18 de jul de 2014

Homens, cuidado com esta Substância Tóxica na Comida e Meio Ambiente

Posted by Semeando Paz on 18.7.14No comments
Foto: Will Fuller/Flickr
A existência de produtos químicos tóxicos em nosso ambiente e, especialmente, na nossa alimentação deve ser de grande preocupação para todos. No entanto , o quarto artigo da série Reality Chemical vai se concentrar em uma substância tóxica que afeta os homens em particular. Seu nome é Atrazina. É produzido pela Big Chem, mais especificamente, a Syngenta.
Se você nunca ouviu falar sobre a atrazina e como ela degrada a saúde humana e a do meio ambiente, é hora de prestar atenção, porque esta substância é tão má como o bisfenol-A e a dioxina, os dois compostos sobre os quais escrevi nos dois artigos anteriores.
A atrazina é um produto químico tão venenoso, que o seu fabricante pagou US $ 105 milhões em um acordo judicial que alegava que a toxicidade da atrazina ameaçava o meio ambiente através da contaminação das fontes de água. O dinheiro pago pela Syngenta foi usado para tratar os sistemas de água contaminados por atrazina .
Vamos entender o que, exatamente, é a atrazina e como este produto químico está nos envenenando.
A atrazina é um herbicida usado para combater o crescimento de ervas daninhas de folha larga nas plantações. Ela é usado em muitas, se não todas as culturas que são produzidas em grandes quantidades (como milho, soja, cana de açúcar e outros), a fim de aumentar a produtividade . Assim como também é encontrada na grama, como em casas, estádios e campos de golfe. A ameaça mais significativa da Atrazina diz respeito a sua capacidade de contaminar os lençóis de água, uma vez que filtra através do solo para as reservas de água subterrâneas. Mas, a atrazina também permanece no solo, grama e cultivos. Mesmo depois de drenar para o solo, resíduos de atrazina permanecem na grama e em plantas, que são, posteriormente, comidos por animais e insetos.
Os níveis de atrazina no meio ambiente têm aumentado em todos os lugares, exceto nos lugares onde proibiram o uso do pesticida / herbicida. Como você já deve ter adivinhado, os Estados Unidos é o país com o maior uso de atrazina e, na Europa, é o lugar onde o produto químico foi amplamente proibido devido à sua toxicidade.
Já que defender o indefensável é caro, Syngenta e outras empresas químicas não gostam quando alguém descobre que seus produtos químicos são prejudiciais, pois isso significa que eles poderiam ser obrigados a retirá-los do mercado, fazendo com que suas empresas percam milhões de dólares em lucros. O modus operandi de empresas como a Syngenta é perseguir as pessoas que denunciam e fazê-las se calarem. Esse é o caso de Tyrone Hayes, um cientista que passou 15 anos estudando a atrazina. O resultado de sua pesquisa demonstrou que esse herbicida é, de fato, um produto químico tóxico .
Depois de trabalhar na Syngenta no estudo da atrazina, Hayes deixou seu trabalho, decidiu trabalhar de forma independente e foi aí que começou a ser assediado pela Syngenta . Conforme relatado pelo The New Yorker“, representantes da Syngenta o seguiam em conferências por todo o mundo. Ele temia que a empresa estava orquestrando uma campanha para destruir sua reputação. “O trabalho de Hayes levou 23 cidades norte-americanas a processarem Syngenta por esconder a ameaça da atrazina para as reservas de água. Depois do acordo judicial com a Syngenta, centenas de memorandos, notas e e-mails da empresa tornaram-se públicos, confirmando o que Hayes tinha descoberto. “O trabalho do Tyrone nos deu a base científica para o processo “, disse Stephen Tillery, o advogado que processou a Syngenta.
Porque a atrazina é tão perigosa?
A razão pela qual Syngenta persegue pessoas como Hayes, que só querem demonstrar o perigo que este produto químico representa para os seres humanos, animais e plantas é a sua capacidade de difusão no ambiente. Como os dois produtos químicos anteriores faziam, a atrazina também é um disruptor endócrino, o que significa que tem a capacidade de afetar negativamente o equilíbrio hormonal de humanos e animais. Porque a água é a principal fonte de vida no planeta , não é nenhuma surpresa que a toxicidade da atrazina é uma preocupação para muitas pessoas. Recordemos que o corpo humano contém 65 % de água.
Em 2006, a Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos (EPA) disse que os riscos associados com resíduos de atrazina na água ” representavam uma certeza razoável de nenhum dano “. Em 2007, a EPA disse que a atrazina não afetou negativamente o desenvolvimento sexual em anfíbios e que não era necessário realizar mais testes. Então, por que todo o barulho sobre a atrazina ? Principalmente porque é o segundo herbicida mais utilizado após o glifosato da Monsanto e também porque apesar das garantias da EPA de que este produto químico é seguro, vários estudos descobriram que o oposto é que é a verdade.
As consequências da atrazina em seres humanos e animais estão relacionadas com o sistema endócrino, onde provoca desequilíbrio hormonal . Sua difusão se baseia no fato de que a atrazina permanece no solo por meses, o que lhe permite chegar a reservatórios de água subterrâneos. Por esta razão, a atrazina foi proibida na Europa em 2004.
Como no caso do BPA e das dioxinas, atrazina causa danos em fetos durante a gravidez, perturba o desenvolvimento sexual normal e afeta o desenvolvimento puberal.
Os perigos da atrazina são estendidos a animais e plantas, onde foram observados resultados semelhantes. Rãs e peixes são algumas das espécies mais prejudicadas. Rãs sofrem frequentemente de desmasculinização e até mesmo baixas doses de atrazina causam rãs se transformarem em hermafroditas. De acordo com os resultados obtidos por Tyrone Hayes, atrazina diminui a testosterona para níveis que são inferiores aos encontrados nos sapos fêmeas . Os únicos estudos que não encontraram qualquer ameaça do uso da atrazina foram os financiados pela Syngenta e realizados por agências governamentais.
Em seu estudo intitulado “A Desmasculinização e Feminização causados por Atrazina : Efeitos consistentes em Classes de Vertebrados”, Tyrone Hayes explica que:
“A atrazina demasculiniza as gônadas masculinas, produzindo lesões testiculares associadas com a redução de células germinativas em peixes, anfíbios, répteis e mamíferos e induz a feminização parcial e / ou total em peixes , anfíbios e répteis. Estes efeitos são fortes (estatisticamente significativos) , consistentes em classes de vertebrados e específicos. A redução em níveis de androgênios e da indução da síntese de estrogênio – demonstradas em peixes, anfíbios, répteis emamíferos – representam mecanismos plausíveis e coerentes que explicam estes efeitos. Gradientes biológicos são observados em vários dos estudos citados , apesar das doses e padrões variarem entre espécies.”
Como Hayes chegou a esta conclusão?
“Mecanismos coerentes plausíveis estão disponíveis para explicar a desmasculinização gonadal e a feminização . A exposição a atrazina reduz significativamente a síntese , secreção e os níveis circulantes de andrógenos em todas as classes de vertebrados , incluindo peixes [ 38,59 ] , anfíbios [ 26,39 ] , répteis [40] e mamíferos [ 24,60 ] com efeitos menores em aves [61] . A produção de andrógenos é fundamental para a diferenciação das células germinativas, seu desenvolvimento e maturação. Assim, limitar a produção de andrógenos e a sua disponibilidade fornece um mecanismo plausível para explicar a desmasculinização das gônadas em machos expostos.”
Um relatório publicado nos Anais da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos da América (PNAS) explica que a atrazina induz castração em sapos africanos machos. “A atrazina é o pesticida mais comumente detectado nas águas subterrâneas, superficiais e na água potável. A atrazina é, também, um potente disruptor endócrino que está ativo em concentrações relativamente baixas.” De acordo com a PNAS , estudos anteriores mostram que, quando expostos à atrazina , os machos foram castrados quimicamente e completamente feminizados na fase adulta.
Em estudos com animais, pelo menos 10% desenvolveram órgãos fêmeninos funcionais e acasalaram com machos produzindo ovos ​​. Aparentemente, a atrazina faz com que os homens passem a sofrer de ” testosterona deprimida “, comportamento de acasalamento suprimido, redução da espermatogênese e diminuição da fertilidade . Mas os resultados dos estudos realizados com atrazina não estão apenas limitados a anfíbios. Os mesmos resultados foram observados em outras classes de vertebrados. Se a atrazina é capaz de causar um declínio da população anfíbio mundial, devido à sua capacidade de interromper a função endócrina , espera-se ter o mesmo resultado em outras formas de vida , incluindo os seres humanos.
O uso pesado da atrazina e de outros produtos químicos venenosos na agricultura é um bom motivo para parar de consumir produtos industrializados processados. Um estudo em agosto de 2010 cujos detalhes foram publicados pelo Instituto Nacional de Ciências de Saúde Ambiental “descobriu que a incidência de inflamação da próstata passou de 48 por cento no grupo controle para 81 por cento nos descendentes do sexo masculino que foram expostos a uma mistura de atrazina e seus produtos de degradação antes do nascimento. ” O estudo foi conduzido por Suzanne Fenton, Ph.D., e Jason Stanko, Ph.D., do Instituto Nacional de Ciências de Saúde Ambiental (NIEHS), que faz parte dos Institutos Nacionais de Saúde.
“Nós não esperávamos ver estes tipos de efeitos em níveis tão baixos “, disse Fenton . “Esperamos que esta informação será útil para a EPA na sua avaliação de risco da atrazina “, disse Linda Birnbaum , Ph.D. , diretor do NIEHS e do Programa Nacional de Toxicologia.
Então, vamos revisar . Quando se trata dos efeitos negativos da atrazina na reprodução, estudos têm mostrado que este produto químico “reduz a capacidade da reprodução. Em relação ao seu efeito mutagênico, estudos descobriram que há um aumento significativo na porcentagem do dano cromossômico nas células dos trabalhadores de uma fábrica de produção de atrazina . Em carcinogenicidade, nas avaliações humanas, os estudos encontraram uma maior incidência de câncer de mama e de ovário e o risco de câncer de mama foi maior em locais com “níveis médios e altos de exposição à triazina” comparados aos níveis de câncer em locais com baixas exposições. De acordo com a Rede de Ação em Pesticidas do Reino Unido, a conclusão geral sobre a atrazina é que “é um pesticida de grande preocupação por um número de razões, incluindo possíveis efeitos negativos sobre a saúde, efeitos sobre os organismos aquáticos, os níveis de água potável e para o desenvolvimento de resistência. Embora seja cada vez menos utilizado, os efeitos de sua persistência a longo prazo ainda podem causar problemas de saúde e ambientais no futuro.”
Como eu disse nos três artigos anteriores, não é uma má idéia agir de maneira pró-ativa. Como explicado em casos anteriores, a melhor maneira de evitar ser envenenado por atrazina ou qualquer outro produto químico é eliminar alimentos processados ​​da nossa dieta. Um segundo passo é a realização de uma desintoxicação do corpo. Um terceiro passo é mudar a nossa dieta para comer o alimento que podemos provar foi cultivado sem qualquer tipo de produtos químicos e em um solo que nunca foi pulverizado com pesticidas, herbicidas ou que tenham sido plantados com organismos geneticamente modificados.
Homens, vocês foram avisados.
http://real-agenda.com
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário