13 de dez de 2016

Educação não é moldar a criança

Posted by Semeando Paz on 13.12.16No comments


A educação correta não está interessada em ideologia alguma, por mais promissora que seja uma futura Utopia; não se baseia em sistema algum, por mais escrupulosamente que tenha sido concebido; não é, tampouco, um meio de condicionar o indivíduo de determinada maneira. Educação no sentido verdadeiro, é ajudar o indivíduo a tornar-se um ente amadurecido e livre, para "florescer ricamente em amor e bondade". Nisso é que devemos estar interessados, e não, em moldar a criança de acordo com um padrão idealista.

Todo método de classificar as crianças segundo seus temperamentos e aptidões põe em relevo suas diferenças, cria antagonismo, fomenta divisões na sociedade e não ajuda a produzir entes humanos integrados. É bem evidente que nenhum método ou sistema pode promover a educação correta, e a estrita aderência a determinado método denota a indolência da parte do educador. Enquanto a educação se fundar em princípios rígidos, poderá produzir homens e mulheres proficientes, mas nunca formará entes humanos criadores.

Só o amor pode despertar a compreensão para com outrem. Quando há amor, há comunhão instantânea com outra pessoa, no mesmo nível, ao mesmo tempo. Porque somos tão áridos, vazios e sem amor é que deixamos os governos e os sistemas se encarregarem da educação de nossos filhos e da direção de nossas vidas; mas os governos precisam de técnicos eficientes e não de entes humanos, pois que estes se tornam perigosos para os governos — assim como para as religiões organizadas. É por isso que os governos e organizações religiosas têm interesse em controlar a educação.

A vida não pode ser posta em conformidade com um sistema, não podemos metê-la à força num molde, por melhor que este tenha sido concebido; e a mente que só se exercita no saber positivo, é incapaz de compreender a vida na sua variedade e sutilidade, nas suas profundezas e grandes alturas. Quando educamos nossos filhos de acordo com um sistema de pensamento ou uma determinada disciplina, quando os ensinamos a pensar "especializadamente", impedimos que eles se tornem homens e mulheres integrados, e por isso são incapazes de pensar inteligentemente, isto é, de encarar a vida como um todo.

A mais alta função da educação consiste em produzir um indivíduo integrado, capaz de entrar em relação com a vida como um todo. O idealista, tal como o especialista, não está interessado no todo, mas apenas na parte. Não poderá haver integração, enquanto estivermos interessados em algum padrão ideal de ação; e a maioria dos preceptores, que são idealistas, repudiaram o amor; suas mentes são áridas e seus corações insensíveis.

(...) Outra finalidade da educação é a de criar novos valores. Inculcar, simplesmente, na mente da criança os valores prevalescentes, fazê-la ajustar-se a ideais, é condicioná-la, sem despertar-lhe a inteligência. A educação está estreitamente ligada à presente crise mundial, e o educador que percebe as causas deste caos universal deve perguntar a si mesmo como despertar a inteligência do estudante e contribuir, deste modo, para que a geração futura não produza novos conflitos e desastres. Deve consagrar todo o seu pensamento, todo o seu desvê-lo e cuidado à criação do ambiente adequado e ao desenvolvimento da compreensão, para que, atingindo a madureza, a criança seja capaz de atender inteligentemente aos problemas que a vida lhe oferecer. Mas, para fazê-lo, precisa o educador compreender a si mesmo, em vez de confiar em ideologias, sistemas e crença.

Deixemos de lado os princípios e os ideais e interessemo-nos pelas coisas tais como são; o estudo do que é desperta a inteligência, e a inteligência do educador é muito mais importante do que seu conhecimento de um novo método de educação. Quando seguimos um método, ainda que tal método haja sido elaborado por pessoa sensata e inteligente, ele se torna tão importante que as crianças são consideradas importantes apenas quando se ajustam a ele. Tomamos as medidas da criança, classificamo-la e passamos a educá-la de acordo com um gráfico, um plano. Esse processo de educação pode ser muito conveniente para o preceptor, mas nem a prática de um sistema, nem a tirania da opinião e do saber podem produzir um ser humano integrado.

A educação correta consiste em compreender a criança tal como é, sem lhe impor nenhum ideal relativo ao que pensamos que ela "deveria ser". Enquadrá-la em um ideal é induzi-la a adaptar-se, o que gera temor e produz na criança um conflito constante entre o que ela é e o que "deveria ser". E todos os conflitos interiores têm suas manifestações exteriores na sociedade. os ideais constituem verdadeiro obstáculo à nossa compreensão da criança e a compreensão de si própria, pela criança.

O pai, que deseja de verdade compreender o filho, não o olha através da cortina de um ideal. Se ama o filho, observa-o, estuda-lhe as tendências, disposições e peculiaridades. Só quando não temos amor à criança lhe impomos um ideal, porque então pretendemos ver realizadas nela nossas próprias ambições e queremos que ela seja isso ou aquilo. Quem ama não o ideal, mas a criança, tem a possibilidade de ajudá-la a compreender-se a si própria, tal como é.

(...) para ajudar a criança, necessitamos de tempo para estudá-la e observá-la, e isso requer paciência, amor e carinho; mas, quando não temos amor, quando não temos compreensão, forçamos a criança a agir de acordo com um padrão a que chamamos "ideal".

Os ideais constituem escapula muito conveniente, e o preceptor que os segue é incapaz de compreender os seus discípulos e de cuidar deles inteligentemente; para ele o ideal do futuro, "o que deve ser ", é muito mais importante do que a criança atual. A fidelidade a um ideal exclui o amor, e sem amor nenhum problema humano pode ser resolvido.

O bom preceptor não confiará em método algum, estudará cada um dos seus discípulos individualmente. Nas relações que mantemos com as crianças e os adolescentes, não devemos encará-los como máquinas, passiveis de "endireitar" num instante, mas como seres vivos, impressionáveis, volúveis, sensíveis, medrosos, afetivos; e no trato com eles necessitamos de muita compreensão, da força da paciência e do amor. Quando carecemos dessas qualidades, recorremos a remédios prontos e fáceis, esperando resultados automáticos e maravilhosos. Quando somos desatentos, mecânicos em nossas atitudes e ações, eximimo-nos de todo e qualquer mister que nos pareça incômodo e que não possamos executar automaticamente; esta é uma das principais dificuldades na educação.

A criança tanto é resultado do passado como do presente, e como tal já está condicionada. Se lhe transmitimos nossa própria mentalidade, perpetuamos tanto o seu como o nosso condicionamento. Só há transformação radical se compreendemos nosso próprio condicionamento e nos livramos dele. Discutir sobre o deve ser educação correta, enquanto estamos condicionados, é totalmente fútil.

Enquanto as crianças são muito novas, devemos, é claro, protegê-las contra danos físicos e não deixar que se sintam fisicamente inseguras. Mas, infelizmente, não paramos aí; queremos formar suas maneiras de pensar e de sentir, queremos moldá-las de acordo com nossas próprias aspirações e intentos. Queremos preencher-nos em nossos filhos, perpetuar-nos através deles. Erguemos muralhas em redor deles, condicionamo-los a nossas crenças e ideologias, temores e esperanças — e depois choramos e rezamos quando morrem ou ficam mutilados nas guerras, ou quando as experiências da vida lhes infligem sofrimentos.

Essas experiências não trazem liberdade alguma;ao contrário, fortificam a vontade do "eu". O "eu" se constitui de uma série de reações defensivas e expansivas, e seu preenchimento está sempre em suas próprias projeções e agradáveis identificações. Enquanto traduzimos a experiência em termos relativos ao "eu", a "mim", ao "meu"; enquanto o "eu", o "ego", se mantiver por meio de suas reações, a experiência não pode ser livre de conflito, confusão e dor. A liberdade vem quando compreendemos a natureza do "eu", do "experimentador". Só quando o "eu", com suas reações acumuladas, não é mais o "experimentador", a experiência assume um significado inteiramente diferente e se transforma em criação.

Para ajudar a criança a libertar-se dos ditames do "eu", causadores de tantos sofrimentos, cada um de nós deverá modificar profundamente sua atitude e suas relações com a criança. Os pais e os educadores podem, com seu próprio entendimento e conduta, ajudar a criança a ser livre e a florescer em amor e bondade.

A educação, no seu estado atual, não favorece de maneira alguma a compreensão das tendências hereditárias e das influências ambientais, que condicionam a mente e o coração e sustentam o temor; por conseguinte, ela não nos ajuda a romper esses condicionamentos, para produzir um ente humano integrado. Qualquer forma de educação que só atenda a uma parte e não à totalidade do homem, conduz, inevitavelmente, a conflitos e sofrimentos cada vez maiores.

Só na liberdade individual pode florescer o amor e a bondade; e só a educação correta pode oferecer essa liberdade. Nem o ajustamento à sociedade atual nem a promessa de uma futura Utopia pode, em tempo algum, dar ao indivíduo aquele discernimento, sem o qual ele está sempre criando problemas.
O verdadeiro educador, que percebe a natureza intrínseca da liberdade, ajuda cada um dos seus discípulos, individualmente, a observar e compreender os valores e ilusões por ele próprio (discípulo) criados e "projetados"; ajuda-o a se tornar cônscio das influências condicionantes que o cercam, bem como dos seus próprios desejos, que limitam a mente e geram o temor; ajuda-o, no caminho para a virilidade, a observar e a compreender a si próprio em relação a todas as coisas, porque a ânsia de realizar nosso próprio preenchimento é a causadora de conflitos e tribulações infindáveis.

É certo que se pode ajudar o indivíduo a perceber os valores perenes da vida, sem condicioná-lo... A confusão que já existe no mundo surgiu porque o indivíduo não foi educado para compreender a si próprio. Deram-lhe alguma liberdade superficial, mas também lhe ensinaram a ajustar-se, a aceitar valores prevalecentes.

Contra estar "arregimentação", muitos estão insurgindo; esta revolta, infelizmente, é mera reação egoística, que ensombra mais ainda a nossa existência. O verdadeiro educador, cônscio da tendência da mente para a reação, ajuda o discípulo a alterar os valores atuais, não por meio da reação contra eles, mas pela compreensão do processo total da vida. A plena cooperação entre um homem e outro não é possível sem a integração, que a educação correta pode contribuir para o despertar do indivíduo.

Krishnamurti – A educação e o significado da vida
http://adultosadulteradosadulterantes.blogspot.com.br/
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário