12 de jul de 2015

VIVENDO FORA DA CAIXA - CONVIVENDO COM OS ENCAIXADOS

Posted by Semeando Paz on 12.7.15No comments



VIVENDO FORA DA CAIXA - CONVIVENDO COM OS ENCAIXADOS

Vivemos tempos turbulentos. Nesse ínterim já percebeu uma mudança em suas relações com outras pessoas?

Já notou o quanto é desconfortável falar com amigos ou colegas sobre questões espirituais?

Esse desconforto o faz sentir-se sozinho com sua opinião?

Amigos de longa data se afastou de você por causa da sua opinião sobre assuntos espirituais?

Vou te dizer uma coisa: você não está sozinho! 
Na cidade que moro atualmente, percebo o quanto as pessoas temem ser ridicularizadas por seus pensamentos e mensagens. Particularmente acho isso o cúmulo do ridículo. Eu mesmo perdi alguns amigos de uma vida inteira, por causa disso, mas eu tenho feito muitos novos amigos também. Se eles se foram e porque nunca foram meus amigos de verdade, se fossem não teriam ido. Mas, tudo tem um propósito.

Não seja egoísta

Quando liberamos ego, não precisamos mais se preocupar com a conformidade e a pressão dos outros.

Fuja dos pensamentos de grupo

"O pensamento de grupo é um fenômeno psicológico que é as estruturas de vários sistemas de crenças de um grupo de pessoas que desencoraja a criatividade individual e pensamento independente".

No entanto mesmo dentro de um grupo de indivíduos que estão espiritualmente despertos, você ainda vai encontrar o pensamento de grupo.

Por que a verdade não é revelada? 

A verdade pode ser escondida ou distorcida por muitas razões, mas especialmente para controle e poder sobre as massas.

Quando você procura as origens da humanidade, você encontra um monte de mitos da criação de todas as culturas, com diferentes datas de nossa existência.

Qual mito está correto?

Você pode conversar com seus amigos sobre os mistérios do universo?

Quando você fala com as pessoas sobre o mito da criação, as pessoas tendem a ficar dentro de uma caixa com um sistema de crença religiosa da criação criado a apenas 4000 mil anos.

Quando levantamos questões sobre as nossas verdadeiras origens, precisamos separar as pessoas e as relações entre aqueles que pensam fora da caixa versus aqueles que pensam dentro da caixa. Porque quando esses problemas surgem entre amigos ou colegas, muitas vezes gera dissensão.

Isso acontece porque é difícil para qualquer um admitir que está enganado por tanto tempo e ainda mais difícil de admitir que provavelmente está errado em suas suposições.

Isso acontece porque o sistema educacional permanece trancafiando as pessoas dentro da caixa, para que elas não questionem qualquer coisa que lhe foi ensinada.


Os de dentro da caixa têm medo do que os outros possam pensar se eles se aventurarem fora da caixa, assim muitos permanecem complacente e subserviente enquanto a sociedade dita-lhes o que eles devem acreditar, em vez de confiar em seu próprio julgamento.

Às vezes nós nos projetamos para ser alguém que nós esperamos que os outros veja em nós.

Na psicologia, isso é conhecido como a auto sombra, onde projetamos uma identidade que se encaixa como as outras pessoas podem perceber versus ser fiel a quem realmente somos.

Algumas pessoas podem achar que eles nunca sabiam quem eles eram, porque eles viveram suas vidas por expectativas de como os outros percebem eles.

Este é o período de transição pelo qual muitos de nós passamos, que mudaram nossas crenças, mas isso não nos dar a certeza do fato de relacionarmos estas ideias com os nossos amigos e família, por medo ou rejeição. À medida que continuamos nossa viagem espiritual, nos sentimos mais confortáveis dentro de nossas próprias crenças e menos preocupados com os nossos amigos e familiares se estão despertando ou não.

Isto é, quando o ego é separado do ego e o medo se dissolve com amor. Neste ponto, começamos a conversar com conhecidos e amigos e família, sobre temas espirituais e metafísicos, dando menos importância ao que eles podem pensar de nós ou como podemos ser percebido pelos outros. Com o tempo, a espiritualidade é a moldura predominantemente da mente e é provável que aqueles que foram longe de nós seja o primeiro na fila para pedir ajuda para se adaptar ao novo paradigma.

Lembre-se: Você não está sozinho! 

Aqueles que verdadeiramente lhe ama vão ficar ao seu lado não importa qual seja sua opinião.

Lembre-se: aqueles que não fazem mais parte de nossas vidas já desempenharam um papel ajudando-nos a descobrir quem realmente somos.

Este é o lugar onde o não-acordado ajuda-nos, que institui esse contraste que nos permite ver as diferenças. Uma luz de uma vela pode não parecer nada, mas é uma luz em meio a escuridão total, fornecida pela ignorância.

Perdoe a si mesmo e seus amigos, se você se sentir mal sobre isso.

Eles chegaram a sua vida por uma razão, uma estação ou uma vida inteira.

Lembre-se: pessoas entram na nossa vida por uma razão, uma estação ou uma vida inteira. Quando você descobrir o motivo, você sabe o que fazer com cada pessoa.

Quando alguém está em sua vida por uma razão, É geralmente para suprir uma necessidade que você mesmo expressa. Elas vêm para auxiliá-lo numa dificuldade, fornecer apoio e orientação, ajuda física, emocional ou espiritual. Elas poderão parecer como uma dádiva divina, e de fato o são. Eles estão lá pela razão que você precisa.

Então, sem nenhuma atitude errada de sua parte ou em uma hora inconveniente, esta pessoa vai dizer ou fazer alguma coisa para levar essa relação a um fim. Às vezes, eles morrem. Às vezes, eles simplesmente vão embora. Às vezes, eles agem forçando a tomar uma posição. O que devemos entender é que nossas necessidades foram atendidas, nossos desejos preenchidos e o trabalho deles feito.

Algumas pessoas entram na sua vida por uma temporada, porque chegou sua vez de dividir, crescer e aprender.

Elas trazem para você a experiência da paz, ou fazem você rir. Elas poderão ensinar algo que você nunca fez. Elas geralmente te dão uma quantidade enorme de prazer.

Então, não devemos nos preocupar seriamente com isso, há sempre um propósito em tudo...



Por Jean Bispo
http://libertesuamente13.blogspot.com.br
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário