13 de dez de 2014

Efeitos a longo prazo do uso da maconha são finalmente revelados

Posted by Semeando Paz on 13.12.14No comments



Com uma guerra contra a maconha ainda furiosa em cada vez mais países, a questão de como o uso da maconha a longo prazo afeta o cérebro humano é uma questão central na sua legalização. Embora o álcool continue a ser legal, apesar de pilhas de provas para os perigos do uso a longo prazo, a luta para tornar a maconha disponível tanto no que diz respeito às suas propriedades médicas (especialmente em matar seletivamente as células cancerosas) e os empregos não-médicos têm frequentemente sido articulados sobre as várias reivindicações feitas sobre os efeitos da maconha no usuário recreativo.

Felizmente, o debate pode finalmente sair do reino da opinião, e chegar nas evidências científicas pois pesquisadores da Universidade do Texas acabam de publicar suas pesquisas sobre os efeitos a longo prazo do uso da maconha sobre o cérebro em PNAS (Proceedings of the National Academy of Sciences).

O pesquisador ajudou a dissipar o mito de que o uso da maconha reduz QI, e na verdade acaba fornecendo mais evidências para o papel potencial da maconha no combate à doença de Alzheimer. A pesquisa revelou que o início prematuro do uso regular de maconha leva a uma maior conectividade estrutural e funcional no cérebro. Os aumentos mais significativos em conectividade aparecem conforme uma pessoa começa a usar a maconha, com resultados que mostram que a gravidade do uso está diretamente relacionada a uma maior conectividade.

Embora estes resultados tenham de ser confirmados com uma amostra maior (isso foi baseado em cerca de 100 participantes), os resultados preliminares parecem promissores. Mais pesquisas precisam ser feitas, a fim de ver se essas diferenças são causadas por, ou simplesmente associadas com, o uso da maconha a longo prazo. Eles também descobriram que a massa cinzenta fica reduzida no OFC (orbitofrontalcortex) em usuários de longo prazo (que é uma região do cérebro associada com o vício). Não está claro se essa região é simplesmente menor em usuários regulares (que explica a sua utilização regular) ou se o uso realmente contribúi para as mudanças estruturais do cérebro. Estes resultados também terão de ser contrastados com outros pesquisadores que mostram que os canabinóides realmente promovem o crescimento de células cerebrais (neurogensis), mesmo em adultos.

Fonte: True Activist
http://noticias-alternativas.blogspot.com.br
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário