10 de set de 2013

O maior perigo que a humanidade enfrenta... Enquanto todos estamos focados na Síria, existe um perigo muito maior no mundo . É o desastre de Fukushima, cujos reactores derretem enquanto falamos.


O mundo está numa encruzilhada crítica. O desastre de Fukushima, no Japão trouxe à tona os perigos da radiação nuclear no mundo inteiro.

A crise no Japão tem sido descrita como "uma guerra nuclear sem guerra." Nas palavras do renomeado escritor Haruki Murakami:
 

"Desta vez ninguém  atirou uma bomba sobre nós ...fomos nós que montamos o palco e por isso cometemos o crime com as próprias mãos. Estamos a destruir as nossas próprias terras e estamos a destruir as nossas vidas."
 


A radiação nuclear que ameaça a vida no planeta Terra não é notícia de primeira página, em comparação com as questões mais insignificantes de interesse público, incluindo a cena do crime a nível local ou os relatórios dos tablóides de fofocas sobre celebridades de Hollywood.
 


Enquanto as repercussões a longo prazo do desastre nuclear de Fukushima Daiichi estão ainda a ser plenamente avaliadas, elas são muito mais graves do que aqueles referentes à 1986 desastre de Chernobyl, na Ucrânia, do que resultou  quase um milhão de mortes
 

Além disso, enquanto todos os olhos estavam fixos na central Fukushima Daiichi, a cobertura de notícias no Japão e internacionalmente não conseguiu reconhecer plenamente os impactos de uma segunda catástrofe em (Tokyo Electric Power Co Inc) Fukushima Daini central nuclear da Tepco.
 


O consenso político no Japão,  EUA e  Europa Ocidental é que a crise em Fukushima foi contida.
 

As realidades, no entanto, são em contrário. Fukushima 3 estava a vazar quantidades não confirmadas de plutónio. Segundo a Dra. Helen Caldicott ", um milionésimo de uma grama de plutónio, se inalado pode causar câncer".
 

Uma pesquisa de opinião de Maio 2011 confirmou que mais de 80 por cento da população japonesa, não acredita nas informações do governo sobre a crise nuclear. (Citado em Sherwood Ross, Fukushima: Japão segundo desastre nuclear, Global Research, 10 de novembro de 2011)
 


Os impactos no Japão
O governo japonês foi obrigado a reconhecer que "a classificação de gravidade da crise nuclear ... é a mesma do desastre  de 1986 em Chernobyl". Numa amarga ironia, no entanto, esta admissão tácita pelas autoridades japonesas provou ter sido parte do cover-up de uma catástrofe significativamente maior, resultando num processo de radiação nuclear global e a contaminação respectiva:
"Apesar de Chernobyl ter sido um desastre sem precedentes, só ocorreu num reactor e este rapidamente derreteu.

 Contaminação em todo o mundo

O despejo de água altamente radioactiva para o Oceano Pacífico constitui um potencial rastilho para um processo de contaminação radioactiva global. Elementos radioactivos não só foram detectados na cadeia alimentar no Japão, a água da chuva radioactiva foi registada na Califórnia:

"Elementos radioactivos perigosos estão a ser lançados no mar e ar em torno de Fukushima acumulam-se a cada passo de várias cadeias alimentares (por exemplo, em algas, crustáceos, peixes pequenos, peixes maiores, então dos seres humanos, ou do solo, da erva, carne de vaca e leite, em seguida, nos seres humanos). Entrando no corpo, estes elementos - chamados emissores internos - migram para órgãos específicos, tais como a tiróide,  fígado, ossos e cérebro, irradiando continuamente pequenas quantidades de células, com doses elevadas de alfa, beta e / ou radiação gama, que  ao longo de muitos anos vai induzir o câncer ". (Helen Caldicott, Fukushima: apologistas nucleares Jogar Shoot the Messenger em radiação, The Age, 26 de abril de 2011)
Enquanto que  a propagação da radiação para a Costa Oeste da América do Norte foi reconhecida casualmente, nos primeiros relatos da imprensa (AP e Reuters), "citando fontes diplomáticas", afirmou que apenas "pequenas quantidades de partículas radioactivas chegaram à Califórnia, mas não representam uma ameaça para a saúde humana. "

 Michel Chossudovsky (Editor)I-Book No. 3,  de 25 de janeiro de 2012


Texto integral: Um Novo Despertar 

Fukushima em Setembro de 2013




Boiling Sea Off Fukushima Viral Photo Of The Day

Apareceu no Twitter uma foto a mostrar um mar borbulhante perto da central  nuclear de  Fukushima , que pode estar relacionada com as radiações libertadas. A foto tornou-se viral.

Então, porque está o mar a borbulhar? A resposta pode ser encontrada no site NaturalNews.com, que nos diz que Fukushima está em Queda Livre.




 

Não há muito que possa ser feito. Centenas de milhares de pessoas vão morrer, se não milhões . Os  Oceanos ficarão contaminados por milhões de anos . A vida marinha vai morrer e o ecossistema será danificado para sempre.O " Síndrome da China " é o maior perigo que a humanidade enfrenta.


 


Os núcleos dos reactores nucleares de Fukushima ainda estão perigosamente quentes - Estão a usar água do MAR para resfriar os reactores . A radiação é como magnetismo - tudo o que toca torna-se radioactivo e contaminado - cada gota de água do mar usada para resfriar os reactores, fica  contaminada. Secretamente, a japonesa TEPCO corp. foi injectando biliões de litros de água do mar, para o  meio dos núcleos dos reactores e de seguida, essa água foi libertada contaminando o mar. Cada gota é veneno puro.



Isto é o que está acontecer em Fukushima - os núcleos podem derreter a crosta da Terra se não continuar a injectar biliões de litros de água do mar a cada ano para os núcleos. O PROBLEMA DE FUKUSHIMA REQUER COOPERAÇÃO INTERNACIONAL . É o maior problema que a humanidade enfrenta neste momento. 



 
Se estes núcleos de Fukushima derreterem acontece o que é conhecido dentro da indústria nuclear, como " Síndrome da China . Ou seja, que se se parar de refrigerar os núcleos com biliões de litros de água do mar,  os núcleos vão aquecer e tornar-se numa massa quente efervescente, que vai começar a afundar-se directamente para o núcleo da Terra -  e supostamente, queimar todo o caminho até à 'China ' ou antípodas, falando mais correctamente. No entanto, o fluxo de água contaminada acabará por envenenar e matar todas as criaturas que vivem no Oceano Pacífico. Mortes em massa de peixes, focas e aves já estão a ser relatados.



 

As opções são estreitas, para dizer o mínimo. Se os núcleos  aquecerem, então  vão derreter e o seu caminho será  para os lençóis de água subterrânea, dentro da crosta terrestre e uma explosão nuclear gigante ACONTECERÁ - além, é claro, de que a água doce subterrânea de toda a região do norte do Japão vai ficar contaminada. O governo japonês precisa de desenvolver uma tecnologia de ponta de imediato, para arrefecer esses núcleos  sem contaminar o todo Oceano Pacífico. Já existem seis núcleos de reactores  em decomposição no fundo do mar de antigos submarinos militares russos e americanos - agora mais quatro núcleos estão a ser lavados e arrefecidos no Oceano, o que provavelmente irá levar o equilíbrio ecológico  numa espiral descendente.

http://marecinza.blogspot.com.br/
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário