8 de mar de 2014

Aspartame: A verdade por trás de um dos adoçantes mais consumidos no mundo




O aspartame foi inicialmente desenvolvido pela GD Searle e Co. em 1965.
Em 1974, ganhou a aprovação do FDA como aditivo alimentar. A vantagem de usar o aspartame em vez do açúcar é a sensação do doce que o adoçante gera. Açúcar e aspartame produzem cerca de 4 calorias por grama, mas o aspartame, no entanto, é cerca de 180 vezes mais doce do que o açúcar. Assim, você precisa de uma quantidade muito menor para obter a mesma percepção de doçura. Esta é a razão pela qual ele funciona tão bem como um adoçante de baixa caloria.

O aspartame é feito de dois aminoácidos, fenilalanina e ácido aspártico, e o álcool metanol. Todas as preocupações com a saúde em relação a este suplemento doce são um resultado do que essas três coisas podem fazer para o corpo. Então, se altas doses de aspartame são prejudiciais, por que são permitidos na comida, ainda mais de baixa caloria?

Acontece que doses baixas não são prejudiciais e esses aminoácidos são necessários para executar determinadas funções dentro do corpo. Na verdade, a fenilalanina e o ácido aspártico fazem parte de uma série de alimentos que ingerimos em nossas dietas habituais.

O metanol, mais comumente conhecido como álcool-madeira, definitivamente, não é necessário para o nosso corpo. Ele já é encontrado em muitas bebidas como vinho, uísque e cerveja (dependendo do processo de fabricação e controle de qualidade).

Em certas condições, como alta temperatura, pH muito ácido ou muito básico, a molécula do aspartame sofre hidrólise, liberando o metanol. Quando essas condições são ainda mais extremas, os aminoácidos da molécula também são liberados.



Uma vez que já temos os três ingredientes do aspartame em muitos dos alimentos que comemos, a questão da segurança do aspartame torna-se inquestionável. Os níveis da substância que consumimos atualmente é seguro para a saúde humana ou produzirá no futuro efeitos maléficos?

O ácido aspártico é um dos muitos aminoácidos que ajudam a formar as inúmeras proteínas que nossos corpos usam diariamente. Isso ajuda o fígado, auxiliando na eliminação de amoníaco, e está envolvido na produção de anticorpos criados pelo sistema imunológico. Ele pode ser encontrado em muitos tipos diferentes de alimentos, tais como espargos, abacate, beterraba, salsichas, etc.

O ácido aspártico em excesso pode ser visto em vários processos de doenças diferentes tais como: doença de Lou Gehrig, epilepsia e acidentes vasculares cerebrais. Infelizmente, para aqueles que lutam contra o aspartame, os níveis observados nestas condições são várias vezes maior do que pode ser alcançado pela ingestão de aspartame em quantidades recomendadas. Não há também uma causa direta e efeito mostrado entre estas doenças com o aumento da ingestão de ácido aspártico.

Metanol, em geral, resulta em algumas reações indesejáveis no interior do corpo. Especificamente, ele é absorvido pelas células do corpo, e a produção de formaldeído e ácido fórmico são o resultado. Formaldeído em níveis elevados causará problemas para formar proteínas ‘normais’.

O ácido fórmico, em níveis elevados, fará com que os processos metabólicos dentro das células parem de funcionar. O resultado é a morte da célula devido a uma falta de energia. Isso é porque ele interrompe a organela responsável pela respiração celular, a mitocôndria. Algumas células dentro do corpo são extremamente sensíveis ao ácido fórmico, especificamente os do nervo óptico. É por isso que a cegueira está associada ao envenenamento por metanol.

A fenilalanina é algo extremamente importante para o corpo humano. Fenilcetonúria não é uma doença rara, mas afeta cerca de 1 em cada 10.000 pessoas. Esta doença deixa seu corpo com incapacidade de quebrar fenilalanina. Se não for tratada, níveis tóxicos de fenilalanina podem acabar se formando. Os resultados podem ser coisas como transtornos do desenvolvimento, problemas de ritmo cardíaco, convulsões e graves dificuldades de aprendizagem.

Felizmente, a maioria dos bebês nascidos no mundo desenvolvido é testada para esta doença e o tratamento normalmente envolve o controle da dieta, porque há muitos alimentos que contêm altos níveis de fenilalanina, muito mais que o aspartame. Sabendo que esse transtorno existe, o FDA (órgão americano com a mesma função da ANVISA) exige que os produtos de aspartame sejam rotulados especificamente para fenilcetonúricos.

Como qualquer aditivo alimentar avaliada pelo FDA, há um extenso processo que ocorre antes dos fabricantes serem autorizados a colocá-lo nos alimentos. Quando a FDA aprovou o aspartame como um aditivo, houve inúmeras controvérsias que cercaram a sua aprovação. Essas controvérsias giravam em torno dos estudos da FDA, que defendiam a segurança do aspartame. Dito isso, desde a sua distribuição inicial para a população, tem havido inúmeros novos estudos realizados visando à segurança do aspartame. Numerosas outras publicações de pesquisa têm sido feitas por várias agências, incluindo o FDA e a European Food Safety Authority (EFSA).

A mais recente foi realizada pela EFSA e emitida em 10 de dezembro de 2013. Essa revisão olhou para quase todos os estudos relacionados com o aspartame, em animais e humanos por igual. Sabendo que há uma grande controvérsia em torno do tal suplemento, o painel independente da EFSA de especialistas publicou um fórum público, aberto para quaisquer dados, comentários ou preocupações sobre o aspartame. De acordo com Alicia Mortensen, presidente do painel da EFSA, "Esta opinião representa uma das avaliações de risco mais abrangentes de aspartame já realizadas.".

O painel concluiu que o aspartame não causa câncer nos níveis consumidos por seres humanos, e não causa problemas durante a gravidez. No geral, "Não houve problemas de segurança no atual IDA (ingestão diária aceitável), que é de 40 miligramas por quilo de peso corporal.".

O aspartame é algo seguro para saúde, então? Alguns estudos dizem que pode e alguns dizem que não pode. No entanto, todos os estudos mostram efeitos negativos quando em níveis normalmente não consumidos por qualquer humano.

Em resposta aos inúmeros estudos com animais que mostraram um aumento dos problemas de saúde em níveis elevados, o Dr. David Hatta , diretor interino da Divisão de Efeitos na Avaliação da Saúde da FDA, afirma: “As tentativas legítimas que foram feitas para confirmar e reproduzir as alegações de reações adversas de ingestão de aspartame não foram bem sucedidas e o USFDA continua a considerar que este é um dos mais exaustivamente testados aditivos alimentares e esta informação continua a confirmar a segurança do aspartame.”.

No final, em níveis recomendados por especialistas de segurança de saúde, o aspartame nunca mostrou resultados negativos na saúde. A questão, então, seria da quantidade ingerida diariamente. 
http://www.jornalciencia.com
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário