15 de nov de 2014

ALERTA TOTAL: ONU soa o alarme no surgimento de 'robôs assassinos' autônomos

Posted by Semeando Paz on 15.11.14No comments







RT 
Com a proliferação de sistemas de armas letais, cada vez mais capaz de realizar missões distantes com supervisão humana mínima, a ONU está a regulamentação sobre as máquinas de matar exigente.
Estados membros da ONU na quinta-feira alertou, durante a Convenção anual sobre Armas Convencionais (CCW), em Genebra, que os sistemas de armas autônomas que caracterizam a tecnologia mortal, vai aumentar violações do direito internacional e humanitário.
Restrições à tecnologia assassino zangão cai sob a chamada "Convenção sobre Certas Armas Convencionais" - uma sub-seção da Convenção de Genebra. No entanto, muitos cidadãos já foram vítimas de ataques de drones.
Em dezembro de 2013, por exemplo, um ataque dos Estados Unidos no Iêmen matou 15 pessoas em seu caminho para um casamento. Paquistão, por sua vez, estima ter sofrido mais de 3.200 mortes zangão da greve , desde 2004, 175 dessas mortes são crianças.
Os delegados vão votar por consenso na sexta-feira à tarde se vai continuar no próximo ano com as negociações multilaterais sobre questões relativas aos "sistemas de armas letais autônomos". A conferência de Genebra sobre CCW foi o segundo conjunto internacional este ano para discutir o aumento de armas letais autônomos.
Durante a sessão anterior da ONU sobre armas autônomas, Christof Heyns, relator especial sobre execuções extrajudiciais, sumárias ou arbitrárias, disse que a tecnologia deve ser banida. "As máquinas não têm moralidade e mortalidade, e como resultado não deve ter poderes de vida e morte sobre os seres humanos, ", disse.
Human Rights Watch abordou o organismo internacional na quinta-feira, avisando que o tempo estava a esgotar-se em abordar a questão desta tecnologia mortal, já responsável pela morte de centenas de civis inocentes.



"Há um senso de urgência sobre como lidamos com robôs assassinos. A tecnologia está correndo à frente ", disse.
Outra organização, a Campanha para parar Killer Robots, enviou uma carta para a conferência da ONU que apelou aos líderes para "preventivamente banir as armas que iria selecionar e atacar alvos sem intervenção humana."
"Nós temos muitas preocupações com essas armas totalmente autônomos, mas talvez a nossa preocupação mais importante é com a noção de permitir uma máquina para tirar uma vida humana no campo de batalha ou na aplicação da lei e outras situações", disse a carta.
Esta semana, o New York Times relatou que a Grã-Bretanha, Israel e Noruega são "já implantando mísseis e aviões que realizam ataques contra radar inimigo, tanques ou navios sem controle humano direto." Após o lançamento, os veículos aéreos sensores a bordo escolher automaticamente alvos.
Enquanto isso, a Lockheed Martin está desenvolvendo um chamado Long Range Anti-Ship Missile, que é lançado por um bombardeiro B-1 e é projetado para destruir seu alvo com uma quantidade mínima de controle humano. O míssil é projetado para viajar para "a centenas de quilômetros, manobrando por conta própria para evitar radar, e fora de contato por rádio com os controladores humanos", o artigo do Times observou.
De acordo com o Bureau of Investigative Journalism, de 746 pessoas listadas como mortas em ataques de drones da CIA entre janeiro de 2006 e outubro de 2009, pelo menos 147 dos mortos são relatados para ser civis. Desse número de vítimas fatais, 94 são considerados crianças.
FONTES:
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário