29 de jan de 2014

O mito de Jesus



Andando Como um Egípcio
James Patrick Holding

De todos os candidatos à cópias pagãs, estes sãos os dois últimos – com exceção de Buda – que parecem representar maior ameaça. Afinal de contas o Egito não está longe da Palestina, e os judeus moraram no Egito; logo, não é teoricamente improvável que eles pudessem roubar uma idéia para inventar um Jesus a partir deste lugar. Mas será que eles fizeram isso? Este campo está cheio de alegações, mas como sempre há muitos exageros envolvendo a questão. Existe uma grande quantidade de termos Cristãos utilizados indevidamente para descrever eventos egípcios (nem todos são usados com más intenções) e uma grande quantidade de fontes não citadas que possam comprovar alegações absurdas. Sendo este o caso, novamente anunciamos aqui que, por um tempo, este será nosso último artigo sobre cópias de deuses pagãos até que alguém no grupo de Acharya, S / Freke e Gandy dê um passo à frente e forneça uma melhor documentação sobre os boatos dos séculos 18 e 19.

Vejamos então algumas destas assertivas. Por questão de conveniência vou unir as alegações sobre Hórus e Osíris. Estas são as declarações contidas no livro The Christ Conspiracy de autoria de Archarya S. [pgs 114-116]; curiosamente Freke e Gandy não acrescentam nada de novo, na verdade apenas complementam algumas destas.

● Osíris
Possuia mais de 200 nomes divinos, incluindo Rei dos Reis, Senhor dos Senhores, Deus dos Deuses, a Ressurreição e a Vida, Bom Pastor, Pai da Eternidade, o deus que "fez homens e mulheres nascerem de novo."
Sua chegada ao mundo foi anunciada por três Reis Magos: as três estrelas Mintaka, Anilam, e Alnitak no cinturão de Órion, que apontam diretamente para a estrela de Osíris ao leste, Sírius, indicando seu nascimento.
Ele foi uma hóstia simbólica. Seu corpo foi comido numa cerimonia religiosa sob a forma de bolos de trigo, a "planta da Verdade '.
Salmos 23 é uma cópia de um texto egípcio apelando para Osíris o Bom Pastor que conduz o cansado rumo aos "pastos verdejantes" e às "águas tranquilas' das terras de nefer-nefer, a fim de restabelecer a alma e o corpo e, para dar proteção no vale da sombra da morte...
A oração do Pai Nosso foi prefigurada por um hino egípcio à Osiris do início ao fim, “Ó Amém, ó Amém, que estais no céu.” Amém era também citado no final de cada oração.
Os ensinamentos de Jesus e Osíris são maravilhosamente semelhantes. Muitas passagens são identicamente as mesmas, palavra por palavra.
Tal como o Senhor da vinha, um grande mestre viajante que civilizou o mundo. Soberano e juiz dos mortos.
Em sua paixão, Osíris foi alvo de uma conspiração e mais tarde assassinado por Set e "os 72."
A ressurreição de Osíris serviu para dar esperança à todos que também desejam a vida eterna.

● Hórus
Nascido da virgem Ísis-Meri em 25 de dezembro numa caverna/manjedoura, com seu nascimento tendo sido anunciado por uma estrela no Oriente e, visitado por três Reis Magos.
Seu pai terreno chamava-se "Seb" ("José").
Ele era descendente de uma linhagem real.
Aos 12 anos de idade foi uma criança que ensinou no templo e, aos 30 foi batizado, após ter desaparecido por 18 anos.
Foi batizado no rio Eridanus ou Iaurutana (Jordâo) por "Anup o Batizador" (João Batista), que foi decapitado.
Ele teve 12 discípulos, dois dos quais foram suas "testemunhas" e eram chamados "Anup" e "AAn" (os dois "Joãos").
Ele realizou milagres, expulsou demônios e ressuscitou El-Azarus ( "El-Osíris") dos mortos.
Hórus andou sobre as águas.
Seu cognome pessoal era "Iusa" o "Filho eterno desejado" de "Ptah", o "Pai". Ele era chamado de "Divino Filho".
Ele pregou um "Sermão da Montanha", e seus seguidores recitaram as "parábolas de Iusa."
Hórus foi transfigurado no monte.
Ele foi crucificado entre dois ladrões, sepultado por três dias em um túmulo e, em seguida ressuscitado.
Títulos: O Caminho; a Verdade; a Luz; Messias; Ungido Filho de Deus; Filho do homem; Bom Pastor; Cordeiro de Deus; Verbo feito carne; Palavra da Verdade.
Ele foi "o Pescador" e era associado com o Peixe ( "Ichthus"), o Cordeiro e o Leão.
Ele veio para cumprir a lei.
Era chamado de "o KRST" ou "Ungido".
Ele deveria reinar por mil anos.

