25 de out de 2013

TRIPOFOBIA: Iluminando os buracos escuros de uma Fobia( Parte II)

BBSTeT8CUAAmbco
Durante um curso de psicologia da Universidade de Essex, na Grã-Bretanha em 2009, Arnold Wilkins pediu sua classe para participar de um experimento. Wilkins mostrou aos alunos duas imagens e pediu-lhes para escreverem se encontraram em algum deles algo perturbador. Um deles era uma foto de uma paisagem lenhosa. O outro era um close-up de uma vagem de uma flor de lótus, que era cravada de pequenos buracos. A maioria dos alunos eram indiferentes, mas, a estudante An Le, ficou paralisada com ambas as fotos e revoltada com a imagem de lótus. ” Parecia que eu estava em choque”, diz ela.
Le está longe de estar sozinha em sua resposta. Muitas pessoas afirmam sofrer trypophobia, um termo derivado do grego” tripo”, o que significa perfurar, perfurar ou furar buracos. Refere-se a um medo irracional a grupos de pequenos orifícios, tais como colméias, buracos de formigas e até mesmo bolhas em uma panqueca sendo cozidos ou buraços de ar em uma barra de chocolate.
Na web, a auto-diagnosticaram casos de tipofóbicos que contaram casos de reações de vômitos,  ataques de perda de sono e ansiedade com a visão de tais objetos. Eles dizem que os temores interromper suas vidas diárias.
Mas o mundo médico ainda tem de abraçar a fobia como real.
Trypophobia não está listada em qualquer grande dicionário ou no Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais , porque não houve qualquer pesquisa publicada sobre o assunto.
Tammy Swallow Batten, de 38 anos, da Carolina do Norte, EUA, disse que mesmo seu terapeuta deixou de lado seus medos, dizendo que” era para eu ter mais exposição aos buracos até isso não me afetra mais.”
” Ninguém leva isso a sério”, disse ela.
Wilkins, especialista em estresse visual, e seu colega Geoff Cole, estão esperando para mudar isso. Eles dizem que eles são os primeiros cientistas a investigarem os elementos visuais por trás da fobia. O estudo está sob revisão por pares da revista Psychological Science.
” Trypophobia toca em tantas áreas diferentes: fobias, evolução e pressões antigas , psicologia, estresse visual rápida detecção de objetos e neurociência”, diz Cole.
Fobias podem se desenvolver, por várias razões. Eles podem ser aprendidas (medo de altura desencadeadas por ver outras pessoas com medo de altura, por exemplo), o resultado de uma experiência traumática, ou o resultado de Biologia (pessoas que são, digamos, propensas a ansiedade). Wilkins e Cole acreditam que a trypophobia tem raízes biológicas.
Fobias podem atrapalhar a vida diária
Medo real … fobias podem prejudicar seriamente asua qualidade de vida
Até agora, a maior parte de sua investigação centrou-se em identificar quais os tipos de imagens detonam essas reações, em vez de por que. No ano passado, eles realizaram experimentos para discernir até que ponto as imagens trypophobicas perturbam as pessoas. Eles mostraram um grupo de pessoas algumas imagens – troncos de árvores podres, queijo cheio de buracos e a vagem de lótus – tudo intercalado com imagens de paisagens e outros elementos da natureza. Cerca de 16 por cento das 286 pessoas entrevistadas ficaram chateados com as imagens, os cientistas tinham identificado como induzir a trypophobia e os restantes não ficaram chateados por nenhuma das imagens. Wilkins e Cole, em seguida, analisaram as características dessas imagens e encontraram um traço comum. Imagens Trypophobicas, dizem, tem um alto contraste de detalhes, o que faz com que elas se destaquem.
Ninguém sabe ao certo por que isso leva a um sentimento de repulsa em algumas pessoas e não em outros. Mas Wilkins e Cole dizem que as raízes da  trypophobia são mais profundas do que os temores socialmente produzidos, como triskaidekaphobia (medo do número 13) e podem , segundo as teorias estabelecidas desestrutur nossos mecanismos naturais de defesa.
” Achamos que o sistema humano pode ter evoluído por causa de uma estrutura visual inconsciente, não da exposição a animais peçonhentos”, diz Cole. Ele e Wilkins sugerem que as imagens trypophobicas pode detonar um” gatilho” característico em algumas pessoas, bem como a luta ou fuga” como se fosse a resposta ao perigo iminente de uma cobra.
Em outro experimento, a dupla mostrou pessoas slide shows de várias imagens e sua atividade cerebral monitorada através de exames de imagem. ” Você tem uma resposta anormalmente elevada com as imagens trypophobicas”, diz Wilkins. ” É como se essas coisas venenosas estivessem nos advertindo que eles são venenosos”, diz Cole. Padrões Trypophobicos, tais como os que podem ser encontrados sobre a pele de cobras e aranhas, são indicativos de predadores venenosos, e algumas pessoas são especialmente preparadas para responder a isso. Wilkins e Cole esperam descobrir o porquê.

Como tratar Trypophobia de forma eficiente?


Quando se trata de fobia, muitas abordagens foram apresentadas e até agora, os tratamentos são aplicados diferentes para lidar com diferentes medos.  ”Como é que vamos tratar o medo de buracos de forma eficiente?”
 Katherina Hauner K. mencionou que “todos os tipos de fobia pode ser tratadas por um tratamento que chamamos de ‘exposição’.” Ao que parece, o tratamento refere-se a um processo em que o paciente é exposto a seus medos.
 ”Embora pareça tão simples, a supervisão de um psicólogo é essencial para um tratamento eficaz.“, Acrescentou.
 Alguns especialistas sugerem que a trypophobia não pode ser tratada por apenas olhar para as imagens com furos agrupados em uma base regular. Eles argumentam fortemente que tripófobos  submetidos aos processos abrangentes de exposição, pode ser a inundação e  condicionamento clássico.

 De acordo com estudos, “a abordagem de inundação para as pessoas com uma fobia é deixá-las ficar na frente do objeto, a fim de sentirem o medo no nível máximo.”
 Isto significa que um trypophobo podem ser expostos a um favo de mel ou de esponja de coral serem inundadas pelo medo. Especialistas dizem que o objetivo é que eles percebem que não há nada a temer em relação ao objeto.
 A segunda abordagem é o condicionamento clássico. Neste método, os estudos sugerem que as pessoas com trypophobia pode ser ensinadas de que há algo de positivo sobre os buracos em favos de mel.
 ”Ao condicionando-os a se concentrar mais nos fatores positivos, será mais fácil para eles  lutarem contra a sua fobia de forma positiva.”

AP
Via: http://www.smh.com.au/
http://apocalink.com.br 
Reações:

22 comentários:

  1. Tenho isso fico alguns minutos observando pra ver se passa e me arrepio de pé a cabeça..

    ResponderExcluir
  2. Eu também tenho é fico muito tempo arrepiada e irritada mesmo depois de um tempo sem ver ...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tambem sinto a mesma coisa é muito ruim, até mesmo as vezes quando estou lendo e tem muitas letras "o" nas palavras ja me da um certo arrepio

      Excluir
  3. Odeio essas imagens, já fiquei sem dormir por causa disso.
    Fico enjoada e arrepiada, não é legal. Gostaria que tivesse pesquisas mais aprofundadas sobre o assunto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foi uma noite terrível. Cada vez que fechava is olhos a imagem voltava. Detestável. Não quero ver de novo, mas fico curiosa coma impressão de que se voltar a ver a ânsia, a taquicardia e a falta de ar vão passar. O medo sempre vence....

      Excluir
    2. Foi uma noite terrível. Cada vez que fechava is olhos a imagem voltava. Detestável. Não quero ver de novo, mas fico curiosa coma impressão de que se voltar a ver a ânsia, a taquicardia e a falta de ar vão passar. O medo sempre vence....

      Excluir
  4. Tenho tripofobia. Para muitos é fácil falar: "fica em frente a imagem olhando por vários minutos". Eu não consigo é muito difícil muito irritante é arrepiador..é inexplicável o que sentimos, fico bastante tempo me coçando.

    ResponderExcluir
  5. Eu descobri recentemente que tenho tripofobia relacionada a coisas orgânicas. Já tentei me confrontar com imagens mas me arrepio toda e me dá coceira. Adoraria que houvesse mais estudos para poder saber mais sobre isso. É uma coisa terrível.

    ResponderExcluir
  6. Pelo que percebo existem dois tipos diferentes de tripofobicos...os que associam as junções dos burracos a perigos iminentes(peçonhentos, doenças, contaminação,etc)sentem grande irritabilidade,arrepios e coceiras.
    Já outros são as junções de burracos, formas irregulares...onde as queixas, são vômitos, enjoos.
    Acredito ter duas causas distintas a serem pesquisadas.

    ResponderExcluir
  7. fico dia lembrando das imagens de partes do corpo atingido por alguma afecção, já havia sentido antes, mas com o tempo esqueci, até que há alguns dias uma pessoa colocou uma imagem num grupo de rede social e não tive como não ver. Estou há dias com coceiras pelo corpo, tento esquecer, desviar o pensamento, mas está mais forte dessa vez, tentei superexposição e só piorou. Porém, imagens de colméias, girassóis, queijo e chocolate aerado não me atingem, fico às vezes umdia inteiro muito bem, mas basta lembrar daquela imagem que fico incontrolável.

    ResponderExcluir
  8. isso me atingiu já há algum tempo, não consigo parar de lembrar da imagem que um "amigo" postou no facebook,dias atrás, falando das partes do corpo atingidas pelo contato com um determinado inseto, vi e fiquei muitíssimo atordoado, arrrepios e a coceira pelo corpo, como se estivesse acontecendo comigo, me fez e está fazendo muito mal, simplesmente antes, eu já tinha esquecido que isso acontecia comigo, vida normal, com favos de mel, girassóis , chocolate aerado e outros, mas não consigo me concentrar e esquecer esta maldita imagem que esse "amigo" postou. Socorro!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom Dia. Você deve ter visto a mesma imagem que eu vi. Estou há 3 dias sem dormir e com um desconforto enorme no decorrer do dia. Conseguiu lidar com isso ou procurou ajuda médica?

      Excluir
    2. Aconteceu comigo, recebi essa imagem entrei em pânico, até chorei. Arrepio, ânsia e coceira.

      Excluir
    3. Eu tbm vi essa imagen. Fiquei exatamente que nem vc so que a minha coceira foi concentrada na parte mostrada da imagem. Foibso quando eu vi que era fake que o estresse passou e consegui me acalmar. Com a "mediatização do nojo" a nossa vida vai ficar muito dificil daqui ora frente. Ja que a te o youtube joga esse tipo de imagem em meio as videos que vc assiste (que por sinal n tem nada a ver com o seu conteudo habitual). A unica coisa que posso te dizer é pra ter cuidado pq os youtubers facassados e paginas escrotas estão apelando muito pro nosso medo para tentar conseguir alguns minutos de fama.

      Excluir
  9. Também não posso com essas imagens um amigo postou no grupo fiquei totalmente descontrolada querendo desmaiar não consegui dormir, no outro dia ficou pior não sabia o que estava fazendo cheguei ate a perder meu cartão do banco, minha cabeça parece explodir de dor. Não sei o que fazer pois foi postado um pé todo cheio de furos e de arrepiar.

    ResponderExcluir
  10. Gente que coisa de louco, sinto exatamente tudo isso é tem dois dias que essas imagens não saem da minha cabeça. Também queria saber o que fazer pra me livrar disso que é aterrorizante. Pensei que estava ficando louca. Mas me senti um pouco melhor lendo esses depoimentos, pois descobri que não é algo da minha cabeça simplesmente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu nunca havia sentido isso tão forte. Pensei que estivesse enlouquecendo.

      Excluir
  11. Realmente è bem por ai mesmo. So que eu fico afetado somente quando è no corpo de uma pessoa. Ultimamente vem tendo uma onda de imagens assim no youtube e è muito dificil de não as ver pq o proprio site a coloca no meu feed de noticias. Sinto nojo, ansia de vomito,medo e, estranhamente, uma forte raiva e vontade de destroçar aquilo no corpo da pessoa. Uma raiva intensa e imediata. E depois fico dias me coçando pelo corpo todo. Antigamente eu nem sequer tinha noção disso. Foi esse ano que descobri que eu tinha repulsa a isso quando as redes sociais começaram a usar essas imagens para chamar a atenção nas paginas de M**** deles. E realmente, quando dou de cara com isso, fico semanas sem poder me sentir bem. Agora com relação ao artigo, antes de saber disso eu ja tinha fobia de cobras. Sera que ha uma ligação entre os 2 ? Uma pesquisa sobre tripofobia realmente seria muito bom...

    ResponderExcluir
  12. Infelizmente descobri que tenho a maldita tripofobia, já a algum tempo, sinto certa repulsa por imagens do tipo flor de lótus, tentáculos de polvo etc...
    Fiquei com coceira pelo corpo, após ver a imagem de um pé cheio de buracos, só de escrever esse texto, já começo a me coçar, é bastante complicado! Help me!

    ResponderExcluir