1 de ago de 2015

Sentimentos Falsos - texto do fanzine Pençá, nº 5

Posted by Semeando Paz on 1.8.15 1 comment



Casa por cima de casa, becos, escadas, passagens pra todo lado. Nas partes mais inclinadas, uma floresta de vigas de concreto lembra árvores, com a folhagem de tijolos. Lages, casas, puxadinhos, quartos, degraus irregulares entre calçadas e valas. Aqui nunca veio um engenheiro, foi tudo feito e construído por operários, peões, gente pobre de todos os tipos que constrói por conta própria. O peão não depende do engenheiro pra fazer sua casa. Já o engenheiro não constrói sem o peão, sem o operário. Depende dos "menos qualificados". Mas ele se sente superior, enquanto o peão se sente inferior. Sentimentos fabricados, artificiais, sem razão real de ser. ("Não há saber mais ou saber menos; há saberes diferentes" - Paulo Freire)

Tudo o que se come é plantado e cuidado por mãos pobres. Colhem, trazem, preparam. Mãos pobres costuram tudo o que se veste, fazem os sapatos, as calçadas, põem o asfalto nas ruas, constróem tudo o que se vê, casas, hospitais, escolas, clubes, mansões, parques, praças, barracos,... Mãos pobres põem a sociedade pra funcionar, ligam as máquinas, limpam, preparam, carregam. São mãos pobres que buscam doentes e feridos pra serem atendidos e cuidados em primeiro lugar por mãos pobres. Elas enterram os mortos. Os pobres são a base de toda a sociedade. Sem eles, nada funciona.

Apesar disso, o mais pobre é levado a se sentir inferior. E o rico, que depende de pobre pra tudo, se sente superior. Sentimentos falsos, implantados pela mídia, pela cultura do consumo, pra que a gente se submeta conformada a uma vida massacrante, à exploração, sem perceber sua importância na estrutura social, acreditando valer pouco ou nada. Impotência planejada.

O medo dos poucos "de cima" é os muitos "de baixo" começarem a pensar por conta própria e verem, com olhos próprios, a realidade além do que é mostrado. A estrutura social, pra se manter como está, precisa de ignorância e desinformação, de miséria e abandono - pra que se aceite, por medo, a exploração e a vida sem sentido, ou com o sentido vazio do consumo. Precisa do medo que paralisa, dos entretenimentos que ocupam o tempo e o pensamento e dos desejos de consumo que desviam a atenção.

A união, a cooperação e a consciência das populações é o pesadelo das elites e a libertação dos povos.

Observar e absorver

Reações:

Um comentário:

  1. Ola Ju td bem?
    Vim fazer uma visita a ti
    Aqui td belo como sempre teu gosto sempre fino para posts e imagens
    Saudades amada saudades
    Fica na paz
    Abaracho de uixo ah tem xoiveti de coco blanco aqui rsrsrs
    Bjs no core lindo que tu tens

    ResponderExcluir