11 de mar de 2014

ONU adverte que o mundo deve produzir 60% mais alimentos até 2050 para evitar a agitação de massas

AFP Photo / Nicolas Asfouri
AFP Photo / Nicolas Asfouri
As turbulências políticas, conflitos sociais, guerra civil e terrorismo poderia ser todos sobre a mesa, a menos que o mundo aumenta a sua produção de alimentos em 60 por cento vêm de meados do século, a agência de combate à fome principal da ONU, alertou.
A população mundial deve atingir 9 bilhões de pessoas até 2050, o que, aliado à ingestão calórica maior de pessoas cada vez mais ricos, é susceptível de aumentar drasticamente demanda de alimentos durante as próximas décadas, disse Hiroyuki Konuma, o diretor-geral assistente da Alimentação das Nações Unidas e Agricultura da Ásia-Pacífico.
O aumento da demanda de alimentos vem em um momento em que o mundo está investindo menos em pesquisa agrícola, provocando medo entre os cientistas de que a segurança alimentar mundial poderiam ser ameaçadas.
"Se não conseguirmos cumprir o nosso objetivo e uma escassez de alimentos ocorre, haverá um alto risco de agitação social e política, guerras civis e terrorismo e segurança mundial como um todo pode ser afetado", Reuters cita Konuma como dizendo em um -semana da conferência regional de segurança alimentar em Ulan Bator, Mongólia.
Vários fatores podem agravar o potencial de fome apocalípticas. Em novembro, um projecto que vazou de um Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas relatório advertiu que a mudança climática poderia causar uma queda de 2 por cento a cada década do século XXI. Nos últimos três anos, por exemplo, Austrália, Canadá, China, Rússia e os Estados Unidos todos sofreram grandes cheias e secas induzidas perdas de colheita.
Agravando este problema é uma convergência em dietas do mundo, com a dependência de um grupo cada vez menor de culturas deixando oferta mundial de alimentos cada vez mais vulneráveis ​​à pressão inflacionária, insetos e doenças.
"À medida que a população mundial aumenta e aumenta a pressão sobre o nosso sistema alimentar global, o mesmo acontece com a nossa dependência das culturas globais e sistema de produção que nos alimenta", Luigi Guarino, da Global Crop Diversity Trust, disse à BBC no início deste mês.
"O preço de falha de qualquer uma dessas culturas irão tornar-se muito alta."
Registaram-se progressos na luta contra a fome no mundo, com a produção vegetal na Ásia e no Pacífico, onde mais de três quartos de vegetais do mundo são cultivados, com aumento de 25 por cento na última década.
As estimativas da FAO, porém, que 842 milhões de pessoas no mundo permanecem subnutridos, com cerca de dois terços deles vivem na região Ásia-Pacífico. Uma em cada quatro crianças com menos de cinco anos de idade é atrofiado devido à desnutrição.
Para combater o problema, o órgão da ONU delineou duas opções principais: aumentar as áreas de terras aráveis, bem como as taxas de produtividade. A falta de terra arável disponível e as taxas de crescimento mais lento em alimentos básicos têm complicado os esforços para reforçar estes dois pilares da segurança alimentar.
Nos últimos dois anos, as taxas de produtividade para o arroz eo trigo têm girava em torno de 0,6 a 0,8 por cento. Essas taxas teriam se estabilizar em torno de 1 por cento, a fim de compensar a escassez de graves, diz Konuma.
Os ambientalistas também pediram melhores métodos de distribuição de alimentos. Em fevereiro, a FAO, o Banco Mundial e World Resources Institute estimou que o mundo está a perder 25 a 33 por cento dos alimentos que produz - cerca de 4 bilhões de toneladas métricas.
Produção agrícola mais eficiente, melhor meio de armazenamento de alimentos e diversidade biológica, os sistemas alimentares locais menos suscetíveis a mudanças globais também têm sido propostos como soluções para ajudar combater a crescente ameaça de insegurança alimentar.

FONTE:

http://rt.com/news/world-food-security-2050-846/

http://illuminatielitemaldita.blogspot.com.br

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário