15 de set de 2013

CINCO FORMAS COMO A GUERRA NA SÍRIA PODE DESENCADEAR O HOLOCAUSTO NUCLEAR


 PorHarvey Wasserman

13 de Setembro de 2013Na esteira de uma aparente pausa na marcha para uma guerra mais ampla, a realidade de uma dimensão nuclear na Síria continua em grande parte, silenciosa .Há pelo menos cinco principais razões pelas quais a intervenção militar norte-americana na guerra civil da Síria poderia ser nuclear :

(1) Há um reactor perto de Damasco .

    É relativamente pequeno,  contendo cerca de um quilo (2,2 libras) de urânio para armas. Isso não é muito no esquema das coisas quando se trata de construir uma bomba atómica. Mas, como Aleksandr Lukashevich do Ministério das Relações Exteriores russo coloca,

        "Se uma ogiva , direccionada ou por acaso, for para embater no Reactor Fonte Neutron Miniature ( MSNR ) perto de Damasco, as consequências podem ser catastróficas. "

    Uma preocupação primordial seria "a contaminação por urânio altamente enriquecido " ao longo dos arredores imediatos . No mínimo seria  "um local de risco de radiação",  segundo Mark Hibbs, do Fundo Carnegie para a Paz Internacional, na Russia Today .

    Lukashevich também prevê que "não será possível contabilizar o material nuclear, a sua segurança e controle. " Esse material,  adverte sombriamente, poderia cair em "mãos erradas".

    Se os EUA vão finalmente atacar a Síria, terão de evitar embater nesse reactor. Também é possível que, no caos que se siga, uma das facções irresponsáveis na  ​​miríade de acasos aleatórios da guerra civil, poderia alvejar o reactor. Esse grupo poderia culpar os EUA ou outros , dependendo da sua orientação particular.

    Se isso acontecer, é apenas mais um reactor atómico sereno, esperando um impacto aleatório e a queda no caos.

(2) Apesar da promessa do secretário de Estado, John Kerry de um ataque de "incrivelmente limitado", uma vez que os militares dos EUA se comprometerem a uma acção na Síria , é improvável  segurar qualquer arsenal táctico. Isso quase certamente inclui o urânio empobrecido (DU) .

    
Quando conchas feitas desse material super duro penetram veículos blindados , bunkers endurecidos e outras estruturas, o DU dispersa-se em partículas radioactivas finas que são facilmente inaladas . Onde quer que seja usado ~ como na Jugoslávia , no Iraque e no Afeganistão ~ o DU inflige terríveis consequências na saúde, incluindo câncer entre  pessoas de todas as idades e defeitos de nascença nas crianças, após a sua utilização . O urânio -238 tem uma meia vida de 4,5 biliões de anos, a imposição da contaminação é praticamente permanente.

    
Se armamento DU for usado novamente, desta vez na Síria, a contaminação será generalizada e irreversível. Muitos milhares de pessoas inocentes ~ incluindo os inúmeros que vão nascer ~  irão sofrer muito. Tal como acontece com todas as precipitações radioactivas, os efeitos letais se estenderão ao longo das gerações .

(3) Quando as super potências mundiais colidem, a guerra nuclear é sempre uma possibilidade .

    Neste ponto, os EUA e a Rússia parecem estar se unindo. Mas neste, muitas vezes irracional barril de pólvora global, os riscos não poderiam ser maiores .

    Em tais situações, podemos esperar o melhor, mas não podemos perder de vista o pior ponto de vista.

    No discurso de terça-feira , o presidente Obama mencionou o uso de armas químicas durante a Primeira Guerra Mundial. Também se deve lembrar de  um assassinato bizarro em Sarajevo, perpetrado por um pequeno punhado de cidadãos sérvios jovens, que provocou uma guerra de quatro anos e  matou 10 milhões de pessoas directamente, além de  que indirectamente, matou outros 10 milhões, incluindo 500 mil norte-americanos ~ ~ na epidemia de influenza que se seguiu.

    Nesse dia, as circunstâncias que desencadearam a guerra são praticamente impossíveis de compreender. Parece que de facto, de alguma forma adquiriram um ímpeto devastador próprio.

    No entanto, a instabilidade dos Balcãs naquela época empalidece diante do ponto de inflamação  de hoje, no Oriente Médio. Um protesto na Síria transformou-se numa guerra civil e de seguida, uma guerra por procuração. Poderia facilmente expandir-se a uma guerra regional e no pior dos casos, o conflito global. O que aparece no fundo das tensas negociações, é a tortura que ainda está por vir, é a realidade e apesar dos melhores desejos de todos, o fracasso diplomático é uma possibilidade distinta ~ que poderia em última análise, tornar-se sinónimo do impensável atómico.

    ED Noor : Esta guerra está nos livros há décadas, como parte do Projecto para o Novo Século Americano, conforme descrito pelo general Wesley. Israel quer a guerra por todas as razões erradas e não vai largar até que as suas exigências sejam atendidas ou será completamente desligado, sendo este último o melhor cenário para a saúde do nosso planeta.



 
(4) Na turbulência sem fim  que define  hoje o Oriente Médio,
os americanos e os russos parece que estão longe de manter alguns pedaços de racionalidade.    Mas passado meio  século pacífico da proliferação de armas atómicas, não podemos saber que nações ou grupos marginais podem agora ter dispositivos atómicos e que impulsos aleatórios podem solicitar a sua utilização.

   
Num mundo profundamente imprevisível, cada um dos mais de 400 reactores de tamanho comercial ainda operacional, continuam a produzir materiais radioactivos que poderiam abastecer uma arma nuclear.

    
Cada um desses reactores em si é um alvo profundamente vulnerável. Se a situação na Síria degenera numa guerra mais ampla, a probabilidade de um freelance atómico " situação " torna-se muito provável.

    
Quanto mais grave a crise na Síria,
    
mais  vai desviar a atenção de um desastre nuclear existente.

   

(5) Enquanto a atenção do mundo está focada na Síria , o desastre em escala global em Fukushima está numa espiral fora de controle.
    
Milhões de toneladas de água altamente contaminada fluem continuamente através na região central do Japão e no Oceano Pacífico . Milhões mais se vão acumular
continuamente em tanques frágeis já em rompimento e tudo dentro do espectro do próximo terremoto.

    
Os três núcleos fundidos em Fukushima Daiichi ainda têm de ser encontrados. A piscina de resíduos radioactivos é perto da Unidade Quatro que é cercada de edifícios, cujas fundações estão a ser prejudicadas pelo fluxo contínuo de água radioactiva .

    
Mais terrível, todo o núcleo da Unidade Quatro permanece empoleirado numa piscina de combustível danificado de 100 pés de altura, em cima de uma estrutura que está afundando. Se ele cair ao chão, o núcleo poderia vomitar no oceano e atmosfera mais de 20.000 vezes a radiação libertada em Hiroshima.Uma espécie sã começaria por  gastar todos os seus recursos em alguma forma curar a apocalítica ferida aberta  que ainda contamina em Fukushima .No entanto, estamos amarrados à Síria. Podemos estar profundamente gratos porque a situação lá, hoje parece pelo menos um pouco menos perigosa do que  ontem .Mas o perigo atómico esconde-se sem aviso em todas as facetas desta crise.


Harvey Wasserman edits Nukefree.org. He is the author of “Solartopia! Our Green-Powered Earth” and hosts the “Green Power & Wellness” radio show. 
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário