3 de jul de 2014

A VACINA É A DOENÇA

Posted by Semeando Paz on 3.7.14No comments
Desde o dia em que tomei conhecimento dos incríveis interesses das indústrias farmacêuticas sobre o desenvolvimento de vacinas (participei de um estudo ativamente), além de ter tido conhecimento de fatos "misteriosos" que acontecem com contratos entre governos e tais indústrias, que condicionam compras de tratamentos e vacinas, obrigando que entrem nos contratos termos velados obviamente do tipo "ou vocês compram estes também, ou não damos a vocês aqueles outros...", passei a ouvir a opinião daqueles médicos que considero mais evoluídos no mundo, através de artigos, vídeos, palestras, cursos e etc...
Conheci neste meio tempo inclusive uma médica que não só argumentou incrivelmente o não uso das vacinas, como também mudou de área na medicina e quase abandonou esta profissão, depois de ter uma filha quase falecida devido a efeitos colaterais de vacinas.
É vacina pra gripe tal, outra pra outra coisa e aí por diante. Quanto dinheiro não "rola" por trás disso tudo? Como bom questionador, nunca aceitei esta história facilmente, pois é papel do médico comprovar de fato através de estudos, o que aprende da boca de outrém. Dezenas de estudos médicos e antropológicos afirmam que grande parte das doenças que assombraram a humanidade, para as quais muitas foram criadas vacinas, tiveram seu curso e seu ciclo terminados independentemente das próprias vacinas. Mas não vou me alongar muito a respeito deste tema desta vez, porque teria que entrar em muitos termos e conhecimentos técnicos e dificultaria a compreensão de grande parte dos que me acompanham.
Quero lembrar aqui que não sou contra todas as vacinas e não emitirei opinião pessoal a respeito de nenhuma em específico, pois infelizmente a respeito deste tema sou realmente impedido pela ética médica. Entretanto, trazer a vocês o resultado de pesquisas e também dizer que não deixarei que vacinas sejam feitas em meus filhos, nem farei em mim mesmo, acho que já estou sendo bem claro, não é mesmo?
Bom, minhas suspeitas foram realmente confirmadas e existe de fato um lado obscuro por trás desta indústria. Todos os estudos os quais pesquisei, independentes e confiáveis ao meu ver, mostravam que as crianças vacinadas têm duas a cinco vezes mais doenças infantis, alergias e outras enfermidades do que as não vacinadas.
Abaixo, simplesmente traduzirei um artigo trazido a público pela NaturalNews:
"Originalmente, esse recente estudo ainda em curso comparava crianças não vacinadas contra um inquérito de saúde nacional alemão conduzido por KiGGS envolvendo mais de 17.000 crianças até aos 19 anos de idade. Essa pesquisa atualmente em curso foi iniciada pelo clássico homeopata Andreas Bachmair.
No entanto, a conexão americana com o estudo Bachmair pode ser encontrado no site VaccineInjury.info que adicionou um link para pais de crianças vacinadas para participar do mesmo. Até agora, esta pesquisa em andamento tem bem mais de 11.000 pessoas, principalmente americanos. Outros estudos tinham entrevistado pequenos grupos de famílias.
Contudo, os resultados tem sido semelhantes. Naturalmente  nenhum desses estudos foram acompanhados pela mídia de massas. Nenhum deles foi financiado pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) ou da Organização Mundial da Saúde (OMS) ou qualquer agência de saúde nacional ou internacional ou grupo de profissionais de medicina (http://healthimpactnews.com).
Eles não ousam comparar a saúde de crianças não vacinadas com crianças vacinadas de forma objetiva para perturbar a sua “vaxmania” (mania de vacinação). O foco de todos os estudos foi principalmente sobre as doenças que ocorrem na infância até as crianças ficarem mais maduras.
Complicações mais dramáticas, debilitantes ou mesmo mortais devido às vacinas,  não foi o foco desde acompanhamento, pois menos de 5%, na verdade, são reportados ao VAERS nos EUA (Sistema de Informe de Reações Adversas das Vacinas, órgão americano), por várias razões, incluindo:
* É um sistema complicado que demanda tempo do horário de trabalho de um médico.
* A maioria dos pais não o conhece.
* Apenas as reações adversas que ocorrem imediatamente após a vacinação são consideradas.
* Uma vez que o VAERS é prática voluntária, a maioria dos médicos não quer incriminar-se com problemas com a vacinação, mantendo-se a sua negação a respeito dos perigos da vacina.
Consequentemente, mesmo as mais terríveis reações adversas são minimamente reconhecidas, enquanto que em longo prazo problemas de saúde negativos resultantes das vacinas não são sequer considerados relevantes."
Sumários de diferentes pesquisas:
 As doenças da infância geralmente colocadas pelos entrevistados nas pesquisas independentes envolvem a asma, a bronquite recorrente, a amigdalite crônica, a sinusite, as alergias, os eczemas, as infecções de ouvido, diabetes, distúrbios do sono, enurese noturna, dislexia, enxaquecas, hiperatividade e DDA, epilepsia, depressão, e o retardo no desenvolvimento da fala ou de habilidades motoras.
Em 1992, a Nova Zelândia grupo chamado Sociedade Consciência da Imunização (IAS) pesquisou 245 famílias com um total de 495 crianças. As crianças foram divididas em 226 vacinados e 269 não vacinados. Oitenta e uma famílias tinham ambos: crianças vacinadas e não vacinadas.
As diferenças foram dramáticas, com as crianças não vacinadas mostrando incidência muito menor de doenças comuns da infância em relação às crianças vacinadas (http://www.vaccineinjury.info/images/stories/ias1992study.pdf).
A partir de outra pesquisa na Ilha Sul da Nova Zelândia, cidade de Christchurch, entre as crianças nascidas durante ou depois de 1977, nenhuma das crianças não vacinadas apresentaram eventos de asma enquanto quase 25% das crianças vacinadas foram tratadas para asma até a idade de dez anos. (http://www.vaccineinjury.info/images/stories/ias1992study.pdf).
Muitos dos comentários de pais de não vacinados ao VaccineInjury.info para a investigação Bachmair em curso mencionaram preocupações com os perigos de vacinação e o desenvolvimento de uma imunidade verdadeira, de forma natural (http://www.vaccineinjury.info).
A imunologista e PhD que escreveu o livro “Illusion Vaccine” (A ilusão das vacinas), Drª. Tetyana Obukhanych, foi contra o dogma de sua formação médica. Ela afirma que a verdadeira imunidade para qualquer doença não é conferida por vacinas. A exposição à doença, seja contraindo-a ou não é o que o faz (http://www.vaccinationcouncil.org).
Talvez o mais informal levantamento de dados que está em andamento atualmente é aquele realizado por Tim O'Shea, DC, autor de Vaccination is Not Immunization  (A vacinação não é a imunização). Ele simplesmente tem contato por e-mails com pais de não vacinados com comparações de saúde de seus filhos com amigos e familiares de crianças vacinadas. Isso e muito mais está disponível em seu site (http://www.thedoctorwithin.com).

Desde o dia em que tomei conhecimento dos incríveis interesses das indústrias farmacêuticas sobre o desenvolvimento de vacinas (participei de um estudo ativamente), além de ter tido conhecimento de fatos "misteriosos" que acontecem com contratos entre governos e tais indústrias, que condicionam compras de tratamentos e vacinas, obrigando que entrem nos contratos termos velados obviamente do tipo "ou vocês compram estes também, ou não damos a vocês aqueles outros...", passei a ouvir a opinião daqueles médicos que considero mais evoluídos no mundo, através de artigos, vídeos, palestras, cursos e etc...

Conheci neste meio tempo inclusive uma médica que não só argumentou incrivelmente o não uso das vacinas, como também mudou de área na medicina e quase abandonou esta profissão, depois de ter uma filha quase falecida devido a efeitos colaterais de vacinas. 

É vacina pra gripe tal, outra pra outra coisa e aí por diante. Quanto dinheiro não "rola" por trás disso tudo? Como bom questionador, nunca aceitei esta história facilmente, pois é papel do médico comprovar de fato através de estudos, o que aprende da boca de outrém. Dezenas de estudos médicos e antropológicos afirmam que grande parte das doenças que assombraram a humanidade, para as quais muitas foram criadas vacinas, tiveram seu curso e seu ciclo terminados independentemente das próprias vacinas. Mas não vou me alongar muito a respeito deste tema desta vez, porque teria que entrar em muitos termos e conhecimentos técnicos e dificultaria a compreensão de grande parte dos que me acompanham. 

Quero lembrar aqui que não sou contra todas as vacinas e não emitirei opinião pessoal a respeito de nenhuma em específico, pois infelizmente a respeito deste tema sou realmente impedido pela ética médica. Entretanto, trazer a vocês o resultado de pesquisas e também dizer que não deixarei que vacinas sejam feitas em meus filhos, nem farei em mim mesmo, acho que já estou sendo bem claro, não é mesmo?

Bom, minhas suspeitas foram realmente confirmadas e existe de fato um lado obscuro por trás desta indústria. Todos os estudos os quais pesquisei, independentes e confiáveis ao meu ver, mostravam que as crianças vacinadas têm duas a cinco vezes mais doenças infantis, alergias e outras enfermidades do que as não vacinadas. 

Abaixo, simplesmente traduzirei um artigo trazido a público pela NaturalNews:

"Originalmente, esse recente estudo ainda em curso comparava crianças não vacinadas contra um inquérito de saúde nacional alemão conduzido por KiGGS envolvendo mais de 17.000 crianças até aos 19 anos de idade. Essa pesquisa atualmente em curso foi iniciada pelo clássico homeopata Andreas Bachmair.

No entanto, a conexão americana com o estudo Bachmair pode ser encontrado no site VaccineInjury.info que adicionou um link para pais de crianças vacinadas para participar do mesmo. Até agora, esta pesquisa em andamento tem bem mais de 11.000 pessoas, principalmente americanos. Outros estudos tinham entrevistado pequenos grupos de famílias.

Contudo, os resultados tem sido semelhantes. Naturalmente  nenhum desses estudos foram acompanhados pela mídia de massas. Nenhum deles foi financiado pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) ou da Organização Mundial da Saúde (OMS) ou qualquer agência de saúde nacional ou internacional ou grupo de profissionais de medicina (http://healthimpactnews.com).

Eles não ousam comparar a saúde de crianças não vacinadas com crianças vacinadas de forma objetiva para perturbar a sua “vaxmania” (mania de vacinação). O foco de todos os estudos foi principalmente sobre as doenças que ocorrem na infância até as crianças ficarem mais maduras.

Complicações mais dramáticas, debilitantes ou mesmo mortais devido às vacinas,  não foi o foco desde acompanhamento, pois menos de 5%, na verdade, são reportados ao VAERS nos EUA (Sistema de Informe de Reações Adversas das Vacinas, órgão americano), por várias razões, incluindo:

* É um sistema complicado que demanda tempo do horário de trabalho de um médico.
* A maioria dos pais não o conhece.
* Apenas as reações adversas que ocorrem imediatamente após a vacinação são consideradas.
* Uma vez que o VAERS é prática voluntária, a maioria dos médicos não quer incriminar-se com problemas com a vacinação, mantendo-se a sua negação a respeito dos perigos da vacina.

Consequentemente, mesmo as mais terríveis reações adversas são minimamente reconhecidas, enquanto que em longo prazo problemas de saúde negativos resultantes das vacinas não são sequer considerados relevantes."

Sumários de diferentes pesquisas:

 As doenças da infância geralmente colocadas pelos entrevistados nas pesquisas independentes envolvem a asma, a bronquite recorrente, a amigdalite crônica, a sinusite, as alergias, os eczemas, as infecções de ouvido, diabetes, distúrbios do sono, enurese noturna, dislexia, enxaquecas, hiperatividade e DDA, epilepsia, depressão, e o retardo no desenvolvimento da fala ou de habilidades motoras.
Em 1992, a Nova Zelândia grupo chamado Sociedade Consciência da Imunização (IAS) pesquisou 245 famílias com um total de 495 crianças. As crianças foram divididas em 226 vacinados e 269 não vacinados. Oitenta e uma famílias tinham ambos: crianças vacinadas e não vacinadas.
As diferenças foram dramáticas, com as crianças não vacinadas mostrando incidência muito menor de doenças comuns da infância em relação às crianças vacinadas (http://www.vaccineinjury.info/images/stories/ias1992study.pdf).
A partir de outra pesquisa na Ilha Sul da Nova Zelândia, cidade de Christchurch, entre as crianças nascidas durante ou depois de 1977, nenhuma das crianças não vacinadas apresentaram eventos de asma enquanto quase 25% das crianças vacinadas foram tratadas para asma até a idade de dez anos. (http://www.vaccineinjury.info/images/stories/ias1992study.pdf). 

Muitos dos comentários de pais de não vacinados ao VaccineInjury.info para a investigação Bachmair em curso mencionaram preocupações com os perigos de vacinação e o desenvolvimento de uma imunidade verdadeira, de forma natural (http://www.vaccineinjury.info).

A imunologista e PhD que escreveu o livro “Illusion Vaccine” (A ilusão das vacinas), Drª. Tetyana Obukhanych, foi contra o dogma de sua formação médica. Ela afirma que a verdadeira imunidade para qualquer doença não é conferida por vacinas. A exposição à doença, seja contraindo-a ou não é o que o faz (http://www.vaccinationcouncil.org).

Talvez o mais informal levantamento de dados que está em andamento atualmente é aquele realizado por Tim O'Shea, DC, autor de Vaccination is Not Immunization  (A vacinação não é a imunização). Ele simplesmente tem contato por e-mails com pais de não vacinados com comparações de saúde de seus filhos com amigos e familiares de crianças vacinadas. Isso e muito mais está disponível em seu site (http://www.thedoctorwithin.com).
- See more at: http://www.blogdodrvictorsorrentino.com/2012/11/estudo-revela-que-criancas-vacinadas.html#sthash.oLZWOq68.dpuf
Desde o dia em que tomei conhecimento dos incríveis interesses das indústrias farmacêuticas sobre o desenvolvimento de vacinas (participei de um estudo ativamente), além de ter tido conhecimento de fatos "misteriosos" que acontecem com contratos entre governos e tais indústrias, que condicionam compras de tratamentos e vacinas, obrigando que entrem nos contratos termos velados obviamente do tipo "ou vocês compram estes também, ou não damos a vocês aqueles outros...", passei a ouvir a opinião daqueles médicos que considero mais evoluídos no mundo, através de artigos, vídeos, palestras, cursos e etc...

Conheci neste meio tempo inclusive uma médica que não só argumentou incrivelmente o não uso das vacinas, como também mudou de área na medicina e quase abandonou esta profissão, depois de ter uma filha quase falecida devido a efeitos colaterais de vacinas. 

É vacina pra gripe tal, outra pra outra coisa e aí por diante. Quanto dinheiro não "rola" por trás disso tudo? Como bom questionador, nunca aceitei esta história facilmente, pois é papel do médico comprovar de fato através de estudos, o que aprende da boca de outrém. Dezenas de estudos médicos e antropológicos afirmam que grande parte das doenças que assombraram a humanidade, para as quais muitas foram criadas vacinas, tiveram seu curso e seu ciclo terminados independentemente das próprias vacinas. Mas não vou me alongar muito a respeito deste tema desta vez, porque teria que entrar em muitos termos e conhecimentos técnicos e dificultaria a compreensão de grande parte dos que me acompanham. 

Quero lembrar aqui que não sou contra todas as vacinas e não emitirei opinião pessoal a respeito de nenhuma em específico, pois infelizmente a respeito deste tema sou realmente impedido pela ética médica. Entretanto, trazer a vocês o resultado de pesquisas e também dizer que não deixarei que vacinas sejam feitas em meus filhos, nem farei em mim mesmo, acho que já estou sendo bem claro, não é mesmo?

Bom, minhas suspeitas foram realmente confirmadas e existe de fato um lado obscuro por trás desta indústria. Todos os estudos os quais pesquisei, independentes e confiáveis ao meu ver, mostravam que as crianças vacinadas têm duas a cinco vezes mais doenças infantis, alergias e outras enfermidades do que as não vacinadas. 

Abaixo, simplesmente traduzirei um artigo trazido a público pela NaturalNews:

"Originalmente, esse recente estudo ainda em curso comparava crianças não vacinadas contra um inquérito de saúde nacional alemão conduzido por KiGGS envolvendo mais de 17.000 crianças até aos 19 anos de idade. Essa pesquisa atualmente em curso foi iniciada pelo clássico homeopata Andreas Bachmair.

No entanto, a conexão americana com o estudo Bachmair pode ser encontrado no site VaccineInjury.info que adicionou um link para pais de crianças vacinadas para participar do mesmo. Até agora, esta pesquisa em andamento tem bem mais de 11.000 pessoas, principalmente americanos. Outros estudos tinham entrevistado pequenos grupos de famílias.

Contudo, os resultados tem sido semelhantes. Naturalmente  nenhum desses estudos foram acompanhados pela mídia de massas. Nenhum deles foi financiado pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) ou da Organização Mundial da Saúde (OMS) ou qualquer agência de saúde nacional ou internacional ou grupo de profissionais de medicina (http://healthimpactnews.com).

Eles não ousam comparar a saúde de crianças não vacinadas com crianças vacinadas de forma objetiva para perturbar a sua “vaxmania” (mania de vacinação). O foco de todos os estudos foi principalmente sobre as doenças que ocorrem na infância até as crianças ficarem mais maduras.

Complicações mais dramáticas, debilitantes ou mesmo mortais devido às vacinas,  não foi o foco desde acompanhamento, pois menos de 5%, na verdade, são reportados ao VAERS nos EUA (Sistema de Informe de Reações Adversas das Vacinas, órgão americano), por várias razões, incluindo:

* É um sistema complicado que demanda tempo do horário de trabalho de um médico.
* A maioria dos pais não o conhece.
* Apenas as reações adversas que ocorrem imediatamente após a vacinação são consideradas.
* Uma vez que o VAERS é prática voluntária, a maioria dos médicos não quer incriminar-se com problemas com a vacinação, mantendo-se a sua negação a respeito dos perigos da vacina.

Consequentemente, mesmo as mais terríveis reações adversas são minimamente reconhecidas, enquanto que em longo prazo problemas de saúde negativos resultantes das vacinas não são sequer considerados relevantes."

Sumários de diferentes pesquisas:

 As doenças da infância geralmente colocadas pelos entrevistados nas pesquisas independentes envolvem a asma, a bronquite recorrente, a amigdalite crônica, a sinusite, as alergias, os eczemas, as infecções de ouvido, diabetes, distúrbios do sono, enurese noturna, dislexia, enxaquecas, hiperatividade e DDA, epilepsia, depressão, e o retardo no desenvolvimento da fala ou de habilidades motoras.
Em 1992, a Nova Zelândia grupo chamado Sociedade Consciência da Imunização (IAS) pesquisou 245 famílias com um total de 495 crianças. As crianças foram divididas em 226 vacinados e 269 não vacinados. Oitenta e uma famílias tinham ambos: crianças vacinadas e não vacinadas.
As diferenças foram dramáticas, com as crianças não vacinadas mostrando incidência muito menor de doenças comuns da infância em relação às crianças vacinadas (http://www.vaccineinjury.info/images/stories/ias1992study.pdf).
A partir de outra pesquisa na Ilha Sul da Nova Zelândia, cidade de Christchurch, entre as crianças nascidas durante ou depois de 1977, nenhuma das crianças não vacinadas apresentaram eventos de asma enquanto quase 25% das crianças vacinadas foram tratadas para asma até a idade de dez anos. (http://www.vaccineinjury.info/images/stories/ias1992study.pdf). 

Muitos dos comentários de pais de não vacinados ao VaccineInjury.info para a investigação Bachmair em curso mencionaram preocupações com os perigos de vacinação e o desenvolvimento de uma imunidade verdadeira, de forma natural (http://www.vaccineinjury.info).

A imunologista e PhD que escreveu o livro “Illusion Vaccine” (A ilusão das vacinas), Drª. Tetyana Obukhanych, foi contra o dogma de sua formação médica. Ela afirma que a verdadeira imunidade para qualquer doença não é conferida por vacinas. A exposição à doença, seja contraindo-a ou não é o que o faz (http://www.vaccinationcouncil.org).

Talvez o mais informal levantamento de dados que está em andamento atualmente é aquele realizado por Tim O'Shea, DC, autor de Vaccination is Not Immunization  (A vacinação não é a imunização). Ele simplesmente tem contato por e-mails com pais de não vacinados com comparações de saúde de seus filhos com amigos e familiares de crianças vacinadas. Isso e muito mais está disponível em seu site (http://www.thedoctorwithin.com).
- See more at: http://www.blogdodrvictorsorrentino.com/2012/11/estudo-revela-que-criancas-vacinadas.html#sthash.oLZWOq68.dpuf

Estudo Completo:
http://www.vaccineinjury.info/vaccinations-in-general/health-unvaccinated-children/survey-results-illnesses.html


Link da informação: http://www.realfarmacy.com/vaccinated-children-have-up-to-500-more-disease-than-unvaccinated-children/
http://deolhosnoolho.blogspot.com.br 
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário