8 de mai de 2014

Xiiiiiiiiii.........Força Nacional e Polícia Rodoviária perdem em enchente 116 carros da Copa


Imagem: Carlos André Nogueira / Arquivo pessoal
O Ministério da Justiça corre contra o tempo para repor 116 veículos da PRF (Polícia Rodoviária Federal) e da Força Nacional, em serviço no Rio, que se perderam com as chuvas que atingiram a cidade em 12 de dezembro passado. Os carros e motos seriam usados no patrulhamento de estradas durante a Copa do Mundo.

Todos estavam no pátio da sede da PRF no Jardim América, bairro na zona norte da cidade. O prejuízo é avaliado em cerca de R$ 20 milhões.


A chuva pegou os policiais no local de surpresa. Em pouco mais de duas horas, viaturas policiais e veículos particulares dos inspetores da PRF ficaram submersos. A água chegou a 2,20m de altura.
A pouco mais de 30 dias do evento, as duas instituições ainda aguardam a reposição dos veículos. A Folha apurou que a alternativa deverá ser a transferência para o Rio de carros de outros Estados, onde não haverá jogos do Mundial.

A Secretaria Extraordinária de Grandes Eventos (Sesge) informou que "não é prevista nenhuma nova aquisição de veículos para a Copa do Mundo". A PRF não se pronunciou sobre o caso.

De acordo com Maurício Panisset, comandante do grupamento da Força Nacional que ocupa o morro Santo Amaro, na zona sul do Rio, a corporação perdeu 50 carros modelo Nissan Frontier.

Já a PRF perdeu 66 veículos. Destes, 27 eram motos Harley Davidson; seis eram carros descaracterizados e os 33 restantes, de patrulhamento nas estradas.

O prejuízo poderia ter sido ainda maior. O piloto de um helicóptero da PRF precisou nadar na água barrenta para salvar a aeronave.

Até esse momento, 200 homens da Força Nacional que ocupam o Santo Amaro desde maio de 2012 usavam as instalações da PRF, no Rio, como alojamento. Depois da inundação, a tropa foi transferida para outro local, debaixo de um viaduto em Laranjeiras, próximo ao Palácio Guanabara, sede do governo do Rio.

Marco Antônio Martins
Folha de S. Paulo
Editado por Folha Política
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário