10 de dez de 2014

O perigo do microondas!

Posted by Semeando Paz on 10.12.14No comments

Este resumo das pesquisas que comparam a alimentação preparada de maneira convencional com alimentação preparada no forno de microondas prova, pela primeira vez, o que sempre se receava: comida cozida no forno de microondas provoca alterações no sangue. Quem é responsável pela retirada do mercado de aparelhos que prejudicam a saúde?
Há mais de uma década os fornos de microondas são utilizados para o preparo de alimentos em restaurantes e também no uso doméstico. O preparo mais rápido das refeições, conforto e simplicidade são argumentos de venda. Junto com recomendações científicas, diversos livros de receitas culinárias promovem essa técnica e auxiliam a venda.
O forno de microondas é consequência do uso técnico de microondas durante a 2ª Guerra Mundial (1939-1945). Como foi constatado que a microonda é prejudicial – sobretudo seu efeito térrmico sobre o sistema biológico – existem valores que limitam o risco de vazamentos da irradiação do forno de microondas. Mas, a qualidade da comida aquecida no forno de microondas não é contestada. Supõem-se, simplesmente, que não é melhor nem pior do que aquela cozida de maneira convencional.
Ação das microondas sobre sistemas vivos
O espectro das microondas vai desde as ondas de rádio até as ondas curtas infravermelhas. As microondas abragem o rádio, a televisão, o radar, os satélites, os telefones sem fio, instalações militares e também os fornos de microondas.
Os efeitos destrutivos afetam as membranas celulares, a divisão celular, os glóbulos vermelhos do sangue. Podem provocar leucemia, alterações genéticas e chegam até a paralisação total dos ciclos naturais.
A microonda, tecnicamente produzida, baseia-se no princípio da corrente alternada. Matéria (átomos, moléculas, células) que é atingida por essa radiação eletromagnética sofre (segundo a frequência da radiação) bilhões de oscilações/segundo. Não existe átomo, molécula ou célula de um sistema orgânico que possa resistir a tamanha força destrutiva por muito tempo. Estruturas moleculares se rompem, moléculas são transformadas (em isômeros) e assumem outras qualidades.
O movimento caótico de oscilações provoca atrito entre as moléculas eproduz calor. No aquecimento convencional sobre o fogo ou no fo­gão, o calor parte de fora para dentro. O aqueci­mento provocado pelas microondas parte de den­tro para fora — começa principalmente onde existe água e o atrito transforma as energias em calor. Como a planta, o animal e o homem são compostos em até 80% por água, não é difícil imaginar os riscos biológicos das microondas.
Contrário à microonda técnica, a irradiação de microondas do Sol baseia-se no princípio da corrrente contínua. Ela não provoca atrito da matéria. Entenda atrito como um tipo de estresse. Portanto, ao ingerirmos alimentos aquecidos no microondas, fazemos uso de algo extrapolado em energia de estresse. Que loucura!

Células são rompidas
Ao lado do efeito térmico das microondas, ocorre ainda outro efeito que, porém, não se po­de medir como o efeito térmico: estruturas mo­leculares são rompidas, deformadas e despoja­das de suas funções naturais.
microwave2As células são rompidas e a tensão entre o es­paço interno e externo da célula é anulada. Uma célula afetada dessa forma torna-se presa fácil de vírus e fungos. A agressão contínua suprime os mecanismos de reparo, a célula é obrigada a passar à respiração anaeróbica. Em lugar de H2O e CO2 (respiração aeróbica), são produzidos também os gases venenosos H2O2 e CO, como na célula cancerosa. Por isso é tão perigoso um va­zamento do forno de microondas. Sabemos, que todos os fornos de microondas apresentam permeabilidade e, com o passar do tempo, tornam-se mais permeáveis.
As microondas prejudicam as funções natu­rais de todos os sistemas vivos. Elas afetam a pele exposta, os olhos, os pulmões (na inspiração de ar irradiado) e, também, os alimentos irra­diados.
As normas de segurança soviéticas permitiam apenas 0,01 miliwatts/cm² para exposição a microondas durante um dia de trabalho. Os limites nos EUA e na Europa Ocidental indicam 10 miliwatts/cm², isto é, um valor 1000 vezes superior. Cientistas do mundo inteiro verificaram hoje que os padrões de segurança dos russos tinham sido determinados de forma rigorosamente científica, com base na observação do efeito de microondas sobre o sistema nervoso central de homens e animais.
Uma amiga nossa, bioquímica, leu o artigo acima e imediatamente se lembrou do pai e da neta, dois casos de anemia em sua família que não tinham explicação e não estavam melhorando, apesar de medicação habitual. Ela aconselhou a mãe a não usar o forno microondas para preparar refeições. E, pediu à filha que não usasse mais o forno microondas para esquentar as mamadeiras. Em pouco tempo os exames de sangue mostraram que a anemia havia desaparecido em ambos.
Fonte: “Raum & Zeit”, número 55 de 1992. Traduzido na Revista ComTAPS, número 10, 1992. Site: www.taps.org.br
(*) Prof. Dr. Bernhard Blanc, do Instituto de Bioquímica da Universidade Federal, ETH, Lausanne, Suíça. Dr. Hans U. Hertel, do Projeto de Pesquisa de Biologia Ambiental, Wattenwil, Suíça. 
Informações: Segundo Sol
http://averdadeestampadaonline.blogspot.com.br 
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário