25 de jul de 2013

Pesquisa mostra que consumo regular de nozes reduz em 50% o risco de câncer e doenças cardíacas

 


Uma equipe de cientistas espanhóis publicou o resultado de suas pesquisas na revista BMC Medicine, mostrando que aqueles que comem nozes mais de três vezes por semana tiveram um risco reduzido de morte por câncer ou doença cardiovascular do que os que não comem essa oleaginosa. 
Os cientistas analisaram o efeito sobre a prevenção da doença cardiovascular com participantes que adotaram uma dieta mediterrânea com nozes  e azeite de oliva extravirgem.
Os pesquisadores analisaram mais de 7.000 pessoas com idade entre 55 e 90 anos.
Essas pessoas adotaram uma dieta de estilo mediterrâneo que incluía castanhas e, especialmente, as nozes.
A equipe descobriu que as pessoas que comem mais de três porções de nozes (uma porção equivale a aproximadamente 30 gramas) por semana tiveram um risco 55% menor de morte por doença cardiovascular e 40% reduziram o risco de morte por câncer.
O principal autor do estudo, dr. Jordi Salas-Salvad, declarou: "Como as nozes são capazes de prevenir a mortalidade precoce não é totalmente clara, nem porque ela é melhor que outras sementes/castanhas . Nozes têm particularmente alto teor de ácido alfalinoleico e fitoquímicos, juntamente com a fibra e minerais, tais como cálcio, magnésio e potássio, e isso pode contribuir para o seu efeito saudável”.
Estudos anteriores demonstraram que as nozes, em particular, são parte de uma dieta saudável e a melhor fonte de antioxidantes em relação a outras oleaginosas, como avelãs, amêndoas e castanhas.
Os pesquisadores também notaram que as pessoas que comiam nozes tiveram um menor índice de massa corporal e cintura menor.
Além disso, este grupo demonstrou ser mais ativo fisicamente e menos propenso a fumar.
Os especialistas recomendam a substituição de uma porção diária de frutas e vegetais por uma porção (30 gramas) de nozes e castanhas para reduzir significativamente o risco de morrer de câncer e doença cardíaca. 

Algumas fontes deste artigo:
http://www.biomedcentral.com
 
http://www.medicalnewstoday.com/articles/263331.php
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário