19 de ago de 2013

Dor e Prazer

Dois grandes impulsos opostos de nossas vidas.
De que forma funcionam os mecanismos da dor e do prazer?

Somos conduzidos inconscientemente por duas grandes forças, trilhando caminhos que nos levem até o prazer e não a dor. Mas de certa forma o equilíbrio entre eles é o que nos faz saber o que queremos, do que gostamos, o que não nos agrada, o que de fato nos satisfaz e até que ponto é prazeroso. Cada um sente uma experiência de um jeito diferente, momentos que deveriam ser dolorosos podem causar euforia e o que deveria ser prazeroso pode ser bastante sofrido. Cada reação define quem somos, moldando a nossa busca pelo prazer. Mas como esse processo acontece dentro de nossos corpos? De que maneira essa química ocorre?
Pular de paraquedas pode ser uma emoção para muita gente, mas para outros é um verdadeiro tormento. Da mesma forma que alguns indivíduos podem adorar comer pimenta e sentir o ardor em suas línguas, algo desagradável para a maioria das pessoas. Para explicar como se dá esse processo, a ciência busca estudar diversos caminhos, montando um quebra-cabeça com base na química que ocorre dentro do corpo no momento em que sentimos prazer e/ou dor.

Existem inúmeras maneiras de induzirmos tais sensações e dessa forma analisar as mudanças que acontecem nesses momentos. Assim podemos ver a serotonina, a endorfina, a dopamina, a adrenalina, entre outras, agindo em nossos corpos e enviando estímulos ao cérebro, proporcionando das mais diversas sensações.
O que lhe dá mais prazer na vida? E o que lhe proporciona maior dor? No documentário Dor e Prazer Michael Mosley fará um estudo para descobrir quais são as respostas que as pessoas dão para essas duas perguntas. Ele revelará o quanto o prazer e a dor estão interligados em nosso cérebro e tentará provar dos limites de ambos para saber do que se trata a relação antagônica entre essas sensações.



http://www.menteagucada.com.br/2013/05/dor-e-prazer.html
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário