21 de set de 2013

A HUMANIDADE ESTÁ FICANDO MAIS INTELIGENTE OU MAIS "BURRA"?



Enquanto as pontuações de QI estão subindo a um ritmo notável, o potencial genético subjacente dos seres humanos para inteligência pode estar em declínio, sugere um novo estudo.
Os resultados são controversos. Ainda assim, o estudo destaca o problema com a medição da inteligência ao longo do tempo: a inteligência não pode ser definida como uma coisa só. O que torna uma pessoa inteligente na savana africana poderia ser quase inútil nos centros financeiros de Hong Kong, por exemplo.
“A inteligência não está simplesmente descendo ou subindo”, disse Michael Woodley, psicólogo da Universidade de Umea, na Suécia, que liderou a nova pesquisa. “Diferentes partes da inteligência podem estar mudando de muitas maneiras diferentes.”

Você é mais inteligente do que a sua avó?


Criança usando o computador

O mundo está cheio de evidências de que os humanos modernos sabem muito mais coisas do que os seus antepassados.
Além dos muitos avanços tecnológicos, há outro indício de que os seres humanos estão ficando mais espertos. É o chamado efeito Flynn, em homenagem ao pesquisador James Flynn, professor emérito da Universidade de Otago, na Nova Zelândia.]
Desde o QI, ou quociente de inteligência, os testes foram revistos e padronizados várias vezes nos últimos 100 anos. Para ver o efeito Flynn, os cientistas têm seus voluntários testados com as gerações anteriores. Flynn e seus colegas descobriram que em todo o mundo, as novas gerações obtiveram maior pontuação nos testes antigos do que os examinandos originais fizeram.
Os aumentos são poucos e variam de acordo com o local, mas tendem a ser em torno de três pontos de QI extras por década.
Flynn e muitos outros pesquisadores suspeitam que o aumento de QI é reflexo de um ambiente moderno. O QI é em parte hereditário e em parte ambiental; enriquecer o ambiente de uma criança com oportunidades para aprender fará com que ela tenha um QI mais elevado posteriormente. Uma melhor nutrição, maior escolaridade e maior estímulo também poderia explicar o efeito Flynn.
Se você perguntasse a alguém no século 19 a relação entre um cão e uma lebre, ele provavelmente veria algo concreto, com base em sua experiência da vida real com os dois animais, Woodley disse. “O cão caça à lebre” pode ser uma resposta típica.
Hoje, as pessoas são ensinadas a pensar mais abstratamente. A pessoa moderna seria mais propensa a dizer que ambos são mamíferos, por exemplo.
“Este tipo de heurística e os hábitos modernos de pensamento mudaram a forma como as pessoas se aproximaram de responder os testes de QI”, disse Woodley.

O outro lado da moeda


Mutação genética

Mesmo que o efeito Flynn mostre que o QI vem aumentando, alguns pesquisadores defendem uma visão mais obscura. Os seres humanos não estão ficando mais inteligentes, dizem eles. Pelo contrário.
Em novembro de 2012, o pesquisador Gerald Crabtree publicou dois artigos na revista Trends in Genetics que sugerem que a inteligência da humanidade atingiu seu ápice entre 2.000 e 6.000 anos atrás. [Polêmico estudo diz que estamos ficando mais burros]
Crabtree baseou esta afirmação na genética. Cerca de 2.000 a 5.000 genes controlam a inteligência humana, ele estimou. À taxa na qual se acumulam mutações genéticas, Crabtree calculou que nos últimos 3.000 anos, toda a humanidade tem sofrido, pelo menos, duas mutações prejudiciais para estes genes determinantes para o intelecto. Nem toda mutação causará dano – genes vêm em pares, e algumas fragilidades causadas pela mutação podem ser encobertas pela metade saudável do par, mas o cálculo sugere que a inteligência é mais frágil do que parece.
Além disso, ele argumentou, a inteligência não é tão importante para os seres humanos evolutivamente hoje como era quando a espécie era caçadora. O homem moderno raramente enfrenta tais testes de vida ou morte que exigem inteligência, Crabtree escreveu.
Outra teoria sustenta que a capacidade genética para a inteligência da humanidade está em declínio por causa de um fenômeno chamado de acasalamento disgênico. Desde meados de 1800, o QI e a reprodução eram negativamente correlacionados, os estudos descobriram. As pessoas que são mais inteligentes têm menos filhos. Como a inteligência é parte genética, alguns pesquisadores argumentam que o QI deve estar caindo.
Em vez disso, os resultados estão subindo, criando um paradoxo entre as teorias.

Compreender o paradoxo da inteligência

Agora, Woodley e seus colegas acreditam ter resolvido esse paradoxo, e as notícias não são boas.
Olhando para trás na inteligência histórica, os pesquisadores não se focaram nos testes de QI, mas sim no tempo de reação. O tempo de reação simples (a quantidade de tempo que demora a se responder a um estímulo) é correlacionada com o QI, Woodley disse, e não é tão sensível a fatores culturais como os testes de QI são.
“A ideia é que os tempos de reação representam a sua capacidade de envolver-se em processamento cognitivo muito básico e elementar”, disse ele.
Na década de 1880, o cientista inglês  Sir Francis Galton mediu os tempos de reação de 2.522 homens e 888 mulheres a partir de uma ampla variedade de condições socioeconômicas. Ele descobriu que o tempo de reação médio dos homens a um estímulo era de 183 milissegundos, e de mulheres era de 187 ms.
Doze estudos semelhantes foram realizados após a década de 1940 e, por outro lado, encontraram um tempo médio de reação para os homens de 250 ms e para mulheres de 277 ms – algo notavelmente mais lento.
Woodley e seus colegas desenvolveram um trabalho recente, incluindo dados adicionais e combinando os estudos novos e antigos para ter certeza de que eles estavam medindo as mesmas coisas. Apesar do fato de que os temporizadores terem melhorado desde a década de 1880, Woodley está confiante de que as medidas de Galton são precisas. Galton usou uma máquina baseada no pêndulo para reações de tempo, e essas máquinas são geralmente precisas dentro de 10 ms.
Os dados de Galton também se comportam como o esperado. Por exemplo, os grupos com mais endogamia obtiveram um pior desempenho no teste de tempo de reação.
“Nós encontramos uma tendência muito grande com o passar do tempo e a queda na velocidade de reação”, disse ele, “o que é consistente com a ideia de que a genética tem influído na diminuição da inteligência da humanidade.”
O que isso sugere é que, mesmo com o aumento do QI com a educação e a saúde, a capacidade da humanidade para ficar mais esperta está diminuindo. Em essência, o efeito Flynn pode estar escondendo um declínio subjacente.

“Uma analogia seria usar sementes de baixa qualidade, mas fertilizantes de alta qualidade”, disse Woodley , referindo-se a ideia de que um ambiente de alta qualidade pode estar mascarando o declínio nos genes “inteligentes”.
Se for verdade, as razões são desconhecidas. As possibilidades vão desde a exposição a neurotoxinas na sociedade moderna até a seleção natural.


http://misteriosdomundo.com/humanidade-
http://libertesuamente13.blogspot.com.br
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário