21 de jul de 2014

Água vai acabar em SP ainda este ano, diz ex-diretor com 3 décadas de Sabesp

Posted by Semeando Paz on 21.7.14No comments

Imagem: Reuters

São Paulo atravessa uma de suas piores crises hídricas da história. Não fosse a captação do volume morto, o sistema Cantareira, da Sabesp (SBSP3) - que atende 9,8 milhões de paulistas, sendo que 8,4 milhões só na capital - não teria água para abastecer a Grande São Paulo. Um ano atrás, o volume armazenado útil era de 55%, hoje é de 18%, sendo todo ele representado pelo volume morto.
O problema do Estado, no entanto, não para por aí. O sistema do Alto Tietê, também da Sabesp, está prestes a secar. Atualmente, ele opera com 23,5% da sua capacidade, contra 63,4% registrada no mesmo dia do ano passado. A questão crucial aqui é que esse sistema, que abastece 4,5 milhões de pessoas, não possui o volume morto como o de Cantareira, ou seja, se secar essa capacidade útil não tem mais solução. E o pior, ele vai secar, disse o ex-Sabesp (com 34 de empresa), José Roberto Kachel, engenheiro civil e sanitarista. Para ele, o Alto Tietê não passa de 120 dias.


O volume do Alto Tietê está caindo 0,2% ao dia, isso significa 1 milhão de metros cúbicos diários. "Entre final de outubro e início de novembro, o volume das barragens zera", alerta. 

"À medida que a estiagem avança, o subsolo seca cada vez mais e a vazão que chega nos reservatórios é cada vez menor", disse Kachel. Um problema que também ocorre em Cantareira. Em junho, as vazões médias do sistema equivalente estava em 6,6 metros cúbicos por segundo, contra uma média histórica para o mês de 31,27 metros cúbicos por segundo.

A expectativa é que a água em volume morto garanta o abastecimento na Grande São Paulo até outubro. Neste período, a gestão de Geraldo Alckmin (PSDB) depende que as chuvas voltem a cair no manancial e o nível do reservatório comece a subir. Entretanto, especialistas já vêm alertando que as chuvas podem atrasar e só começar em dezembro. 

Problema é de gestão, não investimento

Para Kachel, o principal problema dessa crise hídrica não é de investimento, mas sim de gestão. "Eles estão se recusando terminantemente a fazer o racionamento, quando já deveriam ter iniciado. E a população tem ficado à deriva. A informação não chega de forma clara". 

O governo precisa admitir que a crise é grave, disse. Mas ao contrário disso, o governo disse no início de julho que não vê mais a necessidade na aplicação de multa a moradores que consumirem água em excesso. A cobrança estava prevista para começar em maio, mas não foi aplicada desde então.

Além de não aplicar a multa, a Sabesp vem descumprindo a recomendação da GTAG (Grupo Técnico de Assessoramento para Gestão do Sistema Cantareira), que previa que a empresa usasse 19,7 metros cúbicos por segundo na primeira quinzena do mês. "Mas eles estão usando algo próximo de 24 metros cúbicos por segundo", disse Kachel. Ou seja, aumenta o risco do reservatório não aguentar tanta demanda. Nestes seis primeiros meses do ano, choveu 494,4 milímetros - 56,5% do índice previsto segundo a média histórica, que era de 875,1 milímetros, segundo dados da Sabesp.

Os problemas de falta de transparência da empresa não param por aí. Já existem reclamações de falta de água e aumento de contas em regiões periféricas de São Paulo. O que comenta-se é que no período da noite a Sabesp corta o abastecimento para algumas regiões e quando libera passa um ar pelos hidrômetros, medindo ar como se fosse água. Especulam-se que até por isso o governo não tenha instituido a multa por aumento de consumo. 

Vendo o volume de água cair cada vez mais, a Sabesp agora estuda utilizar uma segunda cota do volume morto do Cantareira. Desde quinta-feira, quando o volume útil do sistema se esgotou, a companhia passou a utilizar apenas 182,5 bilhões de litros repressados abaixo do nível das comportas. Diante da possibilidade da crise de estiagem se prolongar, a Sabesp já cogita utilizar mais 100 bilhões de litros do volume morto. O sistema possui, ao todo, cerca de 480 bilhões de litros. 

Confira o sistema de abastecimento de São Paulo:


Paula Barra
Infomoney

Editado por Folha Política
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário