5 de ago de 2014

As terras contaminadas do Templo de Salomão

Terras contaminadas da USP Leste eram de Templo de Salomão. O envio de material contaminado foi feito em mais de 6 mil viagens de caminhão e teve autorização do diretor da EACH, Jorge Boueri Filho

terras contaminadas templo salomão usp
Terras contaminadas da USP eram do Templo de Salomão, diz MP (Pragmatismo Político)
Um inquérito do Ministério Público Estadual revelou que o depósito ilegal de terras na USP campus Leste foram retiradas do “Templo de Salomão”, da Igreja Universal do Reino de Deus, no bairro do Brás.
A obra faraônica que custou R$ 680 milhões foi inaugurada ontem (31) e ocupa uma quadra inteira na região do Brás, em São Paulo. O Templo de Salomão é quase o dobro de altura do Cristo Redentor.

O envio de terras contaminadas foi feito em mais de 6 mil viagens de caminhão, no período compreendido entre outubro de 2010 e outubro de 2011. Os depoimentos colhidos pela Promotoria do Meio Ambiente mostram que o então diretor da EACH, Jorge Boueri Filho, autorizou todas as operações do aterro ilegal.

Lixo orgânico

Na semana passada, a Justiça de São Paulo liberou a volta das aulas no campus da USP Leste, localizado em Ermelino Matarazzo, na Zona Leste. A decisão foi tomada a partir de um parecer técnico da Cetesb (Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental), órgão que deu aval para a liberação do uso do prédio. A área estava interditada desde 9 de janeiro, devido à contaminação do solo.
O local, onde o campus da Zona Leste foi construído, habitava um lixão de lixos orgânicos, antigamente. Entretanto, ao passar do tempo, este tipo de material começa a se decompor e expele o gás metano, o qual é tóxico e explosivo. Alunos, professores e funcionários fizeram uma greve em 2013 por conta desta contaminação. A paralisação durou 50 dias e a rotina normal da universidade voltou em 29 de outubro.
Relembre o caso no link a seguir com reportagem de março deste ano - Inquérito do MPE traz revelações estarrecedoras
com GGN e Diário de São Paulo
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário