20 de ago de 2013

CLORETO DE MAGNÉSIO UM SANTO REMÉDIO UM REMÉDIO INCRÍVEL PARA UM MAL INCURÁVEL E OUTROS MALES





AUTOR: Padre Beno J. Schorr, Professor de Física, Química e Biologia, Colégio Catarinense (30/09/1985)
Os desenganados de bico de papagaio, nervo ciático, coluna e calcificação, tem agora cura perfeita, indolor, fácil e barata. E ao mesmo tempo cura para todas as doenças causadas pela carência de magnésio no passado, até a artrose.
SOLUÇÃO: Dissolver numa jarra 100 gramas de cloreto de magnésio em 3 litros de água filtrada (33 gramas por litro). Depois de bem misturado, colocar em vidros (não usar recipientes de plástico). A dose é de um copinho de café, conforme a idade e necessidade.
MINHA CURA: (Padre Beno) Estando quase paralítico, 10 anos antes de começar a cura, tendo 61 anos, sentia pontadas agudas na região lombar – um bico de papagaio, incurável segundo o médico. Mas, reparei ser reumatismo, que curei com KETACIL, esquecendo, então, o bico de papagaio, que já, antes, dava um peso crescente na barriga da perna direita. Havia 5 anos o peso virou dor, que, com todos os tratamentos, só aumentava. Depois de 2 anos, afinal, atinei com a causa: mal me levantando da cama, sentia um formigar descer pela perna até aos pés. Ao abaixar-me, o formigueiro cessava, erguia-me e voltava. Repeti as duas posições. Só podia ser aquele desgraçado bico de papagaio, que apertava o nervo ciático na terceira vértebra, e quando em pé e curvado lhe dava folga. Fiz então meus trabalhos o mais possível sentado. Havia anos que fazia tudo sentado, menos a missa – um tormento. E adiava a viagem à Ilha de Marajó, onde devia completar a rede de rádio-telefonia de 48 estações em 6 estados. Depois de meio ano, viajei, esperando melhoras naquele eterno verão. Mas piorou de vez. Rezava a missa sentado, acompanhado pelo povo: orientava meus ajudantes a montar os mastros e esticar as antenas por cima dos telhados. Sem tardar, voltei a Florianópolis para ir a um especialista, com novas radiografias. Agora já era um bando de bicos de papagaios, com seus bicos calcificados, duros, em grau avançado... Nada é possível fazer. As dez aplicações de ondas curtas e distensões da coluna não detiveram a dor, a ponto de nem mais deitado poder dormir. Ficava sentado até quase cair da cadeira de sono, quando atinei que podia dormir enrolado na cama como um gato. Deu certo, e só acordava ao endireitar-me. Faltava pouco, para nem enrolado ou sentado fugir a dor. E então? Assim desenganado, apelei ao bom Deus. Está vendo a Tua criatura? Não lhe custa dar um jeitinho... Providencialmente, ainda fui ao encontro dos Jesuítas cientistas em Porto Alegre, e o Padre Suarez me disse ser fácil a cura, com CLORETO DE MAGNÉSIO, e me mostrou escrito no livrinho do Padre Puig, jesuíta espanhol, que o descobriu... E que sua mão estava até dura de tão calcificada, mas com este sal, ficou móvel como uma menina, como também outros parentes seus. E brincando disse: "Com este sal, só vai morrer dando um tiro na cabeça ou por outro acidente". Em Florianópolis, logo comecei a tomar uma dose diária a cada manhã; três dias depois, comecei a tomar uma dose de manhã e outra dose à noite; mesmo assim continuava dormindo enrolado até o 20. Dia, quando acordei estirado na cama, sem dor. Mas caminhar ainda era aquela dor. Aos 30 dias, me levantei todo estranho: Será que estou sonhando? Nada mais me doía e dei até uma voltinha pela cidade sentindo, contudo o peso de 10 anos antes. Aos 40 dias, caminhei o dia inteiro, com pequeno peso. Aos 3 meses sentia crescer a flexibilidade. Dez meses já passaram e me dobro quase como uma cobra. O magnésio arranca o cálcio dos lugares indevidos e o fixa solidamente nos ossos. Ainda mais: a pulsação seguidamente abaixa de 40, já pensando em marca passo, normalizou. O sistema nervoso ficou notoriamente calmo, maior lucidez, sangue descalcificado e fluido. As frequentes pontadas do fígado sumiram a próstata, a ser operada na primeira folga já não me incomodava muito. E outros efeitos, a ponto de várias pessoas me perguntarem: "O que está acontecendo contigo?... Mais jovem?". É isso mesmo, voltou-me a alegria de viver. Por isso, me vejo obrigado a repartir o "jeitinho" que o bom Deus me deu. Centenas se curaram em Santa Catarina, depois de anos de sofrimento de males da coluna, artrose, etc... E mandam também cópias a outros desenganados.
IMPORTÂNCIA DO CLORETO DE MAGNÉSIO: O magnésio produz o equilíbrio mineral, anima os órgãos e suas funções (catalisadoras), como os rins para eliminar o ácido úrico nas artroses, descalcifica até as finas membranas nas articulações e as escleroses calcificadas, para evitar enfartes, purificando o sangue; vitaliza o cérebro, desenvolve ou conserva a juventude, até alta idade. O magnésio é de todos o menos dispensável, como o professor na aula. Depois dos 40 anos o organismo absorve sempre menos magnésio, produzindo velhice e doenças. Por isso deve ser tomado como preventivo conforme a idade:
a) de 40 aos 55 anos – ½ dose diária.
b) de 55 aos 70 anos – 1 dose pela manhã.
c) de 70 aos 100 anos – 1 dose pela manhã e 1 dose à noite.
Atenção: para as pessoas da cidade com alimentos de baixa qualidade (refinados e enlatados), um pouco mais; e para as pessoas do campo, pouco menos.
O magnésio não cria hábito, mas ao deixa-lo, perde a protecção. Não fugirão a todas as doenças, dores e ao desgaste natural, mas serão bem mais atenuados ou eliminados. A maioria, contudo se deixará levar pelo comodismo até doer, em vez de gozar duma saúde radiante.
O magnésio não é remédio, mas alimento sem contra-indicação é compatível com qualquer medicamento simultâneo. O adulto precisaria obter dos alimentos, o equivalente a 3 doses e, não o conseguindo, deveria complementa-los, a parte para não adoecer. Dificilmente passarão do limite, por isso as doses indicadas para os de 40 a 100 anos, são as mínimas. Tomar as doses para uma doença só, e, as demais, ficarão curadas ao mesmo tempo, porque o sal põe em ordem todo o corpo.
FORMAÇÕES ORGÂNICAS:
a) Bico de papagaio, nervo ciático, coluna, calcificação, surdez por calcificação: Tomar 1 dose pela manhã, 1 dose a tarde e 1 dose a noite. Quando curado, deve-se tomar o cloreto de magnésio como preventivo, isto é, conforme a idade.
b) Artrose (o ácido úrico se deposita nas articulações do corpo, visivelmente nos dedos, até que incham. É porque os rins estão falhando, por falta de magnésio. Tenha cautela, pois um rim talvez já esteja deteriorando): Tomar uma dose de manhã. Se em 20 dias não sentir melhoras e não reparar em anormalidades, tomar uma dose pela manhã e 1 dose à noite. Depois de curado, continuar com as doses como preventivo.
PRÓSTATA: Tomar 2 doses de manhã, 2 doses à tarde e 2 doses à noite. Ao melhorar tomar como preventivo.
ACHAQUES DA VELHICE: Rigidez muscular, câimbras, tremula artérias duras, falta de actividade cerebral: 1 dose de manhã, 1 dose à tarde e 1 dose à noite.
CANCRO: Nós todos o temos em grau moderado. Consiste em células mal formadas por falta de alguma substância (refinados) ou presença de partículas tóxicas. Estas células anárquicas não se harmonizam com as sadias (não servem para nada), mas são inofensivas até certa quantidade, que o magnésio combate facilmente, vitalizando as sadias. Infelizmente todo processo canceroso, lento, não causa nenhuma dor de alerta, até aparecer o tumor, que segrega tóxicos (vírus muito variados), que invadem as células sadias em ramificações (semelhante a um caranguejo, que quer dizer, cancro no latim). Ai o magnésio só pode travar um pouco, curar não. Há, porém, leves indícios: se no parentesco já houve cancro, nódulos debaixo da pele do seio. Aí o magnésio é o melhor preventivo, para o cancro não progredir e formar tumor. Além dos alimentos cancerígenos que devemos evitar, o mais importante é guardar o equilíbrio mineral, tomando cloreto de magnésio com doses de prevenção. Basta o corpo estar devidamente mineralizado, para se ver livre de quase todas as doenças.
Atenção ao consumidor: O cloreto de magnésio para uso humano tem que ser do tipo P.A. (Puro para Análise) e sua cor em bem branca. É normal empedrar, mas isto não altera seu teor de qualidade. (Colaboração do Engenheiro Celso Vietro)

