16 de mai de 2014

Que tal o sonegômetro e o corruptômetro, ao invés do impostômetro?

 

A canalha empresarial brasileira, associada à mídia golpista, inventou nos últimos anos o Impostômetro, que de vez em quando aparece nos telejornais, falando em bilhões, como instrumento de mobilização popular contra o governo. Só não falam sobre os 280 bilhões sonegados…Por outro lado, quando indagados sobre educação e saúde estes mesmos empresários dizem que pagam os seus impostos e que o governo é que aplica mal e/ou embolsa na corrupção. Seria de rir, se não fosse para chorar: o brasileiro é o segundo maior sonegador do mundo! Só perde para a Rússia, centro conhecido de corrupção e do crime organizado. E esta sonegação é, com certeza, praticada preponderantemente pelos mais abastados, pois pobre e assalariado já é descontado na folha ou no caixa dos mercados, sem direito a fuga. O máximo que estes pobres conseguem é desconto por comprar sem nota fiscal, buscando um imposto que pagaria mas que o vendedor não recolheria. Senão, vejamos:
a) segundo informações do texto que repasso abaixo, o imposto mais sonegado é o INSS. E se este imposto é descontado, complementado e recolhido pelos patrões e não chega aos cofres públicos, de quem é a culpa? O segundo imposto mais sonegado é o ICMS. Este também é pago pelo cidadão comum na boca do caixa (embutido no preço nas mercadorias), sem direito a choro. Então se ele é sonegado, quem o embolsa? No podium da sonegação, leva o terceiro lugar o Imposto de Renda. O povão é isento (pelo menos deste ele escapa!). E se todos os de maior renda são obrigados a declarar e pagar, porque não chega no cofre do governo? Hein? Hein?
Portanto, amigos, vamos deixar o cinismo de lado e queimar este filme de contribuinte vítima do governo, pois além da sonegação, estes mesmo sonegadores, enquanto empresários ou prestadores de serviços, roubam o governo (com conivência interna ou não) nas licitações, obras e serviços. Lembram da CPMF? Pois é, ela caiu não foi porque era um imposto que penalizava a todos. Nós pobres, pagávamos mixaria, centavos eventuais, mas todos recolhiam e os ladrões, além de recolherem muito, ainda deixavam pistas para o Leão segui-los e prendê-los por enriquecimento ilícito. Mataram a charada?
Portanto: que venham o sonegômetro e o corruptômetro. São medidores bem mais honestos socialmente e NÃO DEMAGÓGICOS.
Bom dia a todos
http://livrepensar.wordpress.com/
Reações:

Um comentário: