24 de jan de 2014

Máfia



Máfia é uma estrutura criminosa administrada por um grupo anônimo, inserida de forma oculta em todos os setores da sociedade e das esferas institucionais. Seus integrantes são conhecidos como mafiosos. Ela estende seus tentáculos por todos os círculos estatais, pelo universo capitalista, penetrando nos meandros financeiros e políticos.
Mas esta organização transcende o viés dos estabelecimentos públicos e privados, ela atinge o cerne da própria vida social e cultural, transformando-se em um fenômeno amplamente aceito por boa parte da sociedade. Além disso, embora tenha vínculos com a esfera legal, ela age no perímetro ilegal, à margem das normas estatais.
Os mafiosos atuam oferecendo proteção a quem lhes convém ter como aliados, fazendeiros e comerciantes das cidades interioranas, primeira etapa da infiltração da Máfia, no seu berço, quando é comumente conhecida como protomáfia. Neste momento, em pleno século XIX, na Itália imperava o sistema dos grandes latifúndios, que mantinha á disposição dos poderosos senhores inúmeros camponeses desprovidos de terras, à beira da miséria.
Com tantos passando fome, tem início uma onda de assaltos e furtos, portanto abre-se o campo para que muitos ofereçam segurança aos donos das propriedades. Com o tempo, estes protetores se desenvolvem e estruturam, não tardando para que esta tarefa cumprida à margem do Estado se torne ilegal, uma vez que revela ser extremamente lucrativa, estendendo-se também para os proprietários de estabelecimentos comerciais urbanos.
Com a estruturação do Estado, a máfia recém-nascida começa a interferir junto aos representantes da esfera pública, se insinuando em negócios suspeitos, principalmente na questão das licitações. Quanto mais cresce e se fortalece o Estado, mais a máfia se desenvolve, infiltrando-se também nos mecanismos que regem o capitalismo da Itália, berço dos principais grupos mafiosos. Logicamente os agentes estatais também lucram com esta parceria, bem como o circuito privado da economia.
A máfia não se limita a esta relação de auxílio mútuo. Ela segue exercendo ascendência sobre membros do Governo responsáveis por decidirem questões cruciais; domina cada vez mais o contrabando das mais variadas mercadorias, especialmente de cigarros; contrata pistoleiros para exercitar sua própria justiça e parte para o explosivo tráfico de drogas.
Desta forma as organizações mafiosas atraem a atenção de juízes e procuradores, bem como da população em geral, os quais passam a acossar os mafiosos. Quando a situação se torna insustentável para a Máfia, seus líderes começam a compactuar com integrantes importantes da Justiça, da Polícia e do Estado, que fecham os olhos para seus crimes.
Nos anos 80, porém, os italianos se cansaram de viver com medo. Instâncias jurídicas e penais foram transmutadas e aparelhadas de forma mais severa para assim combaterem o sistema mafioso, então concretamente constituído na Itália. A Operação Mãos Limpas permitiu, neste contexto, que se detivesse, julgasse e condenasse centenas de membros desta organização criminosa. Embora seus chefes, conhecidos como ‘Capos’ e ‘Dons’, reagissem duramente, assassinando muitos juízes e promotores, a Máfia se desgastou muito neste processo e viu-se desprovida de seu antigo prestígio.
Na Itália tornaram-se célebres, na realidade, mas também no universo ficcional, diversos grupos, tais como a Cosa Nostra, que nasceu na Sicília; A Camorra, de Nápoles e a Ndrangheta, da Calábria. A organização mafiosa foi concebida no sul da região italiana, durante a era medieval. Seus fundadores eram trabalhadores do campo que arrendavam propriedades dos grandes senhores feudais. Surgiu então o célebre mecanismo de proteção compulsória, diante de saques e roubos a estas fazendas.
Este sistema se disseminou por todos os recantos do Planeta, especialmente pelos EUA. A produção O Poderoso Chefão narra o desenvolvimento do crime organizado nos Estados Unidos.

Wikipédia
A Máfia é uma organização criminosa cujas atividades estão submetidas a uma direção colegial oculta e que repousa numa estratégia de infiltração da sociedade civil e das instituições. Pode-se também falar de sistema mafioso. Os membros são chamados mafiosi (no singular:mafioso).
O termo máfia, com a inicial minúscula, é frequentemente utilizado para designar toda e qualquer organização criminosa.
Origens
Na Itália existem diversas máfias, sendo mais conhecida a “Cosa Nostra” (em português “nosso assunto” ou “nossa coisa”), de origem siciliana. A Camorra, napolitana, e a ’Ndrangheta,da Calábria são outras conhecidas associações mafiosas.
A Máfia surgiu no sul da Itália na época medieval. Seus membros eram lavradores arrendatários de terras pertencentes a poderosos senhores feudais. Mas eles pretendiam dividir essas terras e, para isso, começaram a depredar o gado e as plantações. Quem quisesse evitar esse vandalismo deveria fazer um acordo com a máfia. Da Itália, a indústria da “proteção forçada” se espalhou para o mundo inteiro, em especial para os Estados Unidos. O filme The Godfather conta a história do crescimento da máfia nos EUA.
A palavra “mafia” foi tirada do adjetivo siciliano mafiusu, que tem suas raízes no árabe mahyas, que significa “alarde agressivo, jactância” ou marfud, que significa “rejeitado”. Traduzido livremente, significa bravo. Referindo-se a um homem, mafiusu, no século XIX, significava alguém ambíguo, arrogante, mas destemido; empreendedor; orgulhoso, de acordo com o acadêmico Diego Gambetta.
De acordo com o etnógrafo siciliano Giuseppe Pitrè, a associação da palavra com a sociedade criminosa foi feita em 1863 com a peça I mafiusi di la Vicaria (O Belo Povo da Vicaria) de Giuseppe Rizzotto e Gaetano Mosca, que trata de gangues criminosas na prisão de Palermo. As palavras Máfia e mafiusi (plural de mafiusu) não são mencionadas na peça e foram, provavelmente, inseridas no título para despertar a atenção local.
A associação entre mafiusi e gangues criminosas foi feita através da associação que o título da peça fez com as gangues criminosas, que eram novidade nas sociedades siciliana e italiana àquela época. Consequentemente, a palavra “máfia” foi criada por uma fonte de ficção vagamente inspirada pela realidade e foi utilizada por forasteiros para descrevê-la. O uso do termo “máfia” foi posteriormente apropriado pelos relatórios do governo italiano a respeito do fenômeno. A palavra “mafia” apareceu oficialmente pela primeira vez em 1865 num relatório do prefeito de Palermo, Filippo Antonio Gualterio.
Leopoldo Franchetti, um deputado italiano que viajou à Sicília e que escreveu um dos primeiros relatórios oficiais sobre a máfia em 1876, descreveu a designação do termo “Mafia”: “o termo máfia encontrou uma classe de criminosos violentos pronta e esperando um nome para defini-la e, dado ao caráter e importância especial na sociedade siciliana, eles tinham o direito a um nome diferente do utilizado para definir criminosos comuns em outros países.”
Operação “Mãos Limpas”
Em meados dos anos 1980, a Máfia atuava até mesmo na esfera pública italiana. Empresários, políticos de diversos cargos e achacadores compunham um sistema sólido, ao qual resistir implicava sérios riscos. Mas a sociedade italiana não se deixaria dominar pelo crime organizado por tanto tempo. Os sistemas Penal e Judiciário foram modificados e dotados de instrumentos mais duros de combate ao crime organizado. Durante a Operação “Mãos Limpas”, centenas de mafiosos foram presos, levados a julgamento e condenados. Até mesmo o primeiro-ministro Giulio Andreotti foi acusado de envolvimento com mafiosos (e absolvido em 1995). A reação destes não tardou: 24 juízes e promotores foram assassinados enquanto a Máfia era investigada. Embora ela não desaparecesse por completo, perdeu muito poder embora sua aura ainda seja preservada em filmes e histórias. Seu declínio é uma prova categórica da teoria defendida por muitos – a de que o crime organizado só é neutralizado mediante enérgicas ações do Estado e da sociedade.
Apesar do sucesso da operação Mãos Limpas no combate à máfia italiana, sabe-se contudo que a principal motivação desta operação foi a de desviar a atenção da opinião pública das graves denúncias que o dissidente Vladimir Bukovski trouxe dos Arquivos de Moscovo.
Houve diversos membros de máfias que se destacaram na história. Os famosos Dons e Capos, como eram conhecidos no pais das famílias. Em sua maioria eram de origem italiana. Entre eles se destacam: Al Capone, Lucky Luciano, Don Saro e Tomaso Buscetta.
O caso dos Cordopatri
Um caso bastante famoso que ilustra o poder e a influência da Máfia entre os italianos é o da calabresa Teresa Cordopatri. Seu pai, Domenico, lhe havia deixado como herança olivais que ela e seu irmão, Antonio, desejaram perpetrar, respeitando a tradição da família. Mas os mafiosos estavam de olho nas terras dos Cordopatri, e fizeram reiteradas ameaças a estes. A má vontade dos Cordopatri em tratar com os criminosos – eles não abriram mão de suas férteis terras, ao contrário de outros conterrâneos – acabou por condená-los ao isolamento, ou seja, ninguém gostaria, por óbvios motivos de segurança, de fazer negócios com gente que contrariava os interesses dos mafiosos. Inclusive, os bandidos coagiram Antonio a comparecer a uma reunião. Pouco depois de insultar, nessa reunião, Saverio Mammoliti (também conhecido como Don Saro e membro de uma das mais poderosas famílias mafiosas da Calábria e que perguntara quando Antonio venderia suas terras – por um décimo do valor de mercado), Antonio foi assassinado na frente de sua casa.
Remoída pela dor, Teresa fez a si mesma um juramento pelo qual não só aqueles criminosos seriam punidos, como a ’Ndrangheta jamais colocaria as mãos nas terras dos Cordopatri. A persistência e a coragem de Teresa – mulher de fibra e força de vontade – foram recompensadas em 1992, quando Don Saro e vários outros membros do clã Mammoliti foram condenados a penas que variavam de 5 anos de prisão à prisão perpétua, caso de Francesco Mammoliti, filho de Saverio e mandante do assassinato de Antonio Cordopatri.
Principais famílias da Itália
Barletta
Iniciada em 1960 por Vito Barletta, foi uma das grandes famílias que cresceram apenas na Itália, onde vendiam armas e narcóticos, sendo assim a família mais rica e poderosa da época. Havia poucos capangas, pois o próprio Don Vito assassinou o Don Turin, tendo acordo com a família Cordopatri. Em 1985 Vito vingou o assassinato de Luca Mezza, seu sócio da Mafia, e se “suicidou” após ter conseguido o domínio total.
Turin
A família Turin teve uma grande parte de seus homens mortos após pequena guerra contra os Barletta, teve seu reinado no comércio de drogas e armas no período de 1973 a 1975 teve seu fim decretado em 1992 devido a má fase a crise e a ameaças da família Barletta.
Cordopatri
A família Cordopatri foi quem espalhou a máfia para os EUA era conhecida pela alta venda de armas sempre favorecendo as fámilias maiores, em 1986 venderam um alto valor de armas a família Stracci, os Stracci não pagaram então os Cordopatri mandaram homens para matá-los mas não deu certo e acabaram mortos, e os poucos que viveram resolveram encerrar com o comércio.
Gerevini
Provenientes de Castelfranco D’óglio, na província de Cremona, eram importante peça da máfia italiana. Eram muito discretos no que faziam e exigiam sigilo total, talvez por isso não são tão citados. Tinham uma provável co-ligação com os “Cosa Nostra”. Eram frios e conhecidos por não deixar rastros(prova disso, é que hoje não se encontram arquivos e fichas policiais sobre os mesmos).
Amorielle
A família Amorielle iniciada em 1902 por Alero Amorielle, conhecida pela sua vasta ficha criminal, foi acusada de fraudes a bancos, comércio de narcóticos e armas, teve seu lugar garantido entre grandes famílias como Cordopatri e Cosa Nostra. Os Amorielle eram conhecidos como a Máfia da Duplicidade. Grande parte dos integrantes da família foram mortos nos conflitos com outras famílias, e até os dias atuais não se sabe o paradeiro da família Amorielle.
Cosa Nostra
A maior família mafiosa italiana que era conhecida por dar fim nas outras famílias também pelo seu temperamento frio. Foram responsáveis pela exterminação de famílias consagradas como Cordopatri, Fellicci, Mammoliti e outras. Em meados de 1980 Don Vito matou seu próprio irmão por causa de disputa do cargo. Don Vito acabou sendo morto em 1983 com 6 tiros por um capanga da Família Mammoliti do qual o nome não identificado. o Don de Ni Carlos foi o mais poderoso chefe da família Cosa Nostra responsavel pela guerra entre as Fámilias Bellucci, Corleone, Turin, Brelloti e Cosa Nostra em 1955 do qual os Cosa Nostra venceram.
Outras famílias pequenas da máfia italiana
Bellucci [1982-1985] (Cosa Nostra)
Corleone [1992-1995] (Stracci)
Fellicci [1930-1955] (Cosa Nostra)
Bukovski [1956-1989] (Cosa Nostra)
Buscetta [1958-?] (?)
Ranzatti [1942-?] (?)
Reggi [1944-?] (?)
Luciano [1950-1993] (?)
Andreotti [1980-1991] (Stracci)
Franchetti [1938-1967] (Turin)
Stracci [1950-1955] (?)
Wilds [2006-2010]
As famílias Camorra, Ndrangheta, Lucci, Barriolli, Fitri, Berluccini, Gritti, Guzzetti, Siccili, Tulicci, Lopartti, Massola, Tattaglia, Fugalli, Monni, Broloni não se sabe origem e nem fim.
Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/M%C3%A1fia
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário