maneira. Há quem confronte melhor as decepções e quem, por outro lado, as interiorize permitindo que minem sua autoestima.
Nenhuma tristeza é vivida de igual maneira, assim como nenhuma depressão tem a mesma origem, nem é sentida igualmente por todas as pessoas.
Mas existe um sintoma muito comum que, de algum modo, todos teremos que experimentar alguma vez: a anedonia.
A anedonia é a incapacidade de sentir prazer e aproveitar as coisas boas. Nosso cérebro, por assim dizer, “decide se desconectar”. Não sentir para não sofrer, isolar-se, ficar anestesiado.
Pode ser que você já tenha sentido isso durante alguns dias, quando é consumido pela apatia e pelo desânimo, mas o que acontece quando isso se torna crônico? O que acontece quando deixamos de “sentir a vida” por completo de forma crônica?
Hoje queremos tratar desse assunto para oferecer a você informações que nos aprofundem no conhecimento deste aspecto tão importante.

A anedonia, quando perdemos o prazer de viver

Como indicamos no início, não existe nenhuma anestesia adequada para a dor da vida. Quando a anedonia aparece em nosso cérebro, como um mecanismo de defesa, ela não está nos causando nenhum bem. Pelo contrário.
pombas brancas
Vamos começar esclarecendo alguns aspectos:
  • A anedonia não é uma doença, nem um transtorno: é um sintoma de algum processo emocional ou de algum tipo de doença.
  • Embora seja certo que, na grande maioria dos casos, ela está relacionada de forma íntima com a depressão, ela também pode se manifestar como resultado de uma esquizofrenia ou de demências como o Alzheimer.
  • Todos, em maior ou menor medida, experimentamos anedonia alguma vez: falta de interesse pelas relações sociais, pela comida, pela comunicação com os outros…
  • O verdadeiro problema chega quando a anedonia levanta um muro a nossa volta e nos tira todas as nossas características de humanidade: não sentimos nada diante das expressões de carinho, não precisamos de ninguém do nosso lado e nenhum estímulo nos produz prazer, nem a comida, nem a música… nem nada.
Se escolhemos deixar de sentir para não sofrer, não estaremos nos protegendo de nada. Estaremos fechando as portas à vida, seremos almas que vão definhando aos poucos…

A anedonia a nível cerebral

Esta baixa receptividade frente aos estímulos exteriores tem seu claro reflexo em um cérebro deprimido.
É importante levarmos em conta que tipo de processos se desencadeia em nosso interior quando experimentamos a anedonia:
  • Se esse estado  se tornar crônico e se prolongar no tempo, nossas estruturas cerebrais sofrem mudanças, e isso afeta nossos julgamentos, pensamentos e emoções.
  • O lóbulo frontal, relacionado com a tomada de decisões, se reduz.
  • Os gânglios basais, relacionados com o movimento, ficam afetados até o ponto em que até nos levantarmos da cama exige um grande esforço.
  • O hipocampo, relacionado com as emoções e a memória, também perde volume. É comum que tenhamos falhas de lembranças, que soframos sem defesa, que fiquemos obcecados por pensamentos negativos.
Frequentemente, a depressão é conhecida como a doença da tristeza. Mas na realidade, ela é uma coisa  que vai mais além, ela é a prisão de um cérebro emocional que não encontra respostas para os vazios da vida, a decepção, a perda da ilusão.

Estratégias para enfrentar a anedonia e a depressão

A depressão não se “cura”, não se enfrenta de um dia para outro. Ela requer múltiplos enfoques, dependendo, como sempre, da realidade de cada pessoa.
Os medicamentos, as terapias, o apoio familiar e, acima de tudo, os recursos próprios que cada um possa usar são elementos fundamentais.
dente-de-leao
Além disso, queremos convidá-los a refletirem sobre os seguintes aspectos:
Não sentir para não sofrer não é um mecanismo adequado com o qual viver. Ele permitirá que você “sobreviva”, mas estando vazio/a por dentro. Não se permita ser um prisioneiro eterno do sofrimento.
Se há alguma coisa positiva que podemos tirar da anedonia, é que você deixou de lado a capacidade de sentir. Agora que está “anestesiado/a” em relação à dor, é o momento de se perguntar do que você PRECISA.
  • Precisa que a tranquilidade e a felicidade voltem para a sua vida? Volte a criar ilusões consigo mesmo.
  • Precisa deixar de ser prisioneiro do passado? Faça uma mudança rumo ao futuro.
  • Precisa deixar de sofrer? Atreva-se a viver de novo, abra as portas do seu coração, permita-se ser feliz outra vez.
Pense nestes aspectos durante alguns momentos e lembre-se sempre de que viver é SENTIR em toda sua intensidade. Seja no seu lado positivo ou no negativo.

A alienação mental contemporânea




Medicamentos, psicofármacos, vitaminas

A loucura, entre os séculos XII e XII, recebeu status de alienação mental, dessa forma acabou sendo considerada uma “doença mental”. A partir dessa concepção as práticas psiquiátricas tornaram-se dispositivos alienantes sobre a loucura. Todas estratégias de intervenção, como o internamento e o isolamento, acabaram por produzir a própria alienação mental. A loucura era considerada uma característica de estar “fora-de-si”.
O internamento era justificado como uma forma de isolar o louco da sociedade, afim de protegê-la da periculosidade que ele representava, já que a doença mental era comparada à criminalidade. Existia uma grande segregação, uma espécie de higienização social. Afirmavam que a internação era para o bem do louco, quando na verdade eram as pessoas que o temiam e queriam manter distância.
Nunca houve uma clara definição da loucura no passado, dessa forma os considerados loucos eram alocados em asilos ou prisões junto de outros indivíduos, como doentes da lepra, indigentes, criminosos. A cura psiquiátrica caracterizava-se como um tratamento moral.
No século XIII, a medicina social foi definida por medidas de quarentena e mecanismos de exclusão. A psiquiatria se desenvolveu nesses mesmos axiomas e a loucura viu-se aprisionada dentro desta lógica. O trabalho da psiquiatria visava uma higienização pública antes mesmo de funcionar como campo de produção de conhecimento.
Todo o saber sobre a loucura dessa época foi regido pela psiquiatria. O sujeito doente sequer podia responder por suas responsabilidades. Ao invés de ajudar, as práticas psiquiátricas contribuíam para a patologização do sujeito. O fato de o psiquiatra possuir autoridade inquestionável já funcionava como um dispositivo de alienação. As práticas de cuidados com os loucos não visavam uma cura de maneira romântica, mas sim a solidificação do poder do psiquiatra sobre aqueles que estavam em sofrimento psíquico.

A visão atual

Hoje, há um grande esforço para a extinção de instituições como manicômios e instituições de reclusão. A ideia atual é a de substituir esse tipo de instituição por serviços que não visam o internamento, como como os Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) e os Núcleo de Apoio Psicossocial (NAPS), que trabalham de maneira mais humanizada, com um olhar focado não apenas na doença, mas sim no sujeito como um todo. Uma visão biopsicossocial.
Observamos no século XXI uma banalização em relação ao uso de psicofármacos para o tratamento de desconfortos emocionais ou angústias. A psicopatologia na contemporaneidade ganhou classificações a partir de manuais, tais como os DSMs (Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais) e CID-10 (Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde). Os diagnósticos de depressão e síndrome do pânico tornaram-se algo comum. O uso de medicamentos é de extrema importância em casos de psicoses com surtos frequentes, ou de depressão severa, porém o uso indiscriminado acaba por rotular e alienar o paciente. A busca por resultados imediatistas acaba por fazer a pessoa se medicamentar quando sentir qualquer tipo de desconforto, por mais leve que seja. Psicofármacos possuem alto grau de dependência, é preciso cuidado no manejo desse tipo de medicamento.
É necessário ter certo cuidado em relação a diagnóstico, que hoje funciona como um dispositivo alienador, pois ao receber determinado “rótulo”, a pessoa o internaliza, transformando-se realmente naquilo que esse rótulo diz. O sofrimento mental é visto como algo exterior, uma doença, como um vírus. Entretanto, para compreender o sujeito e sua atual condição, é necessário todo um cuidado e um olhar que vão além da doença.
Dizem que estamos vivendo a pós-modernidade e seu discurso impõe um ritmo acelerado, imediatista, que não garante ao sujeito o direito de vivenciar suas angústias e tristezas, a pessoa não tem tempo para o processo de melhora, ela precisa estar boa já, de imediato. Há uma forma considerada ideal e aceitável de viver, existem padrões impostos, além de uma estimulação para o consumo desenfreado. Tudo isso propicia formas de subjetivação que sugerem depressão ou angústia. É aí onde entra o uso indiscriminado de medicamentos, funcionando como uma maneira de camuflar todo comportamento não aceitável socialmente e sofrimento interiorizado.
Alan Martins

Sucralose EXPOSTA - Adoçante artificial comprovado em estudos para gerar tumores cancerígenos e alimentar a obesidade

( Natural News ) Se você ler o slogan em um pacote de Splenda, ele diz que seu principal ingrediente, sucralose, é "feito de açúcar" e "gosto de açúcar", mas não se enganem, ele é inventado em um laboratório e não cresce na natureza, como eles teriam todos nós acreditamos. Sucralose é um composto sintético fabricado através de um processo químico. Em outras palavras, se foi açúcar de uma só vez, não é mais. Você consome Equal ou NutraSweet? Pesquisas revelam que os animais que consomem sucralose têm uma “incidência significativa relacionada à dose” de “ ter tumores cancerígenos malignos ”. Isso ocorre porque pelo menos 15% dos produtos químicos da sucralose são absorvidos pelo organismo? Você pode não ser um rato de laboratório, mas não se esqueça, os humanos também são animais, com DNA muito parecido.
O governo dos EUA aprovou a sucralose para consumo humano em 1998 e, desde então, o pesadelo da saúde do açúcar falso “de mesa” assumiu o mercado de adoçantes artificiais, detendo mais de 60% de participação. Você encontrará Splenda em cerca de 5.000 produtos diferentes em cerca de 100 países diferentes.
Os comerciantes de Splenda foram processados ​​por enganar os consumidores para que as pessoas não saibam que é um composto químico que é cancerígeno
Se você pegar qualquer coisa da natureza, misture-a com produtos químicos em um laboratório e rotule-a como natural ou diga que ela “vem da natureza”, por isso ainda é “natural” - bem, você é um mentiroso. Como a sacarina e o aspartame já estavam expostos como pesadelos químicos artificiais e causadores de câncer, a Splenda queria se distanciar do mundo dos adoçantes artificiais e dos açúcares sintéticos mortais, e funcionou.
Conjuntos de óleo essencial 100% orgânicos agora disponíveis para sua casa e cuidados pessoais, incluindo alecrim, orégano, eucalipto, tea tree, Clary Sage e mais, todos 100% orgânicos e testados em laboratório para segurança. Uma infinidade de usos, desde redução do estresse até primeiros socorros tópicos. Veja a listagem completa aqui e ajude a apoiar este site de notícias.
Eles também queriam que todos acreditassem que a Sucralose é mais segura e saudável do que os adoçantes artificiais - mais duas mentiras. Em primeiro lugar, afirmar que algo é “mais seguro” ou “mais saudável” do que outros produtos, quando na verdade não é seguro ou saudável, é um truque mental publicitário. Infelizmente, a maioria dos americanos é muito burro por água da torneira fluoretada, vacinas contra a gripe e organismos geneticamente modificados (OGMs) para ser capaz de descobrir.
A sucralose é feita através da substituição de ligações hidrogênio-oxigênio com átomos de cloro - levando os consumidores a desenvolver doenças intestinais e tumores
A Sucralose é sintética, quando tudo está dito e feito. Período. Ele interage com os quimiorreceptores (células nervosas) em seu trato digestivo, enganando o cérebro e pensando que você está comendo algo doce. De acordo com a pesquisa , quando a sucralose é administrada no período pré-natal, ela induz neoplasias hematopoiéticas em camundongos de laboratório. São tumores neoplásicos malignos (câncer) que afetam a medula óssea, o sistema linfático e o sangue. Os oncologistas não têm idéia de como tratar esses cânceres, e a quimioterapia falha mais de 97% do tempo em que é administrada.
Sucralose também foi encontrada para exacerbar a doença inflamatória intestinal, o que aumenta o risco de câncer de cólon, entre outras conseqüências terríveis para a saúde. Embora os fabricantes inicialmente afirmassem que os ingredientes estavam “inertes”, mais uma vez mentiram. A sucralose diminui o número de bactérias boas no seu intestino, aumentando os fatores de risco para doença inflamatória intestinal (DII), incluindo colite ulcerativa e doença de Crohn.

Refrigerantes contendo adoçantes artificiais, como sucralose e aspartame, aumentam ironicamente o risco de obesidade
O número um motivo que as pessoas consomem adoçantes artificiais é perder peso. Não é irônico que a maioria das pessoas que consomem açúcares falsos que são inventados em laboratórios com produtos químicos acabem sendo obesos? Algumas pessoas bebem refrigerante "dietético" causador de obesidade, causador de câncer, durante todo o dia. Na verdade, o 7-Eleven “Big Gulp” ainda é extremamente popular. Quantas onças de câncer você pode chupar em um dia? Você perdeu algum peso desde que começou, ou colocou um monte de libras? Sucralose e aspartame são conhecidos por aumentar o apetite, como revelado pela pesquisa científica . A obesidade também aumenta o fator de risco de câncer, por isso é um "duplo golpe".
Você está sofrendo de Doença Artificial Adoçante ? É melhor você perguntar a um médico naturopata imediatamente. Fique ligado no Cancer.news para mais atualizações sobre aditivos alimentares feitos em laboratório que causam câncer, porque eles certamente estão em formação agora.
http://olhosolitario.blogspot.com

A mente sensível não é imaginativa


A especulação e a imaginação constituem um empecilho ao descobrimento da Verdade. A mente que especula, nunca conhecerá a beleza de o que é; está presa na rede de suas próprias imagens e palavras. Por mais longe que alcance, na criação e imagens, ela permanece na sombra de sua própria estrutura, sem poder jamais perceber o que se acha além. A mente sensível não é imaginativa. A faculdade de criar imagens limita a mente; presa que está ao passado, à lembrança, ela se torna insensível. Só a mente tranquila é sensível. Acumulação, sob qualquer forma é uma carga. E como pode ser livre a mente que leva uma carga? Só a mente livre é sensível. No estar livre, “aberto”, encontra-se o imponderável, o implícito, o desconhecido. A imaginação e a especulação impedem o estado “aberto”, sensível.

(...)
Para compreender, descobrir, não deve a mente ser livre, exatamente no começo? Pode uma mente que é disciplinada, reprimida, ser livre em algum tempo? A liberdade não é um alvo final; ela deve existir exatamente no começo, não é verdade? A mente que é disciplinada, controlada, é livre dentro de seu próprio padrão; mas isso não é liberdade. A finalidade da disciplina é o ajustamento a um padrão; seu caminho leva ao conhecido, e o conhecido nunca é livre. A disciplina, com o medo, que acompanha, é avidez de realização. 
Krishnamurti - Reflexões sobre a vida
Blog:  http://pensarcompulsivo.blogspot.com

A Presença Observadora

"Ao observarmos a nós mesmos, um maior grau de presença surge automaticamente em nossas vidas. No momento em que percebemos que não estamos presentes, estamos presentes. Sempre que formos capazes de observar nossas mentes, deixamos de estar aprisionados. Um outro fator surgiu, algo que não pertence à mente: a presença observadora.
Esteja presente como alguém que observa a mente e examine seus pensamentos, suas emoções, assim como suas reações em diferentes circunstâncias. Concentre seu interesse não só nas reações, mas também na situação ou na pessoa que leva você a reagir. Preste atenção ao pensamento, sinta a emoção, observe a reação. Não veja nada como um problema pessoal. Sentirá então algo muito mais poderoso do que todas aquelas outras coisas que você observa, uma presença serena e observadora por trás do conteúdo da sua mente: o observador silencioso."
"Uma presença intensa se faz necessária quando certas situações provocam uma reação de grande carga emocional, como, por exemplo, no momento em que acontece uma ameaça à nossa auto-imagem, um desafio na vida que nos cause medo, quando as coisas "vão mal" ou quando um complexo emocional do passado vem à tona. Nessas situações, tendemos a nos tornar "inconscientes". A reação ou a emoção nos domina, "passamos a ser" ela. Passamos a agir como ela. Arranjamos uma justificativa, erramos, agredimos, defendemos... só que não somos nós e sim uma reação padronizada, a mente em seu estado habitual de sobrevivência. 
Identificar-se com a mente dá a ela mais energia, enquanto observar a mente retira a sua energia. Identificar-se com a mente gera mais tempo, enquanto observar a mente revela a dimensão do tempo infinito. A energia retirada da mente se transforma em presença. No momento em que conseguimos sentir o que significa estar presente, fica muito mais fácil escolher simplesmente escapar da dimensão do tempo e entrar mais profundamente no Agora. Isso não prejudica nossa capacidade de usar o tempo — passado ou futuro — quando precisamos nos referir a ele em termos práticos. Nem prejudica nossa capacidade de usar a mente. Na verdade, estar presente aumenta a capacidade. Quando você usar a mente de verdade, ela estará mais alerta, mais focalizada."
"O passado se perpetua pela falta de presença. O que dá forma ao futuro é a qualidade da nossa percepção do momento presente, e o futuro, é claro, só pode ser vivenciado no presente."
"Se é a qualidade de nossa percepção neste momento que determina o futuro, então o que é que determina a qualidade de nossa consciência? O nosso grau de presença. Portanto, o único lugar onde pode ocorrer uma mudança verdadeira e onde o passado pode se dissolver é no Agora". 
“O desconforto, a ansiedade, a tensão, o estresse, a preocupação, todas essas formas de medo são causadas por excesso de futuro e pouca presença. A culpa, o arrependimento, o ressentimento, a injustiça, a tristeza, a amargura, todas as formas de incapacidade de perdão são causadas por excesso de passado e pouca presença.”
“Não há salvação dentro do tempo. Você não pode se libertar no futuro. A presença é a chave para a liberdade. Portanto, você só pode ser livre Agora”.
“Você não pode estar infeliz e completamente presente no Agora, ao mesmo tempo”.
“Caso apareça uma situação com a qual você precise lidar agora, a sua ação vai ser clara e objetiva, se conseguir perceber o momento presente. Tem muito mais chances de dar certo. Não será uma reação vinda do condicionamento da sua mente no passado, mas sim, uma resposta intuitiva à situação. Em situações em que a mente teria reagido, você vai achar mais eficaz não fazer nada. Fique só centrado no Agora”.
“Ao fim dessa luta compulsiva com o Agora, a alegria do Ser passa a fluir em tudo o que fazemos. No momento em que a nossa atenção se volta para o agora, percebemos uma presença, uma serenidade, uma paz. Não dependemos mais do futuro para obtermos plenitude e satisfação, não o olhamos mais como salvação.”
“Quando cada célula do nosso corpo está tão presente que vibra com a vida, e quando conseguimos sentir essa vida a cada momento como alegria do Ser, podemos dizer que estamos livres do tempo.”
“Perder o Agora é perder o Ser”.
Saber que você não está presente já é um grande sucesso. O simples saber já é presença — mesmo que, no início, dure só alguns segundos no tempo do relógio antes de desaparecer outra vez. Depois, com uma frequência cada vez maior, você escolhe dirigir o foco da consciência para o momento presente. Você se torna capaz de ficar presente por períodos mais longos. Portanto, antes que sejamos capazes de nos estabelecer com firmeza no estado de presença, oscilamos, periodicamente, de um lado para o outro, entre a consciência e a inconsciência, entre o estado de presença e o estado de identificação com a mente. Perdemos o Agora várias vezes, mas retornamos a ele. Por fim, a presença se torna o estado predominante.
A maioria das pessoas nunca vivencia a presença. Ela acontece apenas de modo breve e acidental, em raras ocasiões, sem ser reconhecida pelo que é. Muitos seres humanos não se alternam entre consciência e inconsciência, mas somente em diferentes níveis de inconsciência.”
“Chamo de inconsciência comum essa identificação com os nossos processos de pensamentos, e emoções, nossas reações, desejos e aversões. É o estado normal da maioria das pessoas. Nesse estado, somos governados pela mente e não temos consciência do Ser. Não se trata de um estado de sofrimento agudo ou de infelicidade, mas de um nível baixo e contínuo de desconforto, descontentamento, enfado ou nervosismo, como uma espécie de estática ao fundo. Talvez você não perceba muito bem essa situação porque ela já faz parte da nossa vida “normal”, da mesma forma que você não percebe o barulho contínuo ao fundo, como o zumbido do ar-condicionado, até ele parar. Quando isso acontece de repente, ocorre uma sensação de alívio.”
“O melhor indicador do nível de consciência é a maneira como você lida com os desafios da vida. É através desses desafios que uma pessoa já inconsciente tende a se tornar mais profundamente inconsciente, e uma pessoa consciente a se tornar intensamente consciente. Podemos nos valer de um desafio para nos acordar ou para permitir que ele nos empurre para um sono mais profundo. O sonho do nível da inconsciência comum se transforma, então, em pesadelo.
Se você não consegue estar presente mesmo em situações normais, como, por exemplo, quando está sozinho em uma sala, caminhando no campo ou ouvindo alguém, certamente não será capaz de permanecer consciente quando alguma coisa ‘vai mal’. Será dominado por uma reação, que é sempre, em última análise, alguma forma de medo, e empurrado para uma inconsciência profunda. Esses desafios são os seus testes. Só o modo como você lida com eles mostrará onde você está no que se refere ao seu estado de consciência, e não a quantidade de horas que você consegue ficar sentado com os olhos fechados.
Portanto, é fundamental colocar mais consciência em sua vida durante as situações comuns, quando tudo está correndo de modo relativamente tranquilo. É assim que se aumenta o poder de presença. Ele gera um campo energético de alta frequência vibracional em você e ao seu redor. Nenhuma inconsciência, nenhuma negatividade, nenhuma discórdia ou violência pode penetrar nesse campo e sobreviver, do mesmo modo que a escuridão não consegue sobreviver na presença da luz.”
“Quando ficamos mais conscientes do presente, podemos ter um insight sobre o porque de determinados condicionamentos. Podemos perceber, por exemplo,  se seguirmos algum padrão nos nossos relacionamentos e podemos ver mais claramente coisas que aconteceram no passado. Fazer isso é bom e pode ser útil, mas não é o essencial. O que é essencial é a nossa presença consciente. Ela dissolve o passado. Ela é o agente transformador. Portanto, não procure entender o passado, mas esteja presente tanto quanto conseguir. O passado não consegue sobreviver diante da sua presença, só na sua ausência.”
“Sempre que observamos a mente, livramos a consciência das formas da mente, criando aquilo que chamamos o observador ou a testemunha. Consequentemente, o observador — que é a pura consciência além da forma — se torna mais forte, e as formações mentais se tornam mais fracas. Quando falamos sobre observar a mente, estamos personalizando um fato de verdadeiro significado cósmico porque, através de você, a consciência está despertando do seu sonho de identificação com a forma e se retirando da forma. Isso é o prenúncio — e também parte — de um acontecimento que provavelmente ainda está num futuro distante, no que diz respeito ao tempo cronológico. Esse conhecimento é conhecido como o fim do mundo.”
Eckhart Tolle
Blog:    http://pensarcompulsivo.blogspot.com