Essa é uma lista e tanto, mas vamos simplificá-la para começar: Uma boa quantidade dessas alegações – no mínimo a metade – pelo que tenho visto até agora são falsificações. Não há sequer um fragmento de evidência para muitas dessas reivindicações em qualquer livro de religião egípcia que tenho consultado até agora. Portanto, como Clara Peller costumava dizer, Cadê o bife? Onde está a literatura original egípcia que apóia estas alegações? caros defensores dos mitos: não desejamos ouvir de Gerald Massey ou Godfrey Higgins; “queremos as citações originais dos registros egípcios.” Se eu mesmo não recebi isso de nenhum de vocês durante um ano (e eu sei que eles checaram este site, porque eu ouvi deles), vou fazer então de conta que não é possível obter resposta alguma e voltar a mais projetos de cópias. Em alguns casos abaixo, iremos recorrer ao artigo de Glenn Miller sobre cópias pagãs onde ele fez algumas investigações prévias.

Por conveniência começo reproduzindo um "pequeno esboço da vida de Hórus" "contido na Enciclopédia das Religiões sugerida por Miller, na qual também são estabelecidas as bases para Osíris:

"No antigo Egito, haviam vários deuses inicialmente conhecidos pelo nome de Hórus, porém o mais conhecido e mais importante desde o início do período histórico foi o filho de Osíris e Ísis, que era associado com o rei do Egito. De acordo com a lenda, Osíris , que assumiu o domínio da terra logo após sua criação, foi morto por seu irmão ciumento, Seth. A irmã-esposa de Osíris, Ísis, que recolheu os pedaços de seu marido mutilado e o ressucitou, também concebeu seu filho e vigador, Hórus. Hórus lutou com Seth, e, apesar da perda de um olho na batalha, teve sucesso ao conseguir vingar a morte de seu pai tornando-se seu legítimo sucessor. Osíris então tornou-se rei dos mortos e Hórus o rei dos vivos, esta troca era renovada a cada mudança de governo terreno. O mito da realeza divina provavelmente elevou a posição dos deuses tanto quanto elevou a do rei. Na quarta dinastia, o rei, o deus vivo, provavelmente também era um dos maiores deuses, mas por volta da quinta dinastia a supremacia do culto à Rá, o deus sol, era aceito até mesmo pelos reis. O rei Hórus era agora também "filho de Rá." Isto só se tornou possível mitologicamente, ao personificação toda a genealogia antiga de Hórus (o ennead – grupo de nove deuses egípcios - Heliopolitano) como se fosse a deusa Hathor, "casa de Hórus", que também era esposa de Rá e mãe de Hórus.

"Hórus era freqüentemente representado como um falcão, e uma pintura dele o mostra como um grande deus do firmamento cujas asas estendidas enchem os céus; seu olho saudável era o sol e seu olho ferido a lua. Outra pintura dele, particularmente popular no Último Período, era a de uma criança humana mamando no peito de sua mãe, Ísis. Os dois principais centros de adoração ao culto de Hórus localizavam-se em Bekhdet no norte, onde hoje muito pouco ainda resta , e em Idfu no sul, no qual existe um grande e bem preservado templo datado do período ptolomaico. Os mais antigos mitos envolvendo a história de Hórus, bem como os rituais lá realizados, estão registrados em Idfu."

Osíris possuía mais de 200 nomes divinos, incluindo Rei dos Reis, Senhor dos Senhores, Deus dos Deuses, a Ressurreição e a Vida, Bom Pastor, Pai da Eternidade, o deus que "fez homens e mulheres nascerem de novo." Os títulos que tenho encontrado atribuídos à Osíris são [Fraz.AAO] Senhor de tudo, o Bom Ser (o título mais comum), Senhor do Mundo dos Mortos, Senhor/Rei da Eternidade, Soberano dos Mortos, [Griff.OO] Senhor do Ocidente, O Majestoso, [Bud.ERR, 26] ", aquele que se assenta", o Progenitor, o Carneiro, [Bud.ERR, 79] "grande Palavra" (como em, "a palavra do que virá a ser e que não é " - um reflexo da antiga noção do poder criativo da expressão de uma palavra, encontrada também no grego Logos),"Líder dos Espíritos "; [Short.EG, 37] regente da eternidade, [Meek.DL , 31] "deus vivo", "Deus acima dos deuses". Todos estes ou são títulos gerais que seriam de se esperar que fossem atribuídos a qualquer divindade em posição de liderança, ou no mínimo estão relacionados ao domínio dos deuses sobre o mundo dos mortos. Nenhum dos títulos citados se aproxima ou especificamente assemelhasse com os que foram atribuídos a Jesus.

Sua chegada ao mundo foi anunciada por três Reis Magos: as três estrelas Mintaka, Anilam, e Alnitak no cinturão de Órion, que apontam diretamente para a estrela de Osíris ao ocidente, Sírius, indicando seu nascimento. Freke e Gandy somente repetem a última parte sobre a estrela. Porém, embora alguns estudiosos relacionem Osíris com Órion, eles por sua vez, nada sabem sobre reis magos ou uma estrela no ocidente.

Ele foi uma hóstia simbólica. Seu corpo foi comido numa cerimonia religiosa sob a forma de bolos de trigo, a "planta da Verdade ''. Isso não é algo que alguém na literatura acadêmica tenha relatado.

Salmos 23 é uma cópia de um texto egípcio apelando para Osíris, o Bom Pastor, que conduz o cansado rumo aos "pastos verdejantes" e às "águas tranquilas' das terras de nefer-nefer, a fim de restabelecer a alma e o corpo e, para dar proteção no vale da sombra da morte... Se isto é verdade, nenhum comentarista na religião egípcia ou do Antigo Testamento sabe disso. Provavelmente Osíris fosse conhecido como um pastor e, de fato tal imagem era popular no ANE, mas ainda não vi esse termo sendo aplicado a ele por ninguém, a não ser pelos defensores dos mitos.

A oração do Pai Nosso foi prefigurada por um hino egípcio à Osiris do início ao fim, “Ó Amém, ó Amém, que estais no céu.” Amém também era citado no final de cada oração. Neste caso, nós e os especialistas em religião egípcia, queremos saber onde esta oração está registrada. O hebraico "Amém" nunca é usado como uma saudação e quer dizer "que assim seja", o que significa que não é algo "invocado" como é uma divindade. Além disso, vemos aqui uma ligação etimológica baseada nas línguas originais e, não na compatibilidade das letras em Inglês.

Os ensinamentos de Jesus e Osíris são maravilhosamente semelhantes. Muitas passagens são idênticamente as mesmas, palavra por palavra. Se é assim, alguém, com exceção da fonte de Archarya, James Churchward, precisa colocá-las lado a lado, e provar isso. Os estudiosos religiosos egípcios não parecem estar cientes dessas palavras.

Tal como o Senhor da vinha, foi um grande mestre viajante que civilizou o mundo. Soberano e juiz dos mortos. Isso é um tanto não específico. Frazer relatou [Fraz.AAO, vii, 7] que Osíris ensinava o cultivo de uvas e agricultura, estabeleceu as leis Egípcias, ensinou-lhes como prestar culto e, viajou pelo mundo ensinando essas coisas. Mas esta também é a alegação feita sobre Dionísio, e temos respondido esta questão dentro deste artigo. Não que isso tenha importância, já que parece que somente Frazer e mais tarde Freke e Gandy conceberam a idéia de que as duas divindades estão ligadas. Literaturas escritas por estudiosos da religião egípcia não os consideram as mesmas figuras, embora alguns correlacionem Osíris e Órion e, Budge tenha observado as viagens, mas não veja qualquer relação entre Osiris e Dionísio [Bud.ERR, 9]. Em todo caso, em nenhum lugar Osíris é chamado de "Senhor da vinha". Ele é o governante e juiz dos mortos, mas isso não descreve Jesus, que simboliza um Deus que não é Deus dos mortos, "mas dos vivos." No máximo Osíris representa o que pode se esperar de qualquer divindade suprema: domínio e julgamento.

Em sua paixão, Osíris foi alvo de uma conspiração e mais tarde assassinado por Set e "os 72". Esta é uma combinação de falsificação terminológica, meia-verdade, e irrelevância. Não houve uma "paixão" - no referido incidente, de fato houve um complô executado por Set contra Osíris. Houve uma grande festa, em que um caixão foi trazido por Set, ele então incentivou a todos, incluindo os 72 participantes do complô e uma rainha da Etiópia, a deitarem-se nele para verificar as medidas. Finalmente chegou a vez de Osíris, ele foi convencido a deitar no caixão. No momento em que Osíris entrou, Set fechou e pregou o caixão e, o lançou no rio; Osíris morreu sufocado. Observe que os 72 aqui são inimigos de Osíris e não seus discípulos: apenas este número - um múltiplo de 12, um número que ainda valorizamos hoje quando compramos ovos e rosquinhas - é um ponto em comum (e isso somente em algumas passagens de Lucas 10; outros colocam o número em 70, talvez por representar o número de nações Gentias, de acordo com os judeus). Eles não fazem nada que possa ser considerado como o que os discípulos de Jesus fizeram. Conforme consta na narrativa, Ísis, a esposa de Osíris passou a procurar o caixão. Ela o encontra na Síria, onde ele havia sido incorporado à coluna de uma casa. Ela pranteou tão alto que algumas crianças na casa morreram do susto. Mais tarde, ela o levou para fora, abriu a tampa, então ficou procurando por Hórus. Nesse meio tempo Set encontrou o caixão e dilacerou o corpo de Hórus em 14 pedaços, espalhando-os por todos os lugares. Como resultado, Ísis passou a buscar os pedaços e os enterrava a medida que achava um a um. Uma história alternativa mostra Ísis, Anúbis, e Rá unindo novamente as partes do corpo, envolvendo-o com faixas, e revivendo seu corpo – para o propósito relacionado abaixo.

A ressureição de Osíris serviu para dar esperança à todos que também desejam a vida eterna. Aqui encontramos alguns dos maiores usos indevidos da terminologia, incluídos por alguns estudiosos da religião egípcia (os quais não apóiam uma relação com a teoria da cópia pagã!). Osíris ressuscitado? Não se a "ressurreição" for definida como o retorno em um corpo glorificado. Sobre este assunto Miller fez um trabalho fenomenal ao citar as palavras de J. Z. Smith, sendo assim, vou deixá-los que expliquem melhor:

"Osíris foi morto e seu corpo mutilado e espalhado. Os pedaços do corpo foram recuperados e unidos novamente, e a divindade foi rejuvenescida. Entretanto, ele não voltou ao seu antigo modo de vida, ao invés disso viajou pelo mundo subterrâneo, onde se tornou o poderoso senhor dos mortos. De modo algum pode ser dito que Osíris "ressuscitou" no sentido exigido por um padrão de morte e ressurreição (como descrito por Frazer e outros autores.); é quase certo que sua morte nunca foi considerada como um evento anual."


"De maneira alguma o dramático mito de sua morte e reanimação pode ser conciliado com o modelo dos deuses mortos e ressuscitados (como descrito por Frazer e outros)."
"A fórmula repetida 'Levante-se, você não morreu", quer seja aplicada à Osíris ou à um cidadão do Egito, sinalizava uma vida nova e permanente no reino dos mortos."


O autor Frankfort concorda:

"Na verdade, de modo algum Osíris foi um deus 'agonizante', e sim um deus 'morto'. Ele nunca retornou entre os vivos; ele não foi libertado do mundo dos mortos, como foi Tammuz. Pelo contrário, no geral Osíris pertencia ao mundo dos mortos, era a partir de lá que ele concedia suas bênçãos sobre o Egito. Ele sempre foi retratado como uma múmia, um rei morto". [Kingship and the gods: a study of ancient Near Eastern religion as the integration of society & nature. UChicago:1978 edition, p.289]
Talvez a única divindade pagã, para a qual existe uma ressurreição é o egípcio Osíris. Um exame mais atento desta história mostra que ela é muito diferente da ressurreição de Cristo. Osíris não ressuscitou dentre os mortos, ele governava na morada dos mortos. Como escreveu o estudioso bíblico, Roland de Vaux: "O que se entende por Osíris sendo trazido de volta a vida?" Simplesmente que, graças à ajuda de Ísis, ele é capaz de viver uma vida além do túmulo, o qual é uma réplica quase perfeita da existência terrena. Porém ele nunca voltará novamente entre os vivos e somente irá reinar sobre os mortos.… Este deus ressuscitado é na realidade um deus "múmia"... Não, o Osíris mumificado dificilmente serviu de inspiração para o Cristo ressuscitado... Conforme observa Yamauchi, "Os homens comuns aspiravam a identificação com Osíris como aquele que triunfou sobre a morte." Mas é um erro comparar a visão egípcia da vida após a morte com a doutrina bíblica da ressurreição. Para alcançar a imortalidade o egípcio tinha que satisfazer três condições: Primeiro, seu corpo tinha de ser preservado por meio da mumificação. Segundo, a alimentação era fornecida pela própria oferta de pão e cerveja. Terceiro, feitiços mágicos eram sepultados com ele. Seu corpo não ressurgia dos mortos; ao invés disso elementos de sua personalidade - seu Ba e Ka - continuavam a pairar sobre seu corpo. [["The Resurrection of Jesus Christ: Myth, Hoax, or History?" David J. MacLeod, in The Emmaus Journal, V7 #2, Winter 98, p169

Frazer [Fraz.AAO, viii] escreveu que cada homem morto recebia o nome de Osíris por cima do próprio nome, a fim de ser identificado com a divindade.

Portanto, sob nenhum aspecto a "ressurreição" de Osíris representa uma ressurreição de fato – e na prática, era uma espécie de resultado da forma como os deuses egípcios eram, digamos, metade Frankenstein, metade brinquedos de montagem. Existem de fato muitas histórias de deuses egípcios espalhando várias partes do corpo ao redor, para não prejudicar o conjunto, pois "pensava-se que corpos divinos eram imúnes às substituições" [Meek.DL, 57] neste caso, o corpo morto de Osíris não apodreceu e nem se decompôs como se esperava para que fosse montado novamente em conjunto. Foi assim com todos estes deuses egípcios: Seth e Hórus têm uma luta em que atiram excrementos um no outro, em seguida cada um rouba os órgãos genitais do outro [Bud.ERR, 64]. O olho de Hórus é roubado por Set, porém Hórus o toma de volta e o entrega à Osíris, que o devora [ibid., 88]. Hórus teve uma dor de cabeça, e outra divindade se ofereceu para emprestar a própria cabeça para ele até que sua aflição desaparecesse [Meek.DL, 57]. Osíris pagou um preço por ter morrido mutilado, já que ele foi limitado ao mundo dos mortos [e de forma notória alienado como consequência do que se passou "acima da superfície" - Meek.DL, 88-9], mas isto somente porque ele na realidade havia morrido uma vez antes, quando seu pai o matou acidentalmente [ibid., 80].

Hórus
Agora chegamos ao assunto Hórus. Muitos têm algum comentário de Miller, portanto vamos citá-los e fazer acréscimos conforme a necessidade.

· Nascido da virgem Ísis-Meri em 25 de dezembro numa caverna/manjedoura com seu nascimento sendo anunciado por uma estrela no Oriente e visitado por três Reis Magos. A literatura confirma aquilo que Miller sugere, e eu também vi a imagem a que ele se refere abaixo. Não encontrei nenhuma referência à uma caverna/manjedoura - Frazer [Fraz.AAO, 8], afirma que Hórus nasceu num pântano, e não sabe nada acerca de uma estrela ou sobre o número de Reis Magos.


...Hórus certamente NÃO nasceu de uma virgem. Na verdade, um antigo relevo egípcio retrata essa concepção, ao mostrar sua mãe Ísis na forma de um falcão, pairando sobre o pênis ereto de um Osíris prostrado e morto no Mundo dos mortos (EOR, sv.. "Phallus"). E a questão do 25 de Dezembro não é importante para nós – em lugar nenhum do Novo Testamento esta data é associada ao nascimento de Jesus.


Na realidade, a descrição da concepção de Hórus irá mostrar exatamente os elementos sexuais que caraterizam "nascimentos milagrosos" pagãos, como observado anteriormente por estudiosos:

"Mas depois dela [isto é, Ísis] tê-lo trazido [isto é, o corpo de Osíris] de volta ao Egito, Seth conseguiu se apossar do corpo de Osíris novamente e o despedaçou em catorze partes, as quais ele espalhou por toda a terra do Egito. Ísis então saiu uma segunda vez em busca do corpo de Osíris e enterrou cada parte no lugar em que ela encontrava (por isso o grande número de túmulos de Osíris existentes no Egito). A única parte que ela não encontrou foi o pênis do deus, pois Seth o havia jogado no rio, onde o membro foi comido por um peixe; Ísis, então moldou um pênis artificial para colocar no lugar do que havia sido cortado. Ela também teve relações sexuais com Osíris após a morte dele, o que resultou na concepção e nascimento de seu filho póstumo, Harpocrates, Hórus o Filho. Osíris tornou-se rei do mundo dos mortos e, Hórus começou a lutar com Seth..." [CANE: 2:1702; grifo meu] [A PROPÓSITO, a palavra hebraica 'Satanás' de qualquer maneira não é um 'cognato' do nome "seth": "A raiz *STN não aparece em nenhum jargão de cognatos em textos que sejam anteriores ou contemporâneos às suas ocorrências na Bíblia hebraica "DDD, sv 1369f]

A única referência que tenho encontrado sobre o nascimento de Hórus é que ele nasceu no dia 31 do mês de Khoiak Egípcio - os estudiosos e defensores dos mitos pagãos têm uma chance em 365 de que isto combine com 25 de dezembro! Archarya acrescenta, usando Massey como uma provável fonte, a alegação de que nas paredes do Templo em Luxor existe uma cena mostrando a "Anunciação, Imaculada Conceição, Nascimento e Adoração de Hórus, com Thoth anunciando à Virgem Ísis que ela irá dar à luz; com Kenph, o "Espírito Santo", engravidando a virgem ", concluindo com a visita dos três Reis Magos. Por alguma razão nem Archarya nem Massey fornecem um nome ou número para este relevo, ou um local mais específico do que o Templo em Luxor, que é um lugar bastante grande e inacessível para a maioria dos leitores dela. Quando pressionada em seu website por um leitor que investigava o assunto, Archarya fez um jogo de palavras - "Isis é a constelação de Virgo a Virgem, assim como a Lua, que se torna uma "virgem" durante o período de Lua Nova. O deus sol - neste caso, Hórus - é nascido desta deusa virgem". - E devemos concluir, segundo ela, que isso alude à um documento do 6º século dC! Em momento algum apresenta-se uma confirmação para a ligação Ísis-Virgem; seria o mesmo que dizer "Ísis é Gomer, a prostituta". Se tal relevo existe de fato, é apenas aquilo que Archarya pensa ser através da interpretação de Massey. (Recentemente um escritor enviou esta descrição de um site egípcio de viagens:
"Acreditava-se que a Realeza fora decretada pelos deuses no início dos tempos de acordo com ma'at, o reinado bem organizado de verdade, justiça, e ordem cósmica. O rei soberano era também o filho físico do deus sol criador. Esta concepção divina e nascimento foi registrada nas paredes do Templo em Luxor, em Deir el-Bahri, e em outros templos reais por todo o Egito. O rei era também uma encarnação do Dinástico deus Hórus, e quando morto, foi identificado com Osíris, o pai de Hórus. Este rei vivo era portanto uma única entidade, a encarnação viva da divindade, escolhido divinamente como um mediador, que poderia atuar como um sacerdote em favor de toda a nação, recitando orações, oferecendo sacrifícios... Um átrio cercado por colunas do rei Akenatom III está unido ao interior de uma sala imponente com teto plano apoiada sobre várias fileiras de colunas, o qual é o primeiro aposento interno originalmente coberto e fazia parte do templo. Isto conduz à uma sucessão de antecâmaras com salas auxiliares. O quarto do nascimento a leste da segunda antecâmara é decorado com relevos que retratam o nascimento simbólico divino de Akenatom III, resultante da união de sua mãe Mutemwiya e o deus Amun. O santuário inclui um edifício à parte adicionado por Alexandre o Grande dentro da câmara maior criada por Akenatom III. Relevos bem preservados mostram o santuário transportável de Amun e outras cenas do rei, na presença dos deuses. O santuário de Akenatom III é o último aposento sobre o eixo central do templo."
Este relato é significativamente desprovido de uma concepção ou nascimento virginal, de Reis Magos, ou de um Espírito Santo. Você pode até insistir numa adoração que não existe aqui, mas seja como for, quem é que não adora um recém-nascido? Agora, dê uma olhada no trunfo fornecido por um cético irritado com a tese de Archarya; aqui.)

Seu pai terreno chamava-se "Seb" ("José"). Na verdade Seb era o deus-terra e não o “pai terreno", mas ao invés da própria terra (como Nut que simbolizava o céu), ele era o pai de Osíris, não de Hórus ", embora um de meus prestativos pesquisadores tenha me dito que existe uma versão na qual Hórus era o filho de Seb. Cuidado, não caia no truque da etimologia: você não pode concluir que "Seb" é "José" apenas colocando os nomes lado a lado.
Ele era descendente de uma linhagem real. Obviamente verdade, e Hórus era freqüentemente identificado com a vida de Faraó, mas isto é tão banal quanto sem importância.
Aos 12 anos de idade foi uma criança que ensinou no templo, e aos 30 foi batizado, após ter desaparecido por 18 anos.
Foi batizado no rio Eridanus ou Iaurutana (Jordão) por "Anup o Batizador" (João Batista), que foi decapitado.
Ele teve 12 discípulos, dois dos quais foram suas "testemunhas" e eram chamados "Anup" e "AAn" (os dois "Joãos"). Eruditos da religião egípcia não conhecem nenhum desses. Quanto à esta última alegação Miller observa:

...Minha pesquisa na literatura acadêmica não revela esta informação. Encontrei referências à QUATRO "discípulos" – de diversas maneiras chamados de os semi-divinos HERU-SHEMSU ("Seguidores de Hórus") [GOE: 1,491]. Encontrei referências à DEZESSEIS seguidores humanos (GOE: 1,196). E encontrei referências à um grupo INCONTÁVEL de seguidores chamados mesniu / mesnitu ("ferreiros") que acompanhavam Hórus em algumas de suas batalhas [GOE: 1.475f; embora estes possam ser identificados com os HERU-SHEMSU no texto GOE: 1,84]. Mas não consigo encontrar DOZE DISCÍPULOS em qualquer lugar... Hórus NÃO é o deus-sol (este é Rá), portanto não podemos recorrer a afirmação de que "todos os deuses solares têm doze discípulos - no Zodíaco" como é de costume.]

Ele realizou milagres, expulsou demônios e ressuscitou El-Azarus ( "El-Osíris") dos mortos. Miller observa:

Histórias de milagres são abundantes, mesmo entre grupos religiosos que eventualmente não poderiam ter exercido influência mútua, tais como grupos latino-americanos (por exemplo os Astecas) e os Romanos, portanto esta "semelhança" não implica nenhum significado. Não encontro em LUGAR ALGUM da literatura acadêmica referências a esta ressurreição específica. Tenho examinado todas as formas do nome El-Azarus sem êxito. O fato de que algo tão notável nem sequer é mencionado nas modernas obras de Egiptologia indica seu status questionável. Simplesmente é algo que não pode ser apresentado como prova sem que exista ALGUMA fundamentação autêntica. O mais próximo disso que pude encontrar, está no papel que Hórus desempenha em seu funeral oficial, no qual ele "apresenta" um recém-morto à Osíris e à seu reino dos mortos. No Livro dos Mortos, por exemplo, Hórus apresenta para Osíris o recém-morto Ani e, pede que Osíris o receba e tome conta dele (GOE: 1,490).


Hórus andou sobre as águas. Não que eu tenha encontrado, na verdade ele foi jogado na água (veja abaixo).
Seu cognome pessoal era "Iusa" o "Filho eterno desejado" de "Ptah", o "Pai". Ele era chamado de "Divino Filho". Miller diz:

Este fato também escapou à minha investigação. Examinei provavelmente 50 títulos das diversas divindades de Hórus, e a maioria dos principais índices de referências Egípcias padrão praticamente não contêm nada a respeito destas alegações. Encontrei uma cidade chamada "Iusaas" [GOE: 1,85], uma divindade árabe pré-islâmica também de nome "Iusaas", cogitada por alguns como sendo igual ao deus egípcio Tehuti / Thoth [GOE: 2,289], e uma equivalente fêminina denominada "Iusaaset" [GOE: 1,354]. Mas nenhuma referência à Hórus como sendo "Iusa"... ]

Ele pregou um "Sermão da Montanha", e seus seguidores recitaram as "parábolas de Iusa."
Hórus foi transfigurado no monte.
Ele foi crucificado entre dois ladrões, sepultado por três dias em um túmulo e, em seguida ressuscitado. Nenhuma destas três afirmações sequer pode ser encontrada. Sobre a última Miller escreve:

Não consigo SEQUER encontrar referências à Hórus morrendo, até que mais tarde ele se torna "um" com Rá o deus Sol, após isso ele 'morre' e 'renasce' todos os dias a medida que o sol nasce. E mesmo nesta "morte", não há em lugar algum nenhuma referência à um túmulo...
Encontrei na obra de Budge uma hipótese de que Hórus havia morrido e seus pedaços lançados nas águas, e que seus membros foram pescados por Sebek, o deus crocodilo, a pedido de Ísis. Porém, na melhor das hipóteses, isso é uma espécie de batismo engraçado (veja acima). Outra fonte regista uma história onde Hórus é picado por uma serpente e revivido, o que ainda assim não é bem uma semelhança.
Títulos: O Caminho, a Verdade, a Luz; Messias; Ungido Filho de Deus, Filho do homem; Bom Pastor; Cordeiro de Deus; Verbo feito carne; Palavra da Verdade. Encontrei estes títulos: [Bud.ERR, 78] Grande Deus, Senhor dos Poderes, Mestre do Céu, Vingador de Seu Pai (considerando-se que ele derrotou Set, o qual havia "assassinado" Osíris). É provável que ele fosse chamado apropriadamente de "Filho do Homem", como o filho da realeza (veja aqui), mas não tenho encontrado nenhuma evidência que confirme isso.

Ele foi "o Pescador" e era associado com o Peixe ( "Ichthus"), o Cordeiro e o Leão.
Ele veio para cumprir a lei.
Era chamado de "o KRST" ou "Ungido".
Ele deveria reinar por mil anos. Não tenho achado nenhuma evidência para qualquer uma dessas quatro últimas alegações


SALMO 23 CÓPIA DE HINO A OSÍRIS


By  Miriam Cristina Alves Avila
Roland De Vaux revolucionou os estudos bíblicos, nasceu em Paris no ano de 1903 e faleceu em 1971.Foi diretor da famosa escola Ecole Bíblique de Jerusalém (1945 – 1965), foi arqueólogo, historiador, Dominicano e Doutor em Teologia.
Ele diz que embora com o tempo o salmo DE Osíris tenha sofrido algumas modificações pelas mãos dos bispos, e tenha sido conhecido como sendo da autoria de Davi, ele ainda continua muito semelhante ao original.
     O uso da vara também denominada mangal, e do cajado que no Egito significam disciplina e condução, vem dos primórdios e aparecia sempre sendo usado por Osíris seguido de Hórus, a partir daí todos os faraós os usavam.             
     O salmo de número 23 da bíblia remonta dos primórdios e originou-se no Egito, onde os antigos escribas faziam suas súplicas a Osíris, e diz mais ou menos assim:
Osíris Amém!  O senhor é o meu pastor e nada me faltará.
Tu me fazes repousar em pastos verdejantes.

Leva-me para junto das águas de descanso no paraíso das terras de Nefér (terras de beleza ou perfeição).

Refrigera minha alma. Guia-me pelas veredas de Maat (da verdade e justiça) por amor de seu nome.
Ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte, não temerei mal algum, porque tu Osíris Amém (que está em oculto) estás comigo: a tua vara e o teu cajado me consolam.

Preparas uma mesa no tribunal dos mortos e na presença de meus adversários unges-me a cabeça com óleo, e o meu cálice transborda.

Bondade e misericórdia certamente me seguirão todos os dias de minha vida; e habitarei em Betel na casa do Senhor para todo o sempre.

Osíris Amém! O senhor é o meu pastor e nada me faltará.

Osíris, além de receber mais de 200 nomes divinos, também era chamado de bom pastor, títulos estes que logo também passaram para Hórus.

A tua vara e o teu cajado me consolam...
Preparas uma mesa no tribunal dos mortos...
E Habitarei em Betel, na casa do senhor para todo o sempre.       
           Plutarco de Queroneia, filósofo grego (46 a 126 DC), estudou na famosa      academia de Atenas cujo fundador foi Platão e assim como muitas pessoas também foi explorar o Egito e escreveu sobre suas descobertas em uma obra denominada Ísis e Osíris, Essa obra esta plenamente preservada na nova biblioteca de Alexandria no Egito e também possui muitas semelhanças com a história de Jesus, a obra possui algumas divisões, que podem ser descritas em 14 divisões ou estações, como se segue abaixo.
           O nascimento de Osíris.    
           Coroação e reinado.  
           As andanças pelo mundo.   
           A traição de Set.    
           O sofrimento de Ísis.    
           A procura de Ísis pelo corpo.   
           O encontro de Osíris morto e despedaçado.
           A reconstituição do corpo.
           Lamentações de Ísis.     
           Descida de Osíris ao mundo dos mortos e sua ascensão para o reino do céu.
           Anunciação da concepção de Hórus.
           Nascimento de Hórus.                                                                          
           Lutas de Hórus contra Set.(origem da palavra satanás)    
           Triunfo de Hórus.
           Plutarco nos trás a seguinte inscrição dos textos das pirâmides: Nasceu Osíris o cordeiro divino, senhor do mundo no meio do céu do ventre de Nut. Ide e adorá-lo sobre o tufo de papiro onde a divina criança repousa.
           No reinado de Osíris a paz predominava, e segundo os registros da história, ele andou pelo mundo transformando os homens e tirando-lhes os instintos animalizados. Também lhes ensinou a justiça, o conhecimento da terra, o plantio e a colheita, à preparação das uvas para fabricação de vinho, e muitos outros ensinamentos. Devido ao cultivo das uvas, dentre seus inúmeros títulos divinos também era chamado senhor da vinha.
           Conta á história que Osíris tinha poder de curar e era amado pelo povo, e isso também foi uma das causas que deixaram Set ainda mais enciumado e encolerizado, e para tomar o lugar de Osíris, logo planejou a sua morte enquanto ele estava em suas andanças pelo mundo. Após a morte de Osíris, Ísis ainda virgem e grávida de Hórus o mediador alado entre Deus e os homens, portador da lança divina, e própria essência de Osíris que renasceria para acabar com as trevas de Set, teve que fugir e esconder-se para que o menino nascesse em segurança longe dos olhos de Set.
Após a morte de Osíris, os sacerdotes passaram a beber o vinho e comer o pão em uma cerimônia em sua homenagem onde o pão era repartido conforme as partes de seu corpo que fora despedaçado por Set, daí derivou-se a santa ceia. Da mesma maneira, depois do nascimento de Hórus, eles passaram a comemorar o seu nascimento, Natal ou (Navidá), e isso aconteceu milênios antes da era cristã. Além da cerimônia do pão e do vinho em homenagem a Osíris e a comemoração do nascimento de Hórus. Os sacerdotes também encenavam a paixão de Osíris diante dos templos como em um teatro e os participantes da encenação usavam mascaras de diversas divindades envolvidas, enquanto outro sacerdote narrava ás passagens da história.   
http://reacionalizacao.blogspot.com.br/2013/05/o-mito-de-jesus.html
Reações:

Um comentário:

  1. Olá Jú!!!

    Eu já algum tempo atrás eu assisti esse vídeo, e realmente nos mostra as realidades de q a tanto tempo ficou retido da humanidade! Mas agora...isso hj é algo do passado...as pessoas só continuarão ainda na ignorância se quiserem!
    Um dia Juliana eu passei esse mesmo vídeo para uma pessoa, e depois q a mesma assistiu....e em seguida me disse q preferiria a mentira do q essa verdade, pq eu sem esse "Jesus" quem sou eu??!!!
    E q isso resultou em q essa mesma pessoa me deletou, alegando q não suportava as coisas em q eu publicava lá no face! Então assim essa pessoa preferiu a mentira q conforta do a verdade q incomoda!
    Infelizmente mesmo com tudo aí vindo atona, muitos ainda vão preferir morrer abraçado com a escuridão da ignorância!

    Valeu pela matéria.....bjs em seu coração!!!
    Sucessos ainda mais para sua bela casinha!

    ResponderExcluir