ATENÇÃO: TODA A MEDICAÇÃO DEVE OBRIGATORIAMENTE TER O ACOMPANHAMENTO MÉDICO.

Leia o depoimento do Dr Luís Moura, o médico brasileiro, defensor heróico da Auto-hemoterapia e que tem suscitado um movimento mundial para desmitificar os interesses que levam a não reconhecer a auto-hemoterapia.

Cloreto de magnésio
O magnésio é de enorme importância no uso do dia a dia, todo mundo deveria tomar, porque os alimentos hoje estão pobres de magnésio, o motivo é simples demais, é que as plantas precisam muito do magnésio, para respirar o mecanismo clorofílico dela, a fixação do gás carbónicos e eliminação do oxigénio fazendo ao contrário do que nós fazemos, nós fazemos usando ferro, o mineral é o ferro para fazer esse mecanismo de respiração, glóbulos vermelhos, que faz o mecanismo respiratório, na planta quem faz é a clorofila que é a base do magnésio, basicamente do magnésio que é a estrutura mesmo dela, acontece que o que se usa hoje em dia, o adubo químico que se usa hoje em dia é o NPK, Nitrogénio, Fósforo e Potássio não se repõe o Magnésio na terra e acontece que antigamente quando as cidades eram todas de casas, as casas tinham fossa e esse magnésio que a gente elimina pelas fezes voltavam para o lençol freático, mas hoje vai tudo para os rios e para o mar, então está havendo uma pauperização (empobrecimento) crescente de magnésio nas terras, por não se repor o magnésio. As duas razões mais importantes dele é: ele regula o metabolismo do cálcio no organismo, ele que fixa cálcio onde deve haver e elimina cálcio onde não deve haver. Então, as calcificações de coluna, as calcificações das articulações, as calcificações das artérias, ocorre por essa carência de magnésio, as calcificações dos rins, oxalato de cálcio, cálculos, pedras de oxalato de cálcio nos rins é falta de magnésio, basta dar magnésio para o paciente, que ele derrete esses cálculos renais, que não seja os de urato e fosfato, que seja de oxalato de cálcio, aí é falta de magnésio.

Então, o magnésio é tão importante que o ‘Pier Dulbet’, esse médico que usava o magnésio para lavar as feridas, ele não sabia por que, mas no livro dele, depois que ele publicou em 1940, na guerra de 1914 à 1918 ele usava sem saber o porque, depois ele descobriu que o magnésio activava também o sistema imunológico, e a prova disso e que na Itália, na França, e no livro dele tem, o mapa do câncer e o mapa do magnésio, na metade sul da França que as terras tem quantidade de magnésio a mortalidade por câncer alcança 3,5%, aliás ele diz menos de 3,5, e no norte da França em que as terras são pobres de magnésio, mais de 8,5% das pessoas morem de câncer.

Agora na Itália é muito pior, a experiência, é interessantíssimo como um decreto de um César ainda vale até hoje e produz efeitos até hoje, tanta gente morrendo de câncer sem saber por quê. No livro do Professor ‘Pier Dulbet’ esse livro chama-se “ A Política Preventiva do Câncer” de ‘Pier Dulbet’, nesse livro ele tem a incidência de câncer do norte até o sul da Itália. Por um decreto em vigor ainda, de um imperador, de um dos Césares romanos era proibido transportar o sal de uma região para outra para não encarecer o sal, a finalidade era essa. Acontece que por causa disso, e como o norte da Itália é muito rico em minas de sal gema, sal na terra que tem só cloreto de sódio e zero em magnésio, zero, a incidência de câncer varia de 7% à 10%. No centro da Itália onde está a capital Roma, como o povo já usa sal do mar, mas, como tem mais poder aquisitivo, mais dinheiro, usa um sal que já aparece um pouquinho de magnésio 0,08% de magnésio, já cai essa incidência de câncer para 4, 4,5%. E no sul da Itália por pobreza o povo usa sal que ele dá para o gado, é a zona rural da Itália do sul, o sal que eles dão para o gado, é um sal riquíssimo em magnésio, mas que vira água, vira salmoura, então eles têm tinas em toda família italiana, tem uma tina de madeira em que eles põem o sal ali e usam aquele mesmo sal e quando ele vai virando água, ele vai usando aquela água mesmo e tempera a comida com aquilo, isso é milenar, é tradição deles, por causa disso no sul da Itália a incidência de câncer não chega a 2%, só por causa desse magnésio contido lá, isso tem no livro do professor ‘Pier Dulbet’ contando isso, foi por isso ele deu a maior importância.

É tirado, sabe de onde, vem esse cloreto? Do sal, lá da indústria de Barrilha, lá em e São Pedro da Aldeia, o sal, aquele sal que é produzido lá em Cabo Frio, eles tiram o magnésio para poder o sal virar, comercialmente ter mais valor, porque realmente, o sal, você não pode empacotar um sal carregado em magnésio, sal grosso, porque ele vai estourar aquele pacote, ele é altamente higroscópico (Que tem tendência para absorver a humidade do ar), então se tira o magnésio do sal, para que o sal possa ficar na prateleira dos mercados sequinho e não entupir os saleiros também, e tal, quanto mais seco o sal, menos magnésio, isto é, tirou o magnésio o sal fica mais caro, e, com menos magnésio, e, mais seco.

O cloreto de magnésio puro (Pa)

Lá nessa casa que eu compro, que é lá na Rua Miguel Couto, lá eles vendem como vem empacotado da fábrica lá de São Pedro da Aldeia, tem várias, agora já tem várias fabricas que estão tirando o magnésio do sal para vender o magnésio separado, né.

Dosagem do uso do magnésio.
Para preparar é a coisa mais simples 20g ou duas colheres de sopa das, um pouco mais do que rasa, um pouquinho acima, em um litro de água, dá uma solução muito boa, vamos dizer, que corresponde então em torno de 20g, e toma-se, se for preventivamente, não tiver nada, a pessoa não tiver nada, como suplemento alimentar, o que está faltando nos alimentos, tomar uma xícara de cafezinho por dia. Mas se a pessoa já tiver coluna com osteofítos, bicos de papagaio, artrose, joelho, toma 2 xícaras de cafezinho por dia desse cloreto de magnésio e ele vai eliminar essas calcificações todas que ocorrem, e em casos de cálculo renal, eu chego a dar 3três por dia, quando é cálculos de oxalato de cálcio, elimina esses cálculos, então é isso aí, já resolve uma quantidade de problemas.

Agora nas feridas, a gente para lavar as feridas não se usa essa solução forte de 20gr em 1 um litro da água, usa-se uma solução que fica isotónico, como é por exemplo o soro fisiológico, que fica 9 gr em 1 um litro da água, o soro fisiológico, né , que é com sal, cloreto de sódio, soro fisiológico, no caso do magnésio é 20gr em 2 litros de água, ou seria 10 gr em 1 um litro é que fica isotónico, em vez de 9gr que é o caso do sal, do cloreto de sódio é 10gr em um litro que fica isotónico, e essa solução é que serve para lavar as feridas, para infecções e tudo, funciona melhor do que esses desinfectantes, hipoclorina e mertiolate, todos eles, é um... porque além de funcionar como desinfectante ele estimula o sistema imunológico no local.

E nos casos das verrugas?

Para as verrugas se toma magnésio, as verrugas ocorrem por falta de magnésio na pessoa, a pessoa tem deficiência de magnésio e por isso esses vírus conseguem se multiplicar criando essas verrugas.

E se o cloreto ficar húmido dentro do frasco?

Não tem problema, nenhuma importância, o sal não tem tempo de validade, o magnésio não tem tempo de validade, é eterno.

Cálculos renais

A falta dele é que causa os cálculos renais, porque o cálcio se precipita e faz as fixações de oxalato de cálcio, aí o cálcio junto com batata, o tomate que tem ácido oxálico e gera, o espinafre, ácido oxálico, gera os cálculos renais de oxalato de cálcio.

Existem outros tipos de cálculos renais?
Existem os diuratos que as carne que produzem, o ácido úrico, e de fosfato que são de outros legumes que tem fosfatos, tem muito fósforo, agora, o oxalato é o contrário, a pessoa tem cálculo de oxalato por falta de magnésio, o motivo é esse...

O Cloreto de Magnésio freia as metástases do câncer?

Não, isso, frear, eu não digo; mas eu digo, pelo menos retarda, porque o câncer, como o que o Pierre Dulbert provou no livro dele, mas provou!, que o indivíduo recebe e usando uma quantidade suficiente de magnésio correntemente a vida inteira, ele tem a possibilidade de ter câncer incomparavelmente menor do que quem tem carência de magnésio, isso ele provou no livro dele, “ A política preventiva do câncer”, o título do livro.

Há contra-indicação para o uso do Cloreto de Magnésio?
O único caso que existe é se a pessoa tiver insuficiência renal, tiver por exemplo, em máquina de hemodiálise. Porque aí acumula, porque o Magnésio, o excesso, se elimina pela urina. Então não há possibilidade de haver excesso de magnésio porque o excesso sai pela urina, então não há problema. Agora se a pessoa não estiver urinando ...aí pode a passar de uma hipomagnesemia que é o comum que as pessoas usam, para uma hipermagnesemia, mas só se a pessoa não estiver urinando.

Dosagem Correta do Magnésio
Por exemplo, uma coisa errada que eles ensinam, esse magnésio que é vendido nas farmácias, 33gr, e mandam dissolver em 1 litro de água, aí está errado, aí, vai dar, pode ser laxante. Aí está realmente excessivamente concentrado, teria que ser 20 gr em 1 litro, ou essas de 33gr para quem compra nas farmácias, por que hoje todas as farmácias tem, aí em 1 ½ litro de água seria até um pouquinho mais, mais de 1 ½ litro para dar a mesma proporção.
----------------------------------------------------------------------------------------------------
 Magnésio contra os Diabetes(retirado do site estoubiem)
"Uma dieta rica em magnésio" pode diminuir significativamente o seu risco de desenvolver diabetes tipo 2", é o que afirma um estudo realizado por pesquisadores da University of North Carolina em Chapel Hill e publicado na revista Diabetes Care

"Aumentar a ingestão de magnésio pode ser importante para melhorar a sensibilidade à insulina, reduzindo a inflamação sistémica, e diminuindo o risco de diabetes", escreveram os pesquisadores.
Os investigadores compararam a ingestão de magnésio e as taxas de diabetes em 4497 pessoas que estavam livres do diabetes. Quando começaram o estudo as idades dessas pessoas variavam entre 18 e 30. Vinte anos depois ( que pesquisa longa! ), 330 dos participantes tinham desenvolvido diabetes tipo 2. Significa que o risco de diabetes foi de 47% mais baixo entre os participantes com a maior ingestão de magnésio do que entre aqueles com os mais baixos.

Além disso, os níveis de resistência à insulina e inflamação sistémica diminuíam à medida em que se aumentava a ingestão do magnésio.

Nessa pesquisa o consumo de magnésio era de aproximadamente 200mg por dia para cada 1.000 calorias consumidas. A ingestão dessa quantidade de magnésio vinha de alimentos juntamente com suplementos.
Apesar dessa pesquisa durar vinte anos, os investigadores disseram que mais pesquisas serão necessárias para compreender os mecanismos subjacentes ao efeito químico, e para se certificar de que o magnésio é o nutriente causandor da redução nas taxas de diabetes.

"Outras grandes ensaios clínicos serão necessários para estabelecer a inferência causal e elucidar os mecanismos por trás desse benefício potencial, escreveram eles.

O magnésio é conhecido por desempenhar um papel na regulação de determinadas enzimas que processam a glicose, e os estudos prévios têm vinculado maior consumo com menor risco de diabetes.

"A revista Diabetes Care publicou um estudo em que as mulheres obesas que consumiram grandes quantidades de magnésio tiveram 22% menos probabilidade de desenvolver diabetes tipo 2 do que as mulheres que consumiram quantidades menores", escreve Phyllis A. Balch no livro Prescription for Nutritional Healing, 4ª Edição.

Boas fontes alimentares de magnésio incluem grãos integrais, vegetais de folhas verdes e nozes.
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Magnésio - A Luz Da Vida 

No centro da molécula de clorofila, presente em todas as plantas, está um mineral essencial para a vida, o magnésio. É ele que captura a luz solar e a transforma em energia num processo conhecido como fotossíntese. É interessante notar que a clorofila é quase idêntica à hemoglobina, uma molécula presente no nosso sangue e responsável pela oxigenação dos tecidos – a diferença entre estas duas moléculas é que o átomo central da hemoglobina é o ferro, e o coração da clorofila é o magnésio.
Nas plantas é o magnésio que vai transformar a luz em alimento. Deste fato depende toda a vida na face da Terra. Se as plantas não tiverem magnésio, elas não são capazes de se nutrir através dos raios solares. Quando o magnésio está deficiente a planta definha, perde o viço e começa a morrer. Nós somos assim também – não poderíamos respirar, mover os músculos ou usar nosso cérebro sem magnésio suficiente em nossas células.

Enzimas E Energia 
A função principal do magnésio é na activação enzimática – este mineral está envolvido em mais de 350 reacções enzimáticas essenciais à vida, abrangendo todos os aspectos da fisiologia humana. Também tem acção directa na produção de ATP, a molécula de energia do nosso corpo, no funcionamento do músculo cardíaco, na formação de ossos e dentes, no relaxamento de vasos sanguíneos, na função intestinal, e em muitos outros órgãos e tecidos.
A ciência moderna e a medicina ignoram o magnésio. Milhares de dólares e euros são gastos em pesquisas de ponta para descobrir novos medicamentos, e o que é simples e eficaz é desprezado. Os médicos na sua quase totalidade não prescrevem magnésio e desconhecem o seu real potencial na cura e prevenção de inúmeras doenças e sintomas.

Magnésio No Corpo
Aproximadamente 60% do magnésio está armazenado nos ossos, 26% nos músculos, e os 14% restantes estão distribuídos pelos outros tecidos e fluidos corporais. Há uma alta concentração de magnésio nos órgãos mais activos metabolicamente, como o cérebro, coração, fígado e rins. O magnésio é tão precioso para o corpo que fica quase todo guardado dentro das células, no compartimento intracelular. Somente 1% do nosso magnésio total circula pelo sangue.
Por esta razão quando o médico solicita a dosagem de magnésio no sangue, ele vai ter uma ideia errónea da situação real. Quase sempre o magnésio se encontra dentro dos níveis de referência considerados normais.
Se o magnésio presente no sangue estiver baixo, isto  significa que a situação está crítica e há uma  deficiência cronica e perigosa. Na verdade a deficiência  de magnésio deve ser medida pelos sinais e sintomas que o  indivíduo apresenta, e as estimativas são de que 80% da população têm carência de magnésio. 

Pesquisas
No PubMed, um site que publica pesquisas médicas indexadas, pode-se encontrar alguns milhares de estudos científicos sobre os benefícios de vários compostos de magnésio na saúde humana, abrangendo enxaqueca, depressão, ansiedade, insónia, dor, memória, hipertensão arterial, e muitos outros mais, demonstrando a impressionante versatilidade deste mineral curativo. 

Sinais E Sintomas
 A deficiência de magnésio pode ser detectada a partir de queixas, desconfortos e diversas doenças presentes no indivíduo:
• ansiedade e pânico
• depressão
• insónia
• nervosismo
• hiperactividade
• desordem de atenção
• doença cardíaca
• trombose
• hipertensão arterial
• batimentos irregulares
• doença hepática
• doença renal
• cálculos
• cistites de repetição
• diabetes
• síndrome metabólica
• hipoglicemia
• fadiga crónica
• doenças intestinais
• constipação
• soluços
• asma
• pré-eclampsia e eclampsia
• tensão pré-menstrual
• infertilidade
• cólica menstrual
• osteoporose
• cárie dental
• câimbras
• dores musculares
• espasmos musculares
• fraqueza muscular
• enxaquecas
• dor lombar
• envelhecimento precoce
• stress.
Tipos de Magnésio
O magnésio é um sal mineral e está presente na natureza sempre associado a outras moléculas orgânicas ou inorgânicas, como minerais e aminoácidos. Alguns exemplos:
• cloreto de magnésio
• citrato de magnésio
• aspartato de magnésio
• óxido de magnésio
• carbonato de magnésio
• orotato de magnésio
• sulfato de magnésio
• gluconato de magnésio.
Por Que CLORETO DE MAGNÉSIO?
Tanto o magnésio quanto o cloro tem grande importância na manutenção da saúde e vitalidade. O cloro é necessário para a produção de grandes quantidades diárias de suco gástrico, usado para digerir os alimentos que ingerimos, e activa enzimas responsáveis pela pré-digestão dos amidos. O magnésio, além de tudo o que foi dito acima, também age no rejuvenescimento ao prevenir a calcificação dos nossos vasos, órgãos e tecidos, um processo característico da degeneração corporal ligada ao envelhecimento.
Se optarmos por outros sais de magnésio, o corpo vai despender energia extra para converte-los em cloreto de magnésio. Para absorver o óxido ou carbonato de magnésio o corpo vai precisar produzir uma quantidade extra de ácido clorídrico. Em indivíduos idosos, especialmente com doenças cronicas ou em uso de medicamentos que controlam a acidez estomacal, a produção de ácido clorídrico é insuficiente, o que dificulta a absorção destes outros sais de magnésio. Neste caso os íons de cloro são absolutamente necessários para permitir a assimilação do magnésio.
Mais Benefícios 
Pierre Delbet
Pierre Delbet
Além disso, o cloreto de magnésio tem uma ação no combate de infecções, tanto via oral como tópica. Em 1915, um cirurgião francês, Pierre Delbet, descobriu que a aplicação de uma solução de cloreto de magnésio em feridas externas tinha um efeito estimulante na actividade leucocitária e na fagocitose, o que acelerava a cicatrização e prevenia a infecção do ferimento. Seu interesse foi tão grande que ele começou a pesquisar e  descobriu sua acção imunoestimulante e tonificante geral quando tomado por via oral. Muitos outros pesquisadores, anos depois, chegaram às mesmas conclusões. 

Concluindo
O tratamento com cloreto de magnésio visa a suprir deficiências nutricionais sistémicas, a melhorar o funcionamento de nossas células e do sistema imunológico, além de proteger as células do dano oxidativo.

Os “Milagres Científicos” da Medicina  
Apesar de toda a fortuna investida pelos grandes laboratórios na busca de medicamentos fabulosos e mirabolantes, no século 21 a humanidade continua sendo vitimada por doenças crónicas e degenerativas cuja incidência aumenta cada vez mais. Diabetes, doença cardíaca, câncer, obesidade, doenças neurológicas, depressão, osteoporose – estas pragas modernas explodem e fogem do controle de autoridades médicas, sanitárias e governamentais, e o pior é que eles estão perdidos e confusos sobre fatos básicos ligados à saúde. 

A Simplicidade Do Magnésio 
Se estes pesquisadores abrissem um pouco os olhos veriam que a base da verdade científica na medicina está no magnésio, pois ele está no centro exacto da vida biológica, assim como o ar e a água. Simples assim. Sem o magnésio nosso corpo colapsa, entra em pane, perde a energia, não consegue efectuar reparos aos danos sofridos. O cloreto de magnésio pode ser considerado como uma solução médica milagrosa para a humanidade. Quando os níveis celulares baixos são corrigidos é isso que parece, que um milagre ocorreu. Inúmeras queixas se vão sem nenhum dos remédios modernos, que intoxicam e não cumprem o papel de curar. 

O Coração E O Magnésio 
Durante e logo após um enfarte acontecem alguns eventos, a saber:
- aumento do dano ao coração devido à concentração de íons de cálcio no músculo cardíaco,
- formação de coágulos que podem bloquear os vasos coronários,
- redução do fluxo de sangue porque os vasos sanguíneos entram em espasmo, ocorrido no músculo cardíaco, produzindo contracções defeituosas.

Acção Do Magnésio 
- dilata os vasos sanguíneos,
- neutraliza a ação do cálcio, prevenindo o vaso espasmo,
- ajuda a dissolver os coágulos,
- reduz dramaticamente o tamanho do dano cardíaco e previne a arritmia,
- age como um antioxidante contra a acção dos radicais livres no local afectado pelo enfarte.
Atenção: quando se usa medicamentos para o coração, principalmente diuréticos para reduzir a pressão arterial, ocorre uma depleção de magnésio, que é eliminado junto com o potássio. O magnésio é essencial para estabilizar a actividade do músculo cardíaco.

Insulina E Magnésio 
O magnésio é necessário para a produção de insulina pelo pâncreas, e também ajuda na sua função de metabolizar a glicose sanguínea. Há uma interacção entre o mineral e a hormona – é a insulina que transporta o magnésio para o interior das células.
Em um estudo feito no Gonda Diabetes Center, na Califórnia, 16 voluntários saudáveis foram colocados numa dieta deficiente em magnésio, e a sua insulina tornou-se menos eficiente em mover a glicose do sangue para as células, onde ela é utilizada como fonte de energia ou armazenada para uso futuro. Por outro lado, quando ocorre a resistência insulínica, primeiro passo no caminho do diabetes tipo 2, ou quando nosso corpo já não produz insulina suficiente, nós não conseguimos estocar o magnésio dentro das células, que é onde ele deve estar, e os rins simplesmente excretam o magnésio circulante no sangue.
Esta relação íntima entre magnésio e insulina determina o status de nossa saúde.
Magnésio e insulina precisam um do outro, e nós precisamos dos dois. Níveis baixos de magnésio intracelular e no sangue estão associados com a resistência insulínica, com intolerância à glicose, e com a redução da secreção de insulina pelo pâncreas.

Diabetes, Doença Cardíaca E Magnésio
O magnésio intracelular ajuda a relaxar os músculos, e se nós não conseguimos estocar magnésio, ele vai ser eliminado via urina, o que vai fazer com que os vasos sanguíneos fiquem contraídos, aumentando a pressão arterial e reduzindo o nosso nível de energia. Assim podemos perceber claramente a intima relação entre o diabetes e a doença cardiovascular.

Ansiedade, Depressão, Stress E Magnésio
É cada vez mais comum e mais banalizado o uso de drogas psiquiátricas contra a depressão, ansiedade, stress e outros sintomas mentais, como o pânico, a compulsão alimentar, as dependências de álcool e tabaco, e fobias diversas. Drogas pesadas com inúmeros efeitos colaterais, causadoras de dependência e que não curam o problema. Estes sintomas podem estar ligados a uma deficiência de magnésio.
As pessoas não apresentam depressão ou ansiedade porque o corpo tem deficiência de Valium ou Prozac, ou outros medicamentos do mesmo tipo. Estas drogas não são usadas pelo nosso corpo nos importantes processos metabólicos, ao contrário do magnésio, cuja deficiência pode levar ao aparecimento de sintomas na esfera psicológica.
O magnésio relaxa o sistema nervoso por diversos mecanismos. Além de agir na musculatura contraída, ele também é bloqueador natural de um receptor cerebral chamado NMDA. Este receptor é estimulado pelo cálcio levando a uma hiperexcitação do cérebro, com irritabilidade, ansiedade, depressão e stress. O magnésio age como antagonista, impedindo esta hiperexcitação, ajudando a acalmar o sistema nervoso.

Osteoporose E Magnésio
Existem aproximadamente 18 nutrientes essenciais para ossos fortes e saudáveis, incluindo o magnésio. É um grande erro suplementar somente o cálcio quando se quer tratar ou prevenir a redução da densidade óssea.
O cálcio domina soberano o tratamento da osteoporose, e os médicos receitam este mineral sem ter a mínima idéia das consequências bioquímicas do desequilíbrio que estão ajudando a causar. Se houver deficiência de magnésio, este cálcio, em vez de se fixar no osso, vai se depositar em tecidos moles como as juntas, causando artrite, ou nos rins, contribuindo para a formação de cálculos renais, ou ainda nos vasos do coração, levando ao entupimento das coronárias e enfarte.

O Magnésio Tem Múltiplas Funções No Metabolismo Ósseo
- níveis adequados de magnésio são essenciais para a absorção e utilização do cálcio.
- o magnésio estimula a produção de calcitonina, uma hormona que ajuda a preservar a estrutura óssea e retira o cálcio excedente da circulação sanguínea e dos tecidos moles, fixando-o no osso.
- também suprime a acção de outra hormona  ligada ao metabolismo ósseo, o paratormona, reduzindo a reabsorção óssea.
- o magnésio é necessário para converter a vitamina D inactiva na sua forma activa, o que ajuda a aumentar a absorção de cálcio.
- as reacções enzimáticas necessárias para formação de osso novo são magnésio dependentes.

Equilibrando Cálcio E Magnésio
Pesquisadores finlandeses associaram uma altíssima incidência de casos de enfarte e osteoporose no país a uma dieta em que a proporção entre cálcio e magnésio é de 4 para 1. Isto ocorre também nos Estados Unidos, onde a proporção é de 5 partes de cálcio para 1 parte de magnésio.
A conclusão é que a nossa alimentação tem grande ênfase no cálcio sem o cuidado de equilibrar o magnésio. A preocupação com a osteoporose e a suplementação de pílulas de cálcio aumenta ainda mais este desequilíbrio entre os dois minerais.
O correto seria manter a proporção em no máximo 2 partes de cálcio para 1 parte de magnésio. Na dieta do homem paleolítico esta proporção era de 1 para 1. Mesmo uma pequena deficiência de magnésio torna-se um grande factor de risco para o desenvolvimento da osteoporose.
Se existe muito cálcio no corpo, especialmente proveniente da suplementação do cálcio, há uma grande redução na absorção do magnésio, o que piora ainda mais o quadro da osteoporose. Este cálcio que não se fixa no osso é chamado de cálcio patológico, e vai se depositar nos tecidos moles causando diversas doenças, já citadas acima.

Comendo Magnésio
Como melhorar a alimentação para obter mais magnésio?
O teor de magnésio de todas as folhas verdes, nozes e sementes, grãos e leguminosas, é dependente da qualidade do solo. Seria muito importante que este solo fosse rico em magnésio, o que não ocorre de modo geral, porque os fertilizantes utilizados são à base de nitrogénio, fósforo e potássio, que fazem a planta crescer muito e parecer saudável, mas a depleção crónica de minerais essenciais no solo empobrece os nossos alimentos. E por isso vivemos num estado carencial crónico, cujas consequências são mais evidentes à medida que envelhecemos.

Suplementando Magnésio
Se 80% da população é deficiente em magnésio, está na hora de suplementar o magnésio. E o cloreto de magnésio é uma forma barata, segura e eficaz de se obter ou recuperar a boa saúde. Quem mais precisa deste mineral:
  • idosos;
  • diabéticos e pré-diabéticos;
  • pessoas em dietas restritivas;
  • uso crónico de bebidas alcoólicas;
  • usuários de medicamentos para o coração;
  • usuários de anti-ácidos;
  • praticantes de actividade física intensa;
  • hipertensos
  • portadores de osteoporose
  • portadores de doenças cardíacas grande e stress mental
Quanto Magnésio Tomar?
O cloreto de magnésio em pó (PA) deve ser diluído em água filtrada ou mineral. Para 1 litro de água coloque 2 colheres de sopa rasas, o equivalente a 20 gramas de cloreto de magnésio. Misture até dissolver e guarde na geladeira.
A dose básica a ser tomada é 50 ml (1 xícara pequena de café) 1 a 2 vezes por dia.
Para o tratamento de deficiências mais sérias esta dose pode ser aumentada para 3 a 4 vezes por dia. Se houver qualquer reacção adversa, como diarreia, náusea, sonolência, aumento/diminuição da pressão,etc. reduza as doses ou tome dia sim/dia não. Depois volte a tomar a dosagem necessária.
Para a limpeza de feridas a proporção é de 1 colher de sopa rasa em 1 litro de água filtrada ou fervida.

Texto: Dra. Tamara Mazaracki
Graduação em Medicina – UNIRIO
Membro da Associação Brasileira de Nutrologia - ABRAN
Título de Especialista em Nutrologia - Associação
Médica Brasileira - AMB
Pós-Graduação em Terapia Ortomolecular, Nutrição
Celular e Longevidade - Faculdade de Ciências da Saúde de
São Paulo - FACIS-IBEHE
Obs.: Não precisa beber puro, pode acrescentar o líquido que preferir (água, sucos, refrescos) 
http://www.autohemoterapiaportugal.com/p/magnesio.html
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário