17 de fev de 2014

Magno Malta, que pretende concorrer à presidência do Brasil, diz: “Deus ergueu Lula e Dilma”

Como votar nele sem cair em ciladas e armadilhas

Julio Severo
Se você quer entender por que o senador Magno Malta sempre foi, como evangélico, apoiador de Lula, Dilma e seu sistema socialista, a resposta está no vídeo de entrevista exclusiva do Portal Fé em Jesus com Malta.
Na entrevista, o senador evangélico destaca que Deus ergueu Lula e Dilma, pois, na visão dele, quem ergue as autoridades é Deus. Finalmente, agora entendo por que Malta apoia o governo comunista da Venezuela desde o ditador Hugo Chávez. Ele realmente acha que Deus havia erguido Chavez.
Magno Malta apoiando a candidata Dilma Rousseff na eleição presidencial de 2010
Mas essa é uma acusação muito séria, tornando Deus cúmplice dos mandos e desmandos desses homens. Até parece que, na visão de Malta, o governo é uma espécie de Deus.
Durante o governo nazista, era crime ajudar os judeus. Quando a família de Corrie ten Boon começou a esconder judeus, o próprio pastor da igreja reformada deles os advertiu de que desobedecer ao governo era desobedecer a Deus. Os nazistas também frequentemente usavam os mesmos termos sobre a “obrigação dos cristãos de serem submissos ao governo,” de modo que os evangélicos daquela época, na vasta maioria tradicionais, realmente viam o governo como erguido por Deus. Por isso, quase todos não reagiam às atrocidades nazistas.
Para onde então leva o raciocínio de Malta de uma Dilma erguida por Deus? Por que também ele não diz, na mesma linha de raciocínio, que Hitler, Stálin, Fidel Castro e outros ditadores assassinos foram igualmente erguidos por Deus?
Diferente de Marco Feliciano, que já se arrependeu publicamente de ter apoiado Dilma, Malta insiste em ver Dilma como uma mulher que o próprio Deus levantou, como se Dilma fosse uma espécie de Ciro dos tempos modernos.
Na Bíblia, Deus levantou o rei Ciro, que não conhecia a Deus, para um missão muito específica: ajudar o povo judeu. E se Deus destacou especificamente o nome de Ciro é porque não é qualquer autoridade que ele escolhe.
Mas se, como diz Malta, Deus ergueu Lula, por que Lula não fez como Ciro e ajudou o povo judeu? Desde o início de seu governo, Lula apoiou os inimigos de Israel e nunca tratou Israel como amigo.
Dilma tem seguido a linha de Lula.
Chavez também era contra Israel.
O que isso significa? Que Deus está levantando o Brasil e a Venezuela para castigar Israel?
O que o senador evangélico vai dizer em seguida? Que Deus ergueu também o diabo?
Malta estava tão certo de que Dilma era uma ungida erguida por Deus que ele, junto com o então senador Marcelo Crivella e o deputado federal Walter Pinheiro (ambos evangélicos progressistas), fez parte de uma campanha infame para neutralizar a onda anti-Dilma no meio evangélico durante a eleição presidencial de 2010. Essa onda conservadora denunciava a óbvia postura pró-aborto e pró-homossexualismo de Dilma. No entanto, a campanha de Malta foi em direção contrária, pintando Dilma como “pró-vida,” dando, em todo sentido da palavra, falso testemunho. O próprio site do senador então dizia: “Dilma e Magno Malta em defesa da vida.” Uai, como é que os dois juntos podem ser defensores da vida se um deles quer a legalização do aborto e o outro não?
Malta já estava apostando na erguida “divina” de Dilma antes de ela ganhar! Ele é pentecostal. Será que ele teve alguma visão com Dilma cercada de anjos e uma voz celestial dizendo “Você é a minha escolhida”?
Antes da eleição de Lula, minha mãe havia tido uma visão de nuvens negras cobrindo o Brasil se Lula ganhasse. E de fato nuvens negras cobriram o Brasil. Mas no meio dessas nuvens eis que surgiu Malta elogiando e louvando Lula. Sim, vi essa cena inacreditável numa grande igreja de Brasília, onde Malta, o pregador convidado da noite, gastou todo o seu tempo de pregação prestando louvores a Lula, o “Ciro” anti-Israel.
Well, será que minha mãe teve uma visão “falsa” e o senador pentecostal teve uma visão “verdadeira”?
O que podemos então esperar de um futuro presidente Magno Malta?
O lado bom dele é que ele combateu a pedofilia — embora eu não conheça nenhum político que defenderia esse crime. O lado questionável dessa luta é que a CPI da Pedofilia, presidida por ele, fortaleceu entidades que supostamente combatem a pedofilia e a chamada “homofobia,” inclusive a SaferNet, que pensa que opinião contrária às imoralidades homossexuais equivale a crime de “homofobia.”
Outro lado questionável é que desde que Malta lançou sua campanha nacional contra a pedofilia, sua luta nunca incluiu nem incomodou nomes proeminentes que defendem esse crime, inclusive Luiz Mott, Denílson Lopes e Paulo Ghiraldelli. Todos eles, que são do mundo acadêmico, foram denunciados por mim desde 2007 por defenderem a pedofilia. Enviei a denúncia então ao senador Malta e a toda a bancada evangélica. Nunca recebi resposta de Malta.
Ao que tudo indica, a luta de Malta não se aplica ao mundo acadêmico, pois até agora nenhum dos três famosos defensores da pedofilia passou por qualquer apuro vindo do senador evangélico.
A luta dele, pois, deixou muito a desejar.
Sobre a maioridade penal, conforme declarações no vídeo, ele é a favor de uma leve redução. De que adiantará, porém, reduzir a idade de responsabilidade penal para 17 ou 16 anos se criminosos e assassinos de 15, 14 e 13 anos puderem matar e estuprar a vontade? Portanto, nesse ponto também a luta de Malta deixa muito a desejar.
Entretanto, nem tudo de Magno Malta envolve imperfeições e incoerências. Ele foi um excelente combatente contra o PLC 122. Apesar de ser um ferrenho apoiador de Dilma, ele foi também um ferrenho inimigo da ditadura gay, inclusive do kit gay.
O senador evangélico também se notabilizou pela oposição à Lei da Palmada, projeto que criminaliza pais que disciplinam filhos e é hoje uma das principais prioridades do governo socialista do Brasil.
Por isso, se votar em Magno Malta para presidente, você terá um excelente candidato contra o aborto, contra a agenda gay e contra a Lei da Palmada. O excelente currículo dele, nessas questões, fala por si.
Provavelmente, se o nome de Marco Feliciano também não sair para presidente, todos os outros candidatos são totalmente inconfiáveis e perigosos nas questões do aborto, agenda gay e Lei da Palmada. Mesmo Marina Silva, que se diz evangélica e vem sendo erroneamente pintada como “conservadora,” está ideologicamente muito mais próxima dos objetivos da esquerda do que dos princípios cristãos. Nesse quadro, dos piores Malta será o melhor candidato.
Se ele não conseguir chegar ao segundo turno ou não completar sua campanha, espere pelo inevitável: ele vai entregar todos os seus eleitores para a mulher que ele diz que Deus ergueu: Dilma. Mas não é a primeira vez que um candidato evangélico vende o público evangélico para o PT. Garotinho fazia isso frequentemente, na maior cara-de-pau.
Se Malta chegar à presidência, o veremos dar continuidade a muitas políticas do PT, menos nas questões da agenda gay, aborto e Lei da Palmada.
Além disso, na presidência, seus problemas conjugais (ele largou da esposa e sua atual esposa largou do marido) podem se tornar brechas espirituais e morais para um bom governo. O diabo e seus lacaios políticos podem amplamente explorar isso contra ele. Não nos surpreendamos, pois, se um presidente Malta, caído em brechas, tiver uma mudança repentina e fizer exatamente o que já sabemos que os outros candidatos farão.
Mesmo sem uma queda repentina, o apego dele aos seus aliados petistas sempre será um problema, ainda que ele mesmo seja muito melhor do que eles.
Dá para votar em Malta? Dá sim: tape o nariz e vá em frente. Os outros, com exceção de Feliciano, nem tapando o nariz dá.
Fonte: www.juliosevero.com
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário