27 de jun de 2014

A moda que mudará o futuro ....Já começou

Posted by Semeando Paz on 27.6.14No comments


Esta é uma das manobras de manipulação mais brilhantes de todos os tempos , uma obra-prima na arte de lidar com as mentes adormecidas da população.
Senhoras e senhores, preparem-se porque em breve, FASHION será ser pobre.
E sim, nós dissemos que "se tornará moda", porque aqui reside o génio desta manipulação: vender escassez e precariedade como se fossem um "produto" a desejar.
Pode parecer inacreditável ou até mesmo surreal, mas na verdade, a manobra começou muito subtilmente durante a crise e já está pegando, gota a gota, nas mentes de muitas pessoas.
E o mundo está entrando em uma fase de transformação radical em direcção a um novo paradigma sócio- económico , no qual a maioria da população vai viver numa situação muito mais precária do que viveu até agora, para manter o sistema durante essa delicada transição que vai exigir que os cidadãos aceitam ser dóceis e controlados, como até agora.
É por esta razão que será realizada esta obra-prima de manipulação mental e social.





O FUTURO QUE NOS ESPERA
Como mencionado, essa manobra tem muito a ver com o novo paradigma a nível económico, político e social, a que o mundo se dirige.
Uma das chaves para essa mudança de paradigma é a necessidade de parar a sobre-exploração dos recursos e expedientes, até agora, de uma indústria baseada no petróleo e nos seus derivados, para uma nova indústria com base em fontes de energia mais limpas e eficientes e novos materiais, como o grafeno.

Se a este necessário desmantelamento dos processos industriais e de energia actuais, acrescentarmos a crescente mecanização e automatização da produção industrial e do uso de novas tecnologias, como as impressoras 3-D, o resultado é óbvio : cada vez vai demorar menos tempo e empregar menos pessoas para fazer a mesma quantidade de trabalho .







Isto significa um aumento do desemprego estrutural em todos os países, ou seja, aumento dos níveis de desemprego com a irremediável insegurança no emprego, na forma de contratos de tempo parcial, precário e trabalho temporário, substituindo os contratos indefinidos no prazo e portanto, maiores níveis de privação e escassez para a maioria da população mundial.





Dito sem rodeios: no novo paradigma para o qual estamos a caminhar, sobrará gente e portanto , em média, todos nós seremos muito mais pobres .
Na verdade, a crise pré-fabricada que estamos a viver, tem este objectivo: lançar as bases para essa transformação a uma escala global, controlada e dirigida de maneira a que as mesmas mãos que manipulam o "antigo regime", também manipulem o "novo regime " para onde estamos a caminhar.
O que estamos a viver, em suma, é uma mudança de pele do sistema, como se fosse uma serpente a largar as suas antigas escamas.
Assim , para as pessoas possam engolir as novas circunstâncias da sua vida , vai ser preciso manipular de alguma forma e como sempre fizeram.

COMO O FARÃO?
Basicamente, o primeiro passo vai causar uma mudança radical nas aspirações da população.
Mudar o objectivo dos sonhos que foram inculcados na sociedade.
Até agora, temos vivido num mundo onde o sonho de qualquer cidadão deveria ser a busca da riqueza material.



A Sociedade, desde muito pequenos nos inculcou o que poderíamos ter para alcançar a vitória na vida, que consistia em ser rico e famoso, possuir carros caros, casas de luxo, iates, jóias e prestígio social.

Evidentemente, para a maioria das pessoas, isso queria dizer, isso era apenas um desejo , um sonho inalcançável e tinham de se contentar com substitutos oferecidos pela sociedade de consumo na forma de apartamento ou casa, carro próprio, um bom salário e férias de Verão.
Mas, no novo paradigma isso tem de mudar, pelo menos para uma grande percentagem da população.
A maioria de nós não terá nenhum daqueles pequenos luxos, que antes pareciam tão normais e portanto, é necessário incutir um novo conjunto de desejos e vontades para substituir os antigos a fim de evitar que os cidadãos sintam frustração generalizada, o que poderia levar a uma revolta incontrolável.
A chave estará, não só em que estejamos contentes com o que temos, não só mas que queiramos defender esse novo estilo de vida começando mesmo a fazer com que se sintam orgulhosos dessa condição.
E para obter o tamanho milagre, é só usar as mesmas técnicas utilizadas na moda, ou em qualquer movimento social.

A MODA DE SER POBRE
Quando alguém se dispõe a seguir uma determinada moda (nt: e porque não todas se possível?), um movimento ideológico, ou atitude social, faz isso com a finalidade de se incorporar aos valores associados do movimento em questão.
Para dizer de outra forma, trata-se de uma espécie de contrato psicológico, mediante o qual, ao declarar-se seguidor de tal moda ou movimento, a sociedade lhe garante que você, como indivíduo, será percebido pelos demais como se a tua pessoa incluísse os valores associados, ou moda.
Assim, esta manipulação consiste em associar a palavra pobreza e escassez de recursos a uma série de valores e atitudes que impliquem algum tipo de prestígio social pré fabricado.
Converter a precariedade em algo "cool", que "fixe" é sobretudo para associar um sentimento de SUPERIORIDADE MORAL.
Para consegui-lo, utilizarão 2 mecanismos básicos de manipulação:
-Primeiro; a nível propagandístico, baseado na IMAGEM EXTERNA, como se lhe vendessem um produto em forma de “conjunto de atitudes” nas quais o indivíduo se reflecte.
-Segundo; mecanismo de CARÁCTER PSICOLÓGICO, mediante o qual o fim é conseguir que cada um de nós aceite a pobreza como um motivo de orgulho.

O REFERENTE EXTERNO
Durante décadas, a pobreza foi-nos vendida como uma fonte de exclusão social, conflitos, adição a droga, delinquência e sofrimento.
Pois bem, a volta consistirá em associar valores positivos a esta condição social, tais como: a solidariedade, a convivência, a fraternidade, o companheirismo, o engenho, a amizade, a obtenção da felicidade através das pequenas coisas, rejeitando os luxos supérfluos.

E para consegui-lo, os Meios de Comunicação e a industria do entretenimento, se dedicarão a fundo, até conseguir moldar a nossa mente de novo e fazer-nos ver os pobres e os marginais como a novos heróis a seguir.

Para isso fará falta parafrenália de exemplos mediáticos de todas as índoles:
pessoas em situações precárias, terão de ser capazes de compartilhar o pouco que têm, com os outros; exemplos extremos de convivência, superação de barreiras "desactualizadas" de raça ou etnia; pessoas que deixaram o mundo do luxo e da superfície e que encontraram a felicidade numa vida mais modesta, cheia de valores "reais" de amizade e solidariedade sincera, etc ...



E tudo isto deve-se acrescentar os exemplos essenciais de empresários que não se rendem à adversidade :
Inventores engenhosos, capazes de reciclar os produtos para aterro em objectos úteis; jovens com poucos recursos e muito talentosos a inventar aplicações de software usado em empresas de sucesso e de última geração; ou imigrantes bravos que viajam de um país para o outro, em busca de um emprego sem "perder tempo com lamentações ou lutas sociais infrutíferas"!
E a mensagem para nós, inoculados com tais brilhantes exemplos é clara:
"Em vez de desperdiçar o seu tempo reclamando ou lutando para mudar as coisas, invista em solidariedade e comunhão e encontre a felicidade".



A REVOLUÇÃO ÉTICA
Mas esta manobra mediática vai ser apenas a ponta do iceberg, como sendo ilimitada a uma muito maior manipulação que não se suspeita sequer: o que muitas pessoas interpretarão como uma revolução ética à escala global.
E temos de admitir: Provavelmente será uma obra de teatro majestosa.
Veremos desde financeiros de topo julgados, a políticos depostos, milionários acusados ​​de evasão fiscal e de capitais; veremos bancos gigantes cair, sim, aqueles que pareciam intocáveis.
Parecerá a queda do antigo império e o nascimento de um mundo multipolar aparentemente mais equilibrado.

Mas tudo faz parte do grande plano: é necessário encenar a morte do velho mundo para criar o novo paradigma.
Então as multinacionais, varridas pela onda da "Revolução Ética", "serão forçadas" a ser mais transparentes e responsáveis perante o público, "prestando contas" e com elas, todos os poderosos e os mesmíssimos políticos.
Mas não se enganem: de facto, o controlo e monitoramento de vigilância aos ricos, será apenas encenação e o subterfúgio para vigiar e controlar de seguida toda a população, de forma draconiana.
Esse é o plano, mas terá os aplausos e o júbilo será generalizado, só que quase ninguém vai perceber o que realmente está a acontecer e quais são os obscuros objectivos finais.
A multidão, com a sua proverbial ingenuidade, acreditará que a justiça está a ser feita e irá contentar-se com pequenos gestos e presentes simbólicos.
Um exemplo seria a criação de uma renda básica universal, uma condição necessária para a subsistência dos de desempregados ou trabalhadores precários e que, eventualmente se tornará numa grande ferramenta de controle sobre os indivíduos dependentes dela.
O mesmo acontecerá com a Revolução Ética: a maior farsa de que vamos viver nossas vidas. Parece ser uma nova filosofia para um novo mundo, aparentemente mais solidário, mais igualitário e menos consumista, em sintonia com os movimentos que estão a aparecer ultimamente. O luxo e a ostentação antiga do passado serão recusados e a austeridade abraçará a sustentabilidade ecológica como um novo tesouro.




As novas normas serão personificadas e personagens como o Papa Francisco ou o presidente José Mujica do Uruguai, serão muito importantes na lavagem cerebral das massas, exemplos a seguir. Críticos das riquezas e extravagância sem sentido e defensores dos pobres, necessitados e da justiça social.



Líderes com sapatos desgastados e meias e calças rotas ... talvez alguns deles sejam sinceros em suas opiniões, especialmente quando praticantes, mas serão explorados por um mal maior, aquele que não pode adivinhar.
Muitas pessoas acreditam que eles estão a viver uma espécie de revolução mental e que tudo mudou ... mas como se costuma dizer, tudo faz parte do plano.
Ele precisa ser bem camuflado, porque na realidade, os mesmos poderes que governam tudo nste momento estão também a manipular agora , liderar a transição para o novo mundo.
Líderes com os sapatos gastos e outros com calças rotas, alguns muito sinceros na sua postura mas instrumentalizados por um mal maior que não sabem intuir.
Muita gente crerá que está a viver uma espécie de revolução mental e que tudo mudou, mas como dissemos, tudo faz parte do plano.
É necessário que seja assim.
Porque na realidade, os mesmos poderes que agora lo governam tudo, liderarão a transição ao novo mundo.
Eles decidiram num dado momento que desejássemos tesouros e agora conseguirão com que nos contentemos com a sucata.

A FORÇA DAS MODAS
Isto quem sabe nos possa parecer exagero. A muitos parecerá impossível que a escassez e a austeridade vital se convertam em algo facilmente aceite pela população.
Ainda mais vindo de uma época de bem estar relativo.
Mas desgraçadamente, chegamos a tal ponto de hipnose, que accionando os gatilhos adequados pode-se converter a população em qualquer coisa.

As diferentes modas são bem exemplo disso.

Uma pessoa de 40 anos jamais teria acreditado que algum dia chegássemos a pagar para comprar umas calças todas rasgadas, descoloridas, enrugadas e cheias de buracos, ou que poderiam vestir calças ou calções a cair pelas pernas abaixo, ou então, que se perfurariam partes do corpo para inserir fragmentos de metal.



Parecia-nos impossível...

De facto, não é preciso retroceder muito: Há apenas 10 anos, quando David Beckham representava a apoteose da metro-sexualidade, ninguém poderia acreditar que dentro em pouco tempo a moda fosse barba de mendigo.



Mas literalmente, os meios de comunicação, incluindo internet e redes sociais, podem fazer moda de qualquer coisa e conduzir o rebanho para onde for conveniente.

Assim será como quando todos empobrecidos acabaremos por comer insectos o que passará a ser um deleite.
Literalmente, as elites conseguirão que “a chusma coma bichos” enquanto eles comem filetes de ganaderia ecológica.
A campanha para conseguir isso já começou. A própria ONU, através da FAO, já inoculou a ideia no imaginário do público e as televisões generalistas já começam a fazer o eco adequado.

Só falta despoletar: que alguém famoso, jovem e bonito coma “deliciosos bichos fritos” fazendo uma pose perante as câmaras, ou um filme de bilheteira e teremos milhares de seguidores dessa moda.

Se num momento alguém conseguiu convencer-nos a todos de que as asquerozas ovas de peixe eram o manjar mais luxuoso e desejável do mundo, como não conseguirão que se comam baratas e vermes?



Assim fará parte no mundo actual, instaurar qualquer costume ou ideia por parte dos governos no momento oportuno, sendo apenas necessário um bom envoltório e outorgar-lhe a ideia de legalidade, oficialidade e prestígio social.


Quem sabe assim sendo, com o que podemos deparar no futuro; quem sabe assistamos à completa legalização da prostituição a nível global, associando-a como a conhecida "profissão mais antiga do mundo"!... com ar de glamour e sofisticação.
Acaso não seria uma forma inteligente de "dignificar" uma actividade tão necessária à sobrevivência num mundo com recursos tão precários?
Como no caso da pobreza, basta associar atributos e valores positivos. Tempo ao tempo.

A PORTA DE EMERGÊNCIA
Em todo o caso, sempre deixarão aberta uma porta de emergência, uma válvula de escape da situação de pobreza, em forma de esperança de mudança.
Por muito prestigio que se associe à precariedade, sempre ficará o sonho de ganhar muito dinheiro e acumular bens materiais, através dos mecanismos típicos que já são nossos conhecidos: o golpe de sorte, o génio empreendedor, ou o talento premiado pelas elites, ao mais puro estilo do cantor vencedor no Factor X.
E é assim que essa impossibilidade de acesso virtual à "classe superior" resultará com que o Sistema cedo ou tarde se torne insustentável.


Portanto, sempre manterão essa ilusão, própria do conto da Cinderela, por falsa que seja na realidade…

MECANISMOS PSICOLÓGICOS
Para converter a pobreza numa “moda a seguir”, a chave reside em associar-lhe um sentimento de orgulho, em forma de SUPERIORIDADE MORAL.
De facto, este mecanismo já existe e actualmente está a ser potenciado.
Há um desprezo cada vez mais descarnado pelos poderosos por parte da população, sejam estes grandes empresários, financeiros ou políticos.

A população associou a todos eles conceitos relacionados com a maldade, o abuso e a corrupção, de forma que pouco a pouco, se infiltrará gradualmente em relação a essas classes abastadas o justificável e crescente desprezo moral.

Se por um lado associam valores positivos à escassez, com o tempo as pessoas com menos recursos se sentirão moralmente superiores aos ricos e poderosos.


Se criará um certo “orgulho de pobre” e sê-lo, de alguma maneira, virá a ser moda.

Mas o pior é que, ao contrário do que possa parecer, esse sentimento de superioridade moral será uma cadeia que vai imobilizar a população, evitando uma explosão que muda tudo.

Esse "orgulho pobre" vai agir como um bálsamo para a raiva, frustração transformando-a num sentimento positivo e reconfortante para si mesmo e para os outros.

Algo parecido com a versão actualizada da antiga mensagem religiosa: "o rico e ostensivo será punido por Deus e os pobres vão submissos para o céu"

O grande subterfúgio psicológico com que os nobres e o clero permaneceram por séculos e seguraram a cabeça em seus ombros, enquanto apreciavam a vida à custa dos camponeses empobrecidos, por mais que eles os odiassem...
Aqui reside a genialidade da manobra.

A GRANDE VIRTUDE DO SISTEMA
E esta é a grande virtude do Sistema: a sua extraordinária capacidade para, de forma sibilina e subtil, desviar a energia que inicialmente iria contra ele, para acabar usando-a em seu próprio beneficio.
Isto é exactamente o que está a ponto de suceder.
E não podemos permitir.
Estamos ante uma grande oportunidade porque cada vez há más gente que está “despertando”.

Cada vez mais gente se dá conta de que o mundo em que vivemos é insustentável, que tudo o que nos rodeia é um grande engano e que o modo de vida que nos inculcaram é absurdo e superficial.
Cada vez mais pessoas buscam um novo sentido para a sua existência e buscam a maneira de despojar-se das cadeias que aprisionam a sua mente.
Muitos não sabem encontrar as palavras para o expressar e outros não sabem concretizar o que sentem, mas cada vez são mais as pessoas que intuem que é necessário uma mudança radical.
Mais gente, cada vez mais farta de entregar o seu tempo de vida à acumulação de dinheiro e bens materiais, sabem que o germe de um novo mundo, melhor e mais justo, germina no seu interior.
E esta é uma ideia que pode destruir o Sistema... mas o Sistema sabe muito bem como aproveitá-la em seu benefício.
Desgraçadamente, se não reagirmos adequadamente, estes sentimentos tão nobres serão vazios de sentido e perderão a sua força transformadora até converter-se numa atitude viciada e conformista, numa moda cujo único objectivo será que não se plasmem jamais, numa mudança real e profunda.
Só servirá para que o Sistema mude de pele.

Muita gente verá os despojos da velha pele abandonada e acreditará que a serpente morreu.
Mas a cobra morre apenas quando lhe cortam a cabeça e isso é precisamente o que devemos fazer, mesmo sendo tarefa árdua, perigosa e desagradável.
Porque de contrário, corremos o risco de que a energia, capaz de mudar completamente a humanidade, se torne concreto, de que vão ser construídas as paredes da nova prisão.
Muito maiores e muito mais espessas do que as paredes anteriores, mas no final da cor da pintura do céu ...
GAZZETTA DEL APOCALIPSIS


 
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário