24 de out de 2014

O preço de uma escolha

Posted by Semeando Paz on 24.10.14No comments

Certas pessoas têm um poder de persuasão tão forte que conseguem criar situações destruidoras entre outras de forma tão discreta, que dificilmente, quem está de fora irá acreditar que existe alguma maldade em suas ações.

Porque elas são envolventes e sabem criar estratégias maldosas, e também ainda convencem outras pessoas a participarem de suas armações, rumo à destruição daqueles que desejam atingir.

Mas, nessa vida ninguém consegue esconder o que faz para sempre. Porque, em todo caminho que decidimos seguir, criamos um destino, que, mais cedo ou mais tarde, nos revelará o preço das nossas escolhas.

Afinal, a vida é justa com todos e não deixa nada do nosso passado sem acerto de contas.

As pessoas de conduta maliciosa conseguem facilmente tirar alguém da certeza e com uma palavra recheada de terrorismo emocional amarram qualquer um no pacote da dúvida.

Elas colocam tanto poder naquilo que falam, que, se você colocá-las trancadas junto com uma cobra venenosa, elas irão deprimir tanto a cobra, chamando-a de peçonhenta.

Que, depois de alguns dias dividindo o espaço com uma pessoa dessas, a cobra simplesmente aparecerá morta.

Não suportando a pressão, o animal beberá o seu próprio veneno, em um ato de desespero e descrença em si mesmo.

Mas, se alguém pudesse ouvir a cobra antes da mesma tomar essa decisão tão drástica, certamente escutaria do réptil um discurso final emocionante, onde, usando palavras enfáticas, o ser rastejante diria em alto e bom som:

"Gente, eu estou desistindo da vida porque essa pessoa me fez enxergar o quanto eu sou um ser inferior às outras espécies. Vejam quanta injustiça há nesse mundo: eu, por exemplo, nasci sem pernas, morei no buraco a vida inteira e ainda correndo o risco de ser soterrada. Sem contar que tive que me humilhar arrastando-me como um ser menos favorecido diante daqueles que nasceram com excesso pernas.

Inclusive, quero deixar aqui o meu manifesto contra o projeto de Deus na concepção das espécies.

Porque não tem cabimento Ele ter criado uma lagarta com tantas pernas e, ainda com o direito de se transformar em borboleta, e
voar por aí... E eu, a única coisa que levo dessa vida é a fama de venenosa. E, aproveitando que este é o meu último momento de vida, entre vocês quero terminar essa breve passagem chamada vida dizendo a verdade, apenas a verdade doa a quem doer, eu serei sincera com as minhas primeiras e últimas palavras.

Honestamente eu vejo muitos de vocês, seres humanos, como um bando de ingratos, insatisfeitos e acomodados e que passam uma existência inteira esperando um dia de sorte para vencer na vida sem ter que fazer nada em troca daquilo que desejam conquistar ! - Nasceram com pernas, mas, parece que não conseguem andar; e passam a maior parte do seu tempo atolados em problemas e olhando só para aquilo que ainda não possuem.

Vocês perdem tantas oportunidades de crescimento reclamando de coisas tão pequenas, diante de tantas outras grandiosas que deixam passar sem comemorar, porque só valorizam as coisas sofridas. Coloquem-se em meu lugar e parem de fazer drama, dizendo que uma situação imposta por alguém que exerce poder sobre vocês é engolir sapo, pois, isso é uma mentira absurda gente.

Eu nunca encontrei um ser humano na beira de uma lagoa engolindo um sapo todo sujo e cheio de bactérias. Eu, sim, passo a vida só engolindo sapo, e sem direito a reclamar, porque nem o direito de falar eu ganhei nessa vida. Tudo bem que eu tenho mesmo o veneno na boca, isso é verdade, e eu nunca escondi esse perigo que há em mim de ninguém – principalmente daqueles mais desatentos que me pisaram e eu mordi em legítima defesa.

Porém, eu não saio por aí perseguindo a alguém com o propósito de destilar o meu veneno só para machucar a integridade dessa pessoa. Mordo, sim, mas isso só acontece quando alguém me pisa.

No entanto, essa minha reação não é por maldade e nem fico de tocaia como vocês, seres humanos, que ficam na espreita esperando o descuido do seu semelhante para dar o bote certeiro. E, quando não conseguem destruir a vida de suas vítimas, se aproximam e as abraçam, fingindo que se amam profundamente e que torcem muito um pelo sucesso do outro.

Ah, quanta falsidade! - Na verdade, quando uma cobra morde alguém, é porque algumas pessoas são mesmo abusadas e entram em espaço onde não foram chamadas, e ainda pisam sem olhar por onde andam... E é claro que, ao ser pisoteado, qualquer ser irá reagir agressivamente, para proteger a sua sobrevivência.

Mas, em toda ação a vida responde com uma reação correspondente, para nos colocar em contato com a realidade que nós mesmos criamos. Portanto, a minha mordida é uma atitude instintiva e não pode ser considerada como um ataque de serpente. Ouvir isso da boca de um ser humano dói, gente. Porque não é uma ação premeditada de minha parte, como vocês seres humanos fazem uns com os outros. A verdade é que vocês, seres humanos, ainda são muito imaturos e não conhecem quase nada sobre a força curadora que há na natureza.

Eu sou um ser diferenciado, porque, mesmo quando machuco alguém em legítima defesa, na essência do meu próprio veneno eu entrego o antídoto que, transformado em soro, anula o efeito nocivo da minha agressão e promove a cura do meu ofendido.

O homem se acha tão superior aos animais, mas, morre de medo de ratos e baratas, enquanto eu me alimento disso. Porque, o que destrói alguém não é o que entra pela sua boca, mas, sim, o veneno que é inoculado nas palavras sem amor que vocês mesmos dizem uns para outros, abrindo feridas na essência da alma."............assinado..... cobra VENENOSA.

Nesses tempos modernos que nós, seres humanos, atingimos, não há espaço para acomodar pessoas covardes e fingidas. Pois a vida é justa e sempre promove encontros que nos conduzem rumo à verdade nua e crua.

E mesmo quando insistimos em não querer enxergar a realidade – dizendo que "aquilo que os olhos não vêem, o coração não sente" -, ela persiste em nos redirecionar, e até usa algumas situações dolorosas para nos acordar e fazer esse reajuste evolutivo. Às pessoas de mente aberta logo entendem que, para chegar a realização, é preciso transformar suas ações em atitudes revestidas de amor; e, assim, logo prosseguem a sua caminhada... Por isso, encare as barreiras que são levantadas por aqueles que estão parados no tempo, e que tentam barrar os seus sonhos.

Nesse mundo competitivo, existem pouquíssimas pessoas que realmente desejam o nosso bem. Na verdade, diariamente estamos convivendo com um bando de leões, que se pintam de zebra só para disfarçar a sua personalidade traiçoeira e se aproximar para atacar a sua presa, sem que a mesma esteja preparada para se defender.

Portanto, só participe de uma conversa nos bastidores de uma empresa, se a mesma estiver sendo puxada por alguém que fala sem olhar para trás, e de um assunto que possa ser ouvido por qualquer pessoa que, de repente, venha a se aproximar de surpresa.

Lembre-se que, antigamente, as paredes tinham ouvidos, mas, agora, até as paredes evoluíram. Pois, com o avanço da tecnologia, além de ouvidos, elas têm os olhos das câmeras que gravam continuamente tudo o que acontece dentro dos ambientes de trabalho. Pessoas muito sinceras não encontrarão paz de espírito nestes ambientes e, certamente, desistirão de fazer parte desse jogo.

Porque observarão que a maioria está acomodada com essa vidinha de gado tocado, que sempre segue a boiada, mesmo pastando aos trancos e barrancos... Rumo ao matadouro. Precisamos fazer a parte que nos cabe, envolvidos pelo sentimento de amor e sem esperar que os outros ajam da mesma maneira.

Olhar aquilo que discordamos nas atitudes dos outros e respeitar essas ações, mesmo que sejam erradas para o nosso conceito. Devemos fazer somente o que é certo e, depois, nos distanciarmos desse medo que temos de que, a qualquer momento, alguém possa retirar de nós as nossas oportunidades de crescimento.

Porque a vida presenteou a cada um de nós com um tesouro secreto muito valioso, o qual jamais poderá ser retirado de nossa essência. Pois, essa raridade que nos pertence é uma peça única e brilhante, que está contida no mais íntimo do nosso ser em forma de talento.

Se você pertence a uma equipe, não se misture com pessoas que não estão compromissadas com o bom andamento das obrigações que lhe cabem e não perca o seu tempo vagando pelos corredores da companhia a qual você trabalha e ouvindo a conversa fiada dos fofoqueiros de plantão; a energia dessas pessoas de cabeça atrasada não acrescenta nada de positivo na sua vida. Mas, também, não seja radical se afastando, ou combatendo esse comportamento inferior delas, com algum ar de superioridade.

Com isso, você acabará criando antipatia com essas mentes desocupadas que, ao se sentirem excluídas por você, aproveitarão dessa oportunidade para ter uma ocupação a mais: denegrir a sua imagem perante aos outros colaboradores.

Para que a nossa convivência com as diferenças seja harmoniosa, precisamos entender que a vida só funciona conforme as nossas atitudes. Por isso, seja uma presença amorosa e acolhedora. Trate a todos com respeito, mesmo as pessoas perturbadoras. Pois, agindo dessa maneira, elas criarão uma imagem positiva a seu respeito e irão optar por "trocar farpas" só com pessoas que emanam a energia semelhante a que elas vibram.

Não entre na competição destruidora das pessoas egoístas, que fazem de tudo para aparecer mais que as outras de seu convívio. A visão delas está tão destorcida da realidade, que elas acham que a luz do sol é, na verdade, um reflexo do umbigo delas. Afinal de contas, às pessoas egoístas só olham para o próprio umbigo, e é por essa razão que elas não têm outras referências. Se você é uma dessas pessoas que se acham o centro do universo e tem dificuldade para reconhecer o valor das outras pessoas, lembre-se que uma estrela brilhando sozinha não passa de um foco de luz egoísta ocupando um imenso espaço na escuridão.

Mas, quando permite que outras estrelas brilhem ao seu lado, na união das forças construtivas, é formada uma comovente constelação.


Por: Evaldo Ribeiro 
http://ninhodasborboletas.blogspot.com.br
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário