7 de nov de 2014

INQUISIÇÃO: Mulher paraguaia foi amarrada a um poste, levou tiros com flechas e foi queimada viva, diz promotor.

Posted by Semeando Paz on 7.11.14No comments

ASSUNÇÃO, Paraguai - Uma mulher indígena foi queimada viva no Paraguai após ser acusada de bruxaria, um promotor local confirmou quarta-feira.
Procurador Fany Aguilera disse que membros da etnia Mbya Guarani amarrado 45-year-old Adolfina Ocampos a um poste de madeira e atirou flechas para ela antes de eles queimaram viva. Ocampos foi condenado à morte na semana passada pelo chefe da comunidade na Tahehyi, uma aldeia cerca de 290 quilômetros ao norte da capital, Assunção. A data da morte não era clara.
Aguilera tem cobrado nove homens na aldeia com assassinato em primeiro grau, e eles já reconheceram matar a mulher.
Um relatório da Agência de Refugiados das Nações Unidas estima que milhares de pessoas em todo o mundo são acusadas de serem bruxas a cada ano. A ONU diz que eles são muitas vezes abusado, expulsos de suas famílias e comunidades e às vezes mortos.
Mas o caso aqui é incomum.
"Eu tenho trabalhado no Paraguai há 40 anos e não me lembro de um episódio semelhante de uma execução por suposta bruxaria", disse José Zanardini, antropólogo italiano e padre católico. "A trágica morte desta mulher é isolada e fora do comum dentro da coexistência de 20 grupos étnicos indígenas do Paraguai. Em geral, os índios são muito pacífica e tolerante. "
A agência estatal de proteção dos povos indígenas, em um comunicado quarta-feira que "embora as comunidades indígenas são regidas pelo direito consuetudinário, seus atos não pode violar os direitos constitucionais de respeito à vida e à liberdade das pessoas."

http://uniaodoslivres.blogspot.com.br
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário