5 de jun de 2017

Flúor – Você sabe o que ocorre no seu cérebro?

O jornal americano The Lancet, uma das mais importantes publicações sobre saúde do mundo, publicou um estudo que classifica o flúor como uma neurotoxina perigosa.
Sabe o que isso significa?
Que, segundo o estudo, a toxidade do flúor está no mesmo nível de substâncias como arsênio, mercúrio e chumbo.
Para realizarem este estudo, o dr. Philip Landrigan, da Escola de Medicina Monte Sinai, em Nova Iorque, e o dr. Philippe Grandjean, da Escola Pública de Saúde de Harvard, em Boston, analisaram pessoas de regiões que consomem flúor devido à fluoretação da água, como ocorre no Brasil.
E eles concluíram que o flúor danifica o cérebro e pode causar diversas incapacidades neurológicas, incluindo falta de atenção, hiperatividade, autismo, dislexia, entre outros.
O estudo revelou também que o QI das pessoas pode também ser afetado, descendo sensivelmente 7 pontos do valor original.
Os investigadores focaram a análise em crianças e em mulheres grávidas e concluíram que as fases de maior vulnerabilidade são o período de gestação, a infância e a adolescência.
Mas não é só nas crianças que o flúor é tóxico.
Nos adultos também, chegando a afetar o sistema nervoso central.
Ah, mas disseram a você que o flúor é excelente para os dentes?
Além do estudo publicado em The Lancet (ver link* no fim), você devia ler o livro The Fluoride Deception, de Christopher Bryson.
Neste livro, o autor mostra que o flúor usado em nossa água e nos cremes dentais é altamente nocivo à saúde.
Segundo Bryson, o flúor é um elemento usado em armas nucleares e a história de que ele é útil no combate à carie não passou de uma estratégia da indústria e do governo dos Estados Unidos para evitar processos na Justiça de pessoas que trabalham ou moram ao redor das fábricas que produzem essa substância.
Bryson corrobora sua tese mostrando que o uso de flúor é proibido em todos os países da Europa, à exceção da Irlanda, e que, se ele não causasse males, não haveria motivos para essa proibição.
O livro The Fluoride Decepcion virou um documentário.
Esse documentário exibe casos de cientistas cuja carreira foi destruída porque eles ousaram ao mostrar, com base em pesquisas, a destruição que o flúor pode causar em nossa saúde.
Por tudo isso, em vários países já existe um movimento para o fim da fluoretação da água.
É o caso dos Estados Unidos, onde recentemente 600 dentistas, médicos e cientistas entregaram ao Congresso desse país um relatório que pede o fim do uso de flúor na água.
Um dos que assinaram o relatório é o Dr. Arvid Carlsson, laureado pelo Nobel da Medicina no ano 2000, para o qual  “a fluoretação é contra todos os princípios modernos da farmacologia, completamente obsoleta”.
Segundo pesquisas, alguns dos efeitos do flúor no nosso corpo podem ser:
-aumento do risco de fracturas ósseas;
-redução drástica do funcionamento da tireoide;
 -redução do desenvolvimento do QI;
– causa de artrite e doenças semelhantes, como fluorose dental;
-desenvolvimento de câncer ósseo (osteossarcoma)
Assista agora a um vídeo, dublado em português, baseado no livro The Fluoride Decepcion e saiba com riqueza de detalhes toda a história do flúor e os males que ele pode causar:
Depois, veja como eliminar o flúor da água que você bebe e como fazer uma pasta dental totalmente natural e livre desta venenosa substância.
COMO ELIMINAR O FLÚOR DA ÁGUA
Cientistas da Universidade de Rajasthan descobriram que o manjericão-santo (Ocimum tenuiflorum) pode substituir algumas das alternativas mais caras para a remoção de flúor da água.
Os investigadores conduziram o experimento, em uma aldeia de Narketpally, imergindo 75 mg de folhas de manjericão-santo em 100mL de água que tinha mais de 7 partes de flúor por milhão de água.
Após a imersão das folhas em água durante apenas 8 horas, o flúor foi reduzido para apenas 1,1 parte por milhão.
A Organização Mundial de Saúde diz que os níveis “seguros” de flúor na água não são mais do que uma parte por milhão.
Então, faça o seguinte:
1. Filtre 2 litros de água.
2. Coloque a água em uma jarra de vidro
3. Acrescente a essa água um punhado folhas de manjericão-santo (devidamente hogienizadas, claro).
4. Espere no mínimo oito horas para consumir.
PASTA DENTAL LIVRE DE FLÚOR
É bem simples.
Corte um pedacinho pequeno da folha de babosa e raspe o gel com uma colher.
Depois,  coloque um pouco na escova de dentes.
Faça a escovação normalmente.
Faz uma espuminha bem agradável e não tem amargo nenhum.
Retire com água (sem flúor).
Esta pasta também pode ser utilizada em dentes sensíveis e é ótima para tratar sangramento nas gengivas.
*Para ler a pesquisa publicada em The Lancet, clique AQUI.
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário