31 de out de 2013

Cientistas descobrem alimento “milagroso” que combate doença cardíaca e diabetes

Os cravos têm sido utilizado há anos pela medicina popular, e estudos modernos validaram muitos dos seus usos.
O cravo têm sido utilizado há anos pela medicina popular, e estudos modernos validaram muitos dos seus usos.
Pesquisadores têm apontado os benefícios para a saúde da dieta mediterrânea por 10 anos. Em 2003, um grande estudo de Harvard descobriu que pessoas que consumiam uma dieta mediterrânea rica em suplementos como nozes e sementes, óleo de oliva, peixe e vinho, eram mais saudáveis ​​e viviam por mais tempo.
Desde então, dezenas de estudos validaram os benefícios para a saúde da dieta mediterrânea. Um estudo recentemente publicado no New England Journal of Medicine descobriu que as pessoas que estavam em risco elevado de doença cardiovascular podem reduzir a chance de ataque cardíaco, derrame e morte por doença arterial coronária em 30 por cento, se eles comerem esta dieta saudável para o coração.
Mas há alguns elementos das dietas mediterrâneas que são muitas vezes esquecidos – as especiarias. A culinária nativa da região do Mediterrâneo utiliza generosamente as especiarias, e a pesquisa mostrou que elas são fontes de antioxidantes potentes que ajudam na luta contra muitas doenças, incluindo doenças cardíacas, diabetes e câncer. Um tempero comum – o cravo – pode ser um superalimento que ajuda a evitar a doença cardíaca, diabetes e outras condições médicas mortais.
Pesquisadores da Universidade Miguel Hernández da Espanha testaram cinco especiarias utilizadas na dieta mediterrânea – cravo, orégano, tomilho, alecrim e sálvia. Eles descobriram que os cravos tiveram os mais altos níveis de fenóis, um tipo de antioxidante encontrado naturalmente em alguns óleos essenciais que possuem forte antisséptico e propriedades antibacterianas. Como resultado do estudo, o Jornal de Aromas e Fragrâncias classificou o cravo como o melhor antioxidante natural.
O cravo têm sido utilizado há anos como um grande remédio da medicina popular, e estudos modernos validaram muitos dos seus usos. Eles incluem:
• A doença cardiovascular. Um estudo revelou que o cravo, mesmo em pequenas quantidades, produziu uma queda nos níveis de glicose e triglicerídeos e também inibiu a peroxidação lipídica, uma das causas da doença de coração. O cravo também demonstrou ser um inibidor eficaz das plaquetas, assim, ajuda a prevenir a formação de coágulos sanguíneos. Eugenol, um componente do cravo, verificou-se ser 29 vezes mais potente do que a aspirina na prevenção da agregação de plaquetas.
• Diabetes. Um estudo da Universidade Agrícola do Paquistão descobriu que menos de um cravo por dia abaixa os níveis de glicose em pessoas com diabetes tipo 2. Os pesquisadores descobriram que o cravo ajuda a função da insulina de forma mais eficiente exigindo menos para fixar o açúcar dentro das células, onde é usado para fornecer energia.
• O câncer de pulmão. Uma equipe de pesquisadores Instituto Nacional do Câncer da Índia em Chittaranjan injetou benzopireno em ratos, substância encontrada no tabaco que é um grande risco para o câncer de pulmão. A um grupo de ratinhos foi dado um cravo de infusão, e um segundo grupo foi injetado com água. O crescimento do câncer foi reduzido nos ratos tratados com cravos. O pesquisador Suktta Das disse que o cravo faz com que as células malignas cometam suicídio em massa e até mesmo fez com que as células pré-malignas parassem de progredir. Outros estudos em animais sugeriram que os cravos podem desempenhar um papel na prevenção de câncer da pele e do aparelho digestivo.
• Dor de dente. Um estudo com 73 adultos realizado em 2006 pelo Kuwait University descobriu que uma preparação oral contendo cravo foi tão eficaz como benzocaína em aliviar a dor causada por injeções orais.
• Artrite. Estudos descobriram que os cravos ajudam a normalizar a função da insulina. Além disso, o eugenol, um produto químico no cravo, inibe a COX-2, uma proteína que provoca a inflamação que estimula a dor e inchaço das doenças articulares, como a artrite. A COX-2 é a mesma proteína que as drogas tais como Celebrex suprimem.
• Infecções. Numerosos estudos têm mostrado que os cravos são eficazes para impedir o crescimento de muitos tipos diferentes de bactérias, tais como E. coli, Enterobacter, e estafilococos. Em alguns casos, os cravos foram ainda mais eficazes do que o antibiótico amoxicilina. Vários estudos descobriram que os cravos são também um agente anti-fúngico poderoso que pode conter a Candida, tanto na boca e no intestino, e um estudo de 2009 constatou que os cravos foram ainda eficazes contra as estirpes de fungos, que eram resistentes a drogas padrão para o tratamento de infecções fúngicas. Os pesquisadores acreditam que as propriedades anti-sépticas e anti-bacterianas fortes dos cravos podem ser utilizados para conservar alimentos, naturalmente, em substituição aos conservantes químicos utilizados hoje em dia.

http://www.newsmaxhealth.com/
PS do Editor TiaBeth: Complementação da matéria. (http://www.tuasaude.com/cravo-da-india/)

Algumas maneiras de uso do cravo da índia

As partes utilizadas do cravo são os botões florais e o óleo essencial.
  • Chá: Colocar a água para ferver e, quando esta estiver a borbulhar, desligar o fogo e adicionar os cravos. Para cada xícara de água, usar 1 a 1,5 g de cravo. Consumir no máximo de 3 xícaras por dia.
  • : Em cápsulas de 200 a 500 mg, 2 a 3 vezes por dia.
  • Tintura (1:5): 30 a 50 gotas, 1 a 2 vezes por dia.
  • Óleo essencial puro, em solução alcoólica ou oleosa a 10%: embeber uma gaze ou algodão e aplicar em dentes cariados.
  • Solução oleosa: 1 a 2 gotas no ouvido, 2 a 3 vezes por dia.

Contraindicações do cravo da índia

Não fazer uso interno (chá) em casos de gravidez ou amamentação, crianças com menos de seis anos de idade ou em doentes com problemas gastrointestinais ou doenças neurológicas. Pessoas com alergias respiratórias devem fazer teste de tolerância.

http://www.tiabeth.com/tiabeth/wp/saude/2013/04/11/cientistas-descubrem-alimento-milagroso-que-combate-doenca-cardiaca-diabetes/
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário