26 de jul de 2013

A verdadeira causa das doenças cardíacas

Editado por: Alkaline Care

Nós os médicos, às vezes, com toda a nossa formação, conhecimento e autoridade, tendemos a ter um ego demasiado grande, tornando-nos difícil admitir que nos enganamos. Assim aqui está. Eu pessoalmente admito com toda a liberdade que me enganei. Como cirurgião cardiovascular com 25 anos de experiência nas minhas costas e tendo feito mais de 5000 operações com o coração aberto, é hoje o meu dia de emendar os erros comprovados com factos médicos e científicos.

Formei-me durante muitos anos com os melhores e mais proeminentes médicos etiquetados de "líderes de opinião" . Continuamente bombardeados com literatura científica, atendendo constantemente a seminários formativos, nós os líderes de opinião insistíamos em que as doenças coronarías eram o resultado simplesmente do aumento de colesterol no sangue.

A única terapia aceite era prescrever medicamentos para diminuir o colesterol e receitar uma dieta restringindo severamente a ingestão de gorduras. Neste último, insistíamos, reduziria o colesterol e as doenças cardiovasculares. Qualquer desvio destas recomendações era considerado heresia e podia derivar possivelmente numa má praxis.

Senhores não funciona!

Estas recomendações já não são defensáveis, nem científica, nem moralmente. A descoberta há alguns anos da verdadeira causa das doenças cardiovasculares e arteriais está a conduzir lentamente a uma mudança de paradigma e a como serão tratadas no futuro as doenças cardiovasculares e outras doenças crónicas.

As recomendações dietéticas, largamente estabelecidas, geraram uma epidemia de obesidade e diabetes, cujas consequências empalidecem perante qualquer praga histórica do passado, quanto a termos de mortalidade, sofrimento humano e consequências terríveis económicas a que se refere.

Apesar do facto de que 25% da população toma custosos medicamentos à base de estatinas e termos reduzido as gorduras nas nossas dietas este ano vão morrer mais americanos e europeus do que nunca devido a causas cardiovasculares

As estatísticas da Associação Americana do Coração, mostra que 75 milhões de americanos sofrem de doenças cardiovasculares na actualidade, 20 milhões sofrem de diabetes e 57 milhões de pré diabetes. Estas desordens estão a afectar em grande medida e de forma alarmante a cada ano, pessoas cada vez mais jovens
Simplesmente mencionar que sem inflamação presente no corpo, não há maneira de que possa acumular-se colesterol nos vasos sanguíneos e provocar doenças coronárias e enfartes. Sem inflamação o colesterol pode circular mais livremente através do corpo, tal como deveria ser naturalmente. É a inflamação a causa de que o colesterol se vá acumulando.
O processo da inflamação não é complicado; de facto é bastante simples, é a a reacção de defesa natural que tem o organismo frente a qualquer invasor estranho como uma bactéria, toxina ou virus.
O ciclo da inflamação é perfeito na sua maneira de proteger o teu corpo destes invasores bacterianos ou víricos. No entanto, se expusermos constantemente o organismo a lesões provocadas por toxinas ou alimentos que o corpo humano jamais foi feito para processar, produz-se uma condição chamada inflamação crónica. A inflamação crónica é tão perniciosa quanto é benéfica a inflamação aguda.

Que pessoa medianamente razoável se exporia , sabendo-o, constantemente a alimentos e outras substancias que se sabe provocarem lesões no corpo? Bom, quiçá os fumadores, mas esses ao menos escolhem conscientemente.

O resto de nós temos simplesmente seguido as recomendações dietéticas da corrente dominante do momento que consiste numa dieta baixa em gorduras saudáveis e rica em gorduras poli-insaturadas e carbohidratos, sem saber que estávamos lesando repetidamente o nosso sistema cardiovascular. Este dano constante gera inflamação crónica que por sua vez conduz a ás doenças cardiovasculares, enfartes, diabetes e obesidade.
Permitam-me que repita de novo: A lesão e a inflamação nos nossos vasos sanguíneos e artérias, é causada por uma dieta baixa em gorduras, precisamente a recomendada durante anos pela medicina oficial actual.
Quais são os principais culpados da inflamação crónica?

Muito simples, é a sobrecarga de carbohidratos simples altamente processados como o açúcar, as farinhas e todos los produtos fabricados com isso, o consumo excessivo de óleos vegetais omega-6 como os de soja, trigo e girassol que estão presentes em muitos alimentos processados.

Por um minuto visualiza uma escova dura esfregando repetidamente uma pele suave até conseguir que fira o bastante ao ponto de sangrar. Continua fazer isto várias vezes ao dia, todos os dias durante cinco anos. Se podes suportar este doloroso processo, chegarás a ter uma área que sangra, inflamada e infectada que piorará em cada nova lesão. Esta é uma boa maneira de visualizar o processo inflamatório que poderia estar ocorrendo agora mesmo no teu corpo.

Independentemente de onde se dê o processo inflamatório, seja externamente ou internamente, dá no mesmo. Observei milhares de artérias, e uma artéria doente parece-se com uma parede que foi raspada repetidamente com uma escova de aço. Várias vezes ao dia, os alimentos que ingerimos criam pequenas lesões que geram mais lesões, fazendo com que o organismo responda continuamente e apropriadamente com a inflamação.

Enquanto que apreciamos o sabor tentador de um pastel, os nossos corpos respondem de forma alarmante como se se tratasse de um invasor estranho declarando Guerra. Os alimentos carregados com açúcares e carbohidratos simples, ou processados com óleos omega-6 feitos para durar muito tempo nas prateleiras, foram o pilar principal da dieta americana durante seis décadas. Estes alimentos envenenaram e estão a envenenar lentamente todo o mundo.

Como é possível que comendo uma simples guloseima se possa gerar toda uma torrente inflamatória fazendo com que possas ficar doente?

Imagina por um momento que derramas xarope sobre o teclado do teu computador terás uma ligeira ideia do que ocorre dentro da célula. Quando consumimos carbohidratos simples como o açúcar, o nível de açúcar no sangue dispara rapidamente. Como resposta, o teu pâncreas segrega insulina cujo propósito principal é fazer que a glicose penetre dentro da célula onde será armazenada como energia. Se a célula está cheia e não necessita mais glicose fará a rejeição para evitar ter um excesso já que isto seria muito prejudicial.

Quando as tuas células repletas rejeitam a glicose extra, o açúcar no sangue aumenta produzindo mais insulina e a glicose converte-se em gordura armazenada.

Que tem tudo isto a ver com a inflamação?


O açúcar no sangue é controlado por um campo muito estreito. As moléculas extra de açúcar adere a uma variedade de proteínas que por sua vez lesionam os vasos sanguíneos. Esta contínua lesão dos vasos sanguíneos gera a inflamação. Quando os níveis de açúcar se disparam várias vezes ao dia, em cada dia, é exactamente como introduzir una lixa nos teus delicados vasos sanguíneos.

Ainda que não sejas capaz de ver, asseguro-te que está aí. Vi isso em mais de 5000 pacientes cirúrgicos ao longo de 25 anos e todos eles tinham um denominador comum; inflamação arterial.

Voltemos ao nosso pastelito, essa goluseima aparentemente inocente. Não só contém açúcar, como foi preparado com um dos muitos óleos ômega 6 como o de soja. As batatas fritas são feitas com óleo de soja; os alimentos processados foram produzidos com omega 6 porque duram mais nas estantes. Os ómega 6 são essenciais já que formam parte de cada membrana celular que controla o que entra e sai da célula, no entanto, devem estar em equilíbrio correcto com os ómegas 3.

Se este equilíbrio se rompe por consumir demasiado ómega 6 a membrana celular produz componentes químicos chamados citoquinas que causam inflamação.

A dieta Ocidental estabelecida actual gerou um desequilíbrio muito grande entre estas duas gorduras. A proporção de desequilíbrio vai desde 15:1 a 30:1 a favor dos ómegas 6. Isto é uma quantidade incrível de citoquinas provocando a inflamação. No meio alimentar actual, a proporção óptima e saudável deveria ser de 3:1.

E para piorar as coisas ainda mais, o teu excesso de peso provocado por comer este tipo de alimentos gera células gordas sobrecarregadas, que por sua vez vertem grandes quantidades de químicos pré inflamatórios, que se somam à lesão já provocada por ter altos níveis de açúcar no sangue. O processo que começou com um simples doce converte-se com o tempo num círculo vicioso que degenera em doenças cardiovasculares, hipertensão arterial, diabetes e finalmente a doença de Alzheimer à medida que o processo inflamatório avança.
Não se pode escapar ao facto de que quanto mais consumimos alimentos preparados e processados, mais nos encontraremos, pouco a pouco, com processos inflamatórios.

O corpo humano não pode processar, nem foi desenhado para consumir, alimentos carregados com açúcares ou imersos em óleos omega-6.

Só há uma solução para evitar a inflamação


Voltar aos alimentos no seu estado natural. Para criar músculo come mais proteína.

Escolhe carbohidratos muito completos como frutas e vegetais com muitas cores. Corta com a inflamação eliminando todos os óleos omega 6 como o óleo de milho, trigo, girassol ou de soja que se empregam na maioria dos alimentos processados industrialmente.

Uma colher de sopa de óleo de trigo contém 7,280 mg de omega-6 e uma colher sopa de óleo de soja contém 6,940 mg. O melhor é consumir sempre azeite de oliva ou manteiga proveniente de vacas que se alimentem de erva.

As gorduras de origem animal contém menos 20% de omega-6 e têm muitas menos probabilidades de causar inflamação que os óleos poli-insaturados supostamente etiquetados de saudáveis. Esquece a “ciência” que te formatou a cabeça durante décadas. Não existe ciência que afirma que a gordura saturada por si só provoque doenças cardiovasculares. É também é muito débil a ciência que afirma que as gorduras saturadas aumentam os níveis de colesterol no sangue. Actualmente, desde que sabemos que o colesterol não é a causa das doenças cardiovasculares, preocupar-se com as gorduras saturadas é ainda mais absurdo.

A teoria do colesterol levou a recomendar dietas com pouca ou nenhuma gordura, que por sua vez, gerou os mesmíssimos alimentos que na actualidade estão a causar estragos; uma verdadeira epidemia inflamatória. A medicina oficial cometeu um terrível erro ao aconselhar as pessoas a evitar ingerir gorduras saturadas e promoveu os em ômega 6. Actualmente temos uma epidemia de inflamação arterial que conduz a doenças cardiovasculares e outros assassinos silenciosos.

O que podes fazer é escolher alimentos completos como os que servia a tua avó e não os que comprava a tua mãe em supermercados com estantes repletas de alimentos processados e industriais. Ao eliminar os alimentos que provocam a inflamação e adicionar nutrientes essenciais procedentes de alimentos frescos não processados nem industriais, reverterás o dano causado às tuas artérias e organismo por consumir, ao longo dos anos, a típica dieta americana.

O Dr. Dwight Lundell foi director de pessoal «e director de cirurgia do Hospital “Banner Heart Hospital”, en Mesa, AZ. pratica medicina privada no Centro de cuidados Coronários em Meza, AZ. El Dr. Lundell deixou a cirurgia para dedicar-se a tratar as doenças cardiovasculares desde o ponto de vista nutricional. É o fundador de “Healthy Humans Foundation” (Fundação Humanos Saudáveis) que promove a saúde humana com o fim de ajudar as grandes corporações a promover o bem estar.

Traduzido por: Gogo Bela MacQuillan (Castelhano)

Fontes: Guerra Silenciosa , Consciencia Verdad , Articles of Health
 http://www.nosdiasdenoe.com
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário