5 de abr de 2014

Eu aprendi a me silenciar.


Eu aprendi a me silenciar. Talvez, da forma mais difícil que alguém aprenda essa lição: Tendo dito muitas bobagens.

Muito cedo eu me vi cercada de muitos amigos, e muitas brincadeiras, e muitas risadas, e muitas disputas, e muitos amores, e muitas lágrimas.

Porque, da mesma forma que eu fui até as pessoas, e as pessoas vieram até a mim; amigos, familiares,etc... essas pessoas também saíram da minha vida. Algumas, dentro de grandes equívocos, de grandes mágoas, de grandes enganos. Alguns, que eu permiti que acontecessem, pela minha ineficiência em ficar quieta.

Eu comecei a observar que eu não tinha que ter resposta pra tudo.
Eu comecei a observar que eu não tinha que ter a palavra final.
Nem o pensamento e nem mesmo a ponderação.

Eu comecei a observar que eu podia ficar em silêncio. E que o silêncio contava pontos, para minha felicidade, para minha harmonia e para felicidade do outro.

Eu percebi que o silêncio, me dava um precioso tempo de pensar, antes de responder.
O silêncio me permitia olhar as pessoas, as situações, como elas são.
 E foram os homens que me ensinaram.
E foi o desprezo dos homens que me ensinou.
E foi o meu sentimento de solidão que me ensinou.

Mas, dentro da minha humanidade, antes de me levantar eu tive que fazer um mergulho muito profundo em tudo aquilo que eu não compreendia. Em todos os sentimentos de rejeição, de fracasso, de insucesso, de raiva e de ira.

Eu tive que conhecer o lado escuro, para ter certeza de que ali eu não queria permanecer. Eu tive que conhecer até da minha própria maldade, para entender, para assumir, que eu não queria ser má. Para entender, que eu não queria assumir aquele tipo de comportamento pra minha vida.

Eu tive que viver coisas que eram contra a minha vontade, para assumir verdadeiras escolhas.

E hoje eu venho dizer a vocês:

Não tenham tanto medo de fracassar.
Não tenham tanto medo de falhar.
Não tenham tanta vergonha de mostrar, de reconhecer e de visitar as suas sombras.

As sombras, quando bem usadas, são os buracos onde o espiritual coloca as sementes pra que elas possam germinar.

Naqueles momentos em que as pessoas estão sofrendo, confusas, magoadas..., às vezes, sem se refazer de algum momento muito difícil que tenham passado. É ali, naquela fenda que se abre naquela escuridão, do aparente caos, que as mais belas sementes de um novo comportamento, de uma nova vida, de novas possibilidades são oferecidas a vocês.

Todas as situações, espiritualmente, são aproveitadas para o crescimento e para a luz.

E lembre-se que as sementes não germinam a olhos vistos. Ao contrário, as sementes de grandes curas se fazem, se tornam aquilo que realmente são dentro dessas trevas, mergulhadas na escuridão.

Então, todos os momentos que vocês vivem, mesmo os momentos de profunda confusão, são momentos de grande importância e de elevação da sua Alma.

Nos momentos em que vocês se sentem impotentes em resolver uma situação, dão a oportunidade do Divino se manifestar, através de outras pessoas, de outras formas, com outras histórias, de outras maneiras.

A Sombra se mostra em suas vidas, pra que a sua Luz possa se expandir.
Então, não tenham tanta pressa em sair, em atravessar o mau momento.

Trabalhem para o seu bem, se fortaleçam na sua luz. Mas, compreendam que é necessário um tempo para atravessar. É necessário o silêncio e a coragem da solidão. De se ouvir, de se escutar.

E saibam que, pra nós, não existem exatamente passos para frente ou passo para trás. A vida é um grande círculo e, às vezes, o passo mais sábio é um passo em que você ganha tempo caminhando pelas laterais. Tenham calma.

Eu aprendi e transformei potenciais inimigos em amigos muito queridos.

Como cortesã, eu aprendi o quanto era rico o meu silêncio. E o quanto era importante eu ouvir o outro, com a atenção que ele merecia. Porque, em muitos relacionamentos que tive, de nada me adiantaria ter respostas. De nada me adiantaria ter posicionamentos.

E muitas histórias que vivi, eu era realmente, completamente impotente. Então, o meu grande exercício de transformação dessa relação era ouvir, era não julgar. Era me tornar, verdadeiramente, amiga até do meu potencial inimigo.

E com este bom sentimento, com esta boa troca, muitos homens, muitos amigos, muitas mulheres se desarmaram. Porque sentiram que não estavam sendo atacadas pela minha pessoa.

E tudo isso começou no silêncio. Todo esse trabalho de troca, de conversa, de diálogo, de crescimento... Começou no silêncio. No silêncio que veio de dentro do meu coração. Do silêncio no qual eu não julguei.

Porque vocês observem, que quando vocês julgam as pessoas, ainda que seja em silêncio, esse julgar será cheio de ruídos, barulhos, pensamentos... E isto não é necessário.

Quando vocês se despem, do julgamento, são capazes de ouvir e de terem a possibilidade de novas interpretações.

Há um crescimento no silêncio.
Há uma barreira a ser vencida pelo silêncio.

A Luz de vocês se manifesta quando há espaço.
E é isso que o silêncio promove: O espaço.

Sirvo com amor.
 Eu tenho atravessado os difíceis Mundos, do egoísmo,  da falta de amor próprio, da insegurança e da solidão, para estar aqui com vocês, me comunicando de Coração para Coração.

Beijo!



Reações:

Um comentário:

  1. Muito lindo. obrigado por isso e continue escrevendo para os corações.

    ResponderExcluir