26 de dez de 2014

A LOUCURA...

Posted by Semeando Paz on 26.12.14No comments



Ao falarmos que não entendemos uma pessoa por causa de suas ideias, comportamentos, atitudes ou pelo simples fato de pensarem de forma diferente comparando com os velhos paradigmas já determinados pela sociedade, acabamos tratando de forma discriminada e taxando as mesmas como loucas, consequentemente desconsiderando-as.

O louco não tem o que acrescentar, pois sua experiência, muitas vezes, não faz parte da realidade compartilhada pelas demais pessoas da sociedade, ou seja as pessoas “normais”.

Não podemos resumir a taxação à outrem com a simples frase “Eu não entendo os pensamentos dessa pessoa, então ela é louca” diante disso podemos concluir o quão elevado é o grau de insensatez do julgador em adjetivar alguém de louco. Acredito que de loucos essas pessoas não tem nada, são apenas pessoas fortes em um ambiente vultuoso tentando mostrar a verdade às mentes que ainda não puderam compreender a loucura sóbria das mentes que outrora receberam o atributo já qualificado na inicial.

A loucura é historicamente construída. De acordo com cada época, com cada contexto sociopolítico, a loucura é definida e compreendida. Entretanto, temos a tendência a pensar que falar em loucura é falar em psiquiatria. Uma análise da história da loucura nos mostra, entretanto, que a doença mental como expressão da loucura começou a existir apenas em um determinado momento histórico. A constituição da loucura não se dá a partir da psiquiatria, mas sim da divisão entre razão e não razão. Inclusive, é por causa da loucura que a própria psiquiatria pode existir.

A loucura é a coragem da verdade, é deixa-se Ser, independentemente das normas pré-concebidas; é “não ter medo de mostrar as verdades para o mundo”

A loucura só é doença e só tem realidade e valor de doença no interior de uma cultura que a reconhece como tal.” Desta forma, é imprescindível ter sempre em mente que da mesma forma que a loucura não existe sem a razão, nossa tão querida e cultuada razão também não existe sem a loucura; as duas coexistem, em relação. A loucura está dentro da razão, pois se caracteriza não pelos comportamentos do louco, mas pela quebra das regras do que é considerado “normal”. Assim, o erro na conceituação da loucura feita pelo discurso científico está em tomá-la como um fato em si quando, na realidade, ela é essencialmente relacional e varia de acordo com o contexto histórico.

Diante do exposto, estou caminhando para a loucura e deixo o espaço aberto para as devidas taxações caso acharem necessária consumando a ideia central do artigo.
 
http://fernandogmaciel.blogspot.com.br

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário