10 de dez de 2014

PornHub mostra quanto tempo cada país gasta acessando conteúdo pornográfico

Posted by Semeando Paz on 10.12.14No comments

O PornHub, além de oferecer a hospedagem para conteúdo pornográfico de vários tipos, também realiza uma série de pesquisas e estudos interessantíssimos. O site já mostrou quais são os browsers mais utilizados por seus internautas, como as pessoas costumam acessar pornografia e quais são as categorias favoritas dos usuários.
Outro levantamento inusitado do PornHub acaba de ser divulgado e mostra quanto tempo as pessoas costumam passar acessando suas páginas. A pesquisa, intitulada “Who lasts longest?” (“Quem dura mais tempo?”, em tradução direta), mostra os resultados separados por países ou cidades, além do tempo médio de cada região.
Verde para os mais "demoradinhos" e vermelho para os mais "rapidinhos".

Quem dura mais?

De acordo com o mapa, as regiões cuja coloração tende para o verde costumam passar mais tempo acessando conteúdo pornográfico. As regiões com predominância da cor vermelha, por outro lado, indica lugares onde as pessoas gastam menos tempo com essa prática.
O Saara Ocidental é o país que mais passa tempo em sites de conteúdo adulto: uma média de 16 minutos e 16 segundos. Destaque para a China, cuja população costuma gastar 14 minutos e 34 segundos nestes sites. A média do nosso país chegou perto dos 8 minutos, resultado inferior ao de países como Estados Unidos (10:17), Reino Unido (9:28) e Austrália (9:59).


O mapa também permite uma visualização de cidades. Neste esquema, São Paulo (8:23) e Rio de Janeiro (8:13) superam a média nacional. O último formato visualização provido pelo PornHub mostra apenas os estados americanos, situação em que o Hawai se mostra mais assíduo quando o assunto é acessar sites de conteúdo adulto.
E aí, o que acharam desse estudo do PornHub? Quer consultar o gráfico você mesmo? Então clique neste link (não se preocupa, essa parte do site é SFW – “safe for work” ou “seguro para o trabalho”).
Via TecMundo
http://www.megacurioso.com.br
